Semana On

Domingo 03.jul.2022

Ano X - Nº 494

Coluna

Mozilla menos homofóbica

Brendan Eich, que ajudou a desenvolver algumas das tecnologias mais importantes da web, renunciou ao cargo de chefe-executivo da Mozilla em função de pressões após denúncias revelarem que ele havia doado US$ 1 mil para um projeto de emenda constitucional que bania o casamento gay na Califórnia, em 2008.

Postado em 16 de Abril de 2014 - Redação Semana On

Brendan Eich renunciou ao cargo de chefe-executivo da Mozilla em função de pressões após denúncias revelarem que ele havia doado US$ 1 mil para um projeto de emenda constitucional que bania o casamento gay na Califórnia, em 2008. Brendan Eich renunciou ao cargo de chefe-executivo da Mozilla em função de pressões após denúncias revelarem que ele havia doado US$ 1 mil para um projeto de emenda constitucional que bania o casamento gay na Califórnia, em 2008.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Mozilla, criadora do popular navegador Firefox, anunciou a escolha de Chris Beard como chefe-executivo interino da companhia. No começo do mês, Brendan Eich, que ajudou a desenvolver algumas das tecnologias mais importantes da web, renunciou ao cargo de chefe-executivo da Mozilla em função de pressões após denúncias revelarem que ele havia doado US$ 1 mil para um projeto de emenda constitucional que bania o casamento gay na Califórnia, em 2008.

Quando renunciou, Eich havia assumido o cargo de chefe-executivo há apenas duas semanas. O novo chefe interino foi um dos membros fundadores da Mozilla e é bem respeitado dentro da comunidade open-source. Ele também deve se unir ao conselho da empresa.

Em um post, no blog oficial da Mozilla, Mitchell Baker, presidente-executiva da companhia, disse que a escolha de um novo chefe ocorreu "no meio de uma transição de liderança inesperada".

 

Põe na roda

Estreou nesta semana o “Põe na roda”, o novo canal gay na internet, criado pelo roteirista e colunista da Folha, Pedro Henrique Mendes Castilho, mais conhecido como Pedro HMC, 29. O humor não está só no vídeo de estreia, que de forma inteligente mixa um assunto atual como o racionamento de água com algo muito particular do mundo gay, a chamada chuca. O bom humor está também nos detalhes, como por exemplo, o horário que os vídeos sobem: toda terça-feira às11h24. Confira acima o vídeo de estreia do “Põe na roda”.

 

Na contramão

As autoridades de Simferopol (capital da Crimeia) e de Sevastopol não autorizaram a celebração de quatro ações das minorias sexuais, baseando-se em uma lei que proíbe a propaganda da homossexualidade entre os menores de idade, disse um dos líderes da comunidade gay russa, Nikolai Alexeev. "Tal como no caso de Sevastopol, face à proibição das passeatas gay em Simferopol será interposto um recurso para o tribunal e, se necessário, para os organismos internacionais, como o Comitê da ONU sobre os Direitos Humanos e a Corte Europeia", frisou o ativista LGBT.

 

Avanço

O Conselho Nacional de Combate à Discriminação, ligado à Secretaria de Direitos Humanos, publicou nesta semana uma resolução em que estabelece normas específicas para a prisão de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transgêneros.

A norma determina a criação de espaços de vivência exclusivos para os presos gays ou travestis em presídios masculinos, devido, segundo a portaria, "a sua segurança e especial vulnerabilidade". Estes espaços não podem se destinar à aplicação de medida disciplinar ou de qualquer método coercitivo. Já as pessoas transsexuais masculinas e femininas deverão ir para as penitenciárias para mulheres e deverão ter o mesmo tratamento isonômico dado a todas as presas.

No entanto, o encaminhamento do preso para o espaço específico acontecerá apenas mediante a sua concordância. A direção do presídio não poderá obrigar ninguém a ficar na área específica. Qualquer transferência obrigatória ou a aplicação de castigos serão considerados como tratamentos desumanos e degradantes. O documento, no entanto, não estabelece nenhum tipo de punição para quem descumprir as regras.

Os presos também terão o direito de serem chamados pelo nome social e de acordo com o gênero, que deverá, inclusive, constar na ficha de admissão da penitenciária.

As visitas íntimas são garantidas para todos os presos, seguindo as normas estabelecidas pela Justiça. No caso das pessoas travestis ou transsexuais, elas poderão optar pelo tipo de roupa a ser usada conforme o gênero e poderão manter os cabelos compridos se quiserem.

Os tratamentos de saúde também são garantidos para travestis e transexuais, como a manutenção do tratamento hormonal e o acompanhamento específico.

Além disso, a resolução determina o pagamento do auxílio-reclusão aos dependentes do preso, inclusive ao cônjuge ou companheiro do mesmo sexo. As novas regras já estão em vigor.

 

O colunista Guilherme Cavalcante está de férias, circulando pelo Velho Mundo. Nas próximas duas semanas a coluna True Colors será produzida pela equipe Semana On.


Voltar


Comente sobre essa publicação...