Semana On

Domingo 03.jul.2022

Ano X - Nº 494

Coluna

Estágio em Jornalismo

A hora de formar um bom profissional.

Postado em 04 de Abril de 2014 - Gerson Martins

Um tema recorrente quando se fala na formação universitária do jornalista é a questão do estágio. Um tema recorrente quando se fala na formação universitária do jornalista é a questão do estágio.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Um tema recorrente quando se fala na formação universitária do jornalista é a questão do estágio. Do lado dos estudantes, se pode ratificar, o fato de conseguir uma oportunidade de estágio, receber uma remuneração por trabalho naquilo que se gosta, poder compartilhar o que se estuda e o que se faz é uma excelente situação. Como quem diz, "sou pago para fazer aquilo que gosto", mesmo que, depois de formado, não tenha mais a oportunidade do trabalho, mesmo que execute o trabalho de um profissional e trabalhe mais de 30 horas por semana.

Estudantes, professores, profissionais, empresário, agência de intermediação de estágio sabem, a partir de agora, que esta situação mudará brevemente. Com a implantação das novas Diretrizes Curriculares de Jornalismo, obrigatória para todos os cursos de Jornalismo, o estágio se tornará obrigatório. Em muitos casos, não haverá mais a necessidade da intermediação das agências, a própria universidade gerenciará o processo, assim como o fazem nas outras áreas profissionais onde o estágio é obrigatório.

Com a implantação das novas Diretrizes Curriculares de Jornalismo, obrigatória para todos os cursos de Jornalismo, o estágio se tornará obrigatório.

De certa forma, as agências lucram com o estágio irregular. Promovem contratos de trabalho fora dos regulamentos de estágio aprovados pelos cursos de Jornalismo. E como atendem a uma expectativa dos estudantes, se aproveitam do ímpeto e do desejo para emitir Termos de Compromisso de Estágio que promovem a precarização do trabalho profissional. A essas agências interessa atender as empresas, não estão preocupados com o bem-estar do estudante, com sua aprendizagem, com a valorização profissional e, muito menos, com a qualidade da formação.

Em todo esse processo, o que ocorre? Uma desqualificação profissional, uma desvalorização da profissão e, enquanto os estudantes entendem na qualificação de seus estudos, na realidade promovem a precarização de sua própria profissão. O resultado disso? Salários aviltantes, péssimas condições de trabalho, horas continuas e extenuantes de trabalho, pois o estudante deve cumprir atividade que deveria ser de um profissional, sem estar preparado para tal. O dispêndio de energia, de dedicação compromete seus estudos e seu cotidiano. Numa situação hipotética, mas não tão hipotética assim, o estudante iniciar seu trabalho, no "estágio" às sete horas da manhã, termina às 13h e logo em seguida começa sua jornada universitária às 14h até 18h, 19h. Quando chega em casa está exausto e sem condições de realizar suas tarefas universitárias, seus estudos, sabe que na manhã seguinte deverá acordar às 5h para reiniciar sua rotina "profissional".

O processo de estágio, supervisionado, é um momento rico de qualificação profissional em nível superior em que o estudante tem a oportunidade de aliar a teoria, prática trabalhadas no âmbito do curso universitário com a realidade, com as rotinas do exercício de sua profissão. Deveria ser um momento de inovação, em que as empresas pudessem desenvolver habilidades, novas possibilidades de geração do seu "produto". Em outras palavras, aproveitar o potencial do ensino superior para oxigenar suas ações.

Na maioria dos casos, as empresas estão cegas para este potencial. Preferem "enquadrar" os estagiários a lhes oferecer oportunidades para que desenvolvam suas potencialidades.


Voltar


Comente sobre essa publicação...