Semana On

Domingo 28.nov.2021

Ano X - Nº 469

Coluna

Café ralo

Coffee Break tem muitas ilações e pouca informação.

Postado em 10 de Junho de 2016 - Liziane Berrocal

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Coffee Break é a operação das ilações. Depois de um espetáculo quase final de Copa do Mundo para anunciar os finalistas, ops, os indiciados, veio outro espetáculo: o das "fontes disseram". E nada do MPE se manifestar. Nem para dizer que sim, nem para dizer que não... e fica no diz que me diz. Ou seja, informação real e concreta mesmo, nenhuma, já que o próprio órgão parece adorar a profusão de nomes que pipocam por aí, sem se dar conta que podem prejudicar quem não tem nada a ver com a história.

Claro, que não há santos em cabarés – e nem em lugar nenhum, mas vamos combinar que esse espetáculo só causa mais expectativas nas pessoas e isso acaba atrapalhando, pois quando cai na justiça - e quem teve o nome envolvido prova que focinho de porco não é tomada - fica a opinião pública falando em impunidade. Devido processo legal está aí para isso, certo?

Aliás, como teve indiciado que sequer foi chamado para depor, só mesmo quando for divulgado o teor da denúncia é que vamos saber o “quem é quem” nessa história toda. Enquanto isso, continua tudo no âmbito das "ilações" e, como a imprensa adora uma ilação, e o público consome isso...

Me colore que eu estou bege!

Giroto, Amorim e companhia limitada continuam presos. Aliás, nunca antes na história desse Estado, hein minha gente? Me amarrota que eu estou passada!

Para que está feio!

Gente, alguém pede, por favor, para o Carlos Marun (PMDB) parar, pelo amor de Santo Cristo? Ok, que ele defendeu o menino Eduardo Cunha – aquele que comandou a saída da Dilma mesmo sendo mais sujo que pau de galinheiro - falando que primeiro tiraria do partido alheio e depois iria olhar para o dele. Mas já acabou! Pessoal daqui de Mato Grosso do Sul já cansou um tiquinho de passar vergonha! Brigada, de nada, tchau!

Holofotes

Agora, a senadora Simone Tebet (PMDB) ganhou um pouco de holofote. Cotada para tanta coisa, pelo menos está encarando uma sobriedade ao defender o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Vamos ver onde isso vai parar.

Baixo clero

Aliás, foi um tal de "apoia Temer para cá" e "apoia Temer para lá" e o que sobrou para os parlamentares do nosso Estado foi o de sempre. Ainda tratados como baixo clero, apesar de Marun aparecer cantando com Sergio Reis e o presidente interino. Bom, caminhando e cantando...

Buguei!

Sabe quando dá um bug na cuca maluca? Pois é.... Foi isso mesmo que deu em relação ao projeto de suplementação do prefeito Alcides Bernal (PP), enviado para a Câmara. Ele demorou um tempo imenso – de março até quase junho – para enviar as informações para os vereadores. Ok! Os vereadores aprovaram em regime de urgência. Ok! Daí, o que o prefeito fez? Ele VETOU o projeto! Ele vetou o próprio projeto. Mesmo que parcialmente, ele vetou. Simples assim.

Daí, parlamentar da base fala aos quatro ventos que o problema é da Câmara – da qual ela faz parte -, mas quando vem uma patacoada dessas, fica mudinha, na miúda, na encolha e bem fingindo que não é com ela? Ah gente, faça-me o favor! Isso é demais e pior, enganando em época de eleição quem sofre no frio e na chuva!

Falando nisso

Surgiu uma lista com pessoas que teriam recebido vacina contra gripe – que não tem nos postos nem "pra remédio" - de forma, digamos, privilegiada. Tem denúncia formal no MPE (Ministério Público Estadual) e MPF (Ministério Público Federal). A lista aponta nomes de assessores e asseclas do prefeito. Um dos assessores com o nome da lista procurou esta colunista para garantir que não aconteceu isso e que o denunciante está embarcando numa "mentira", que ele não entende porquê, etc. Bom, quem tomou eu não sei, o que eu sei é que uma galera de gente foi procurar o posto de saúde várias vezes e não tinha vacina.

CPI das Vacinas

E o que não podem falar é que vereador não esteja trabalhando nessa legislatura. Considerando que antes não existia oposição (e sim, isso era ruim para a cidade), agora mais uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) está em curso na Câmara. É justamente a CPI das Vacinas. Quer apurar onde foram parar as doses que sumiram dos postos. Ao certo ninguém sabe se é três mil ou 32 mil doses, mas que sumiu, isso sumiu.

Palmas pra maluco dançar

A claque do prefeito como sempre presente. As apaniguadas da Semed ficam de boa sem trabalhar, fazendo plantão por aí onde vão para vaiar ou para apoiar o que elas consideram patrão. Porém, é preciso lembrar que quem paga os polpudos salários das lindonas é o povo e não ele... Logo, você está pagando gente para bater palma para maluco...

E a Caravana?

A Caravana da Saúde passou e deixou barulho mesmo. Na verdade, o negócio é paliativo, nós sabemos, mas na atual conjuntura da situação tem gente com o ditado que é melhor pingar do que secar. Certo?

Uma pena

Ricardo Ayache outra vez disse NÃO para a candidatura este ano. Finalizando o Hospital da CASSEMS na capital, Ayache foi cotado – e até anunciado - como vice de Rose Modesto para disputar a eleição. Emitiu comunicado dizendo que não. Não vai mesmo. Uma pena, porque o debate seria mais

Por outro lado, nome que seria páreo para disputar com o atual prefeitinho tem causado temor, pelo gênio, digamos muito parecido com o de seu rival. A ponto de "amigos" preferirem apoiar o adversário e se unirem ao tal, porque já conhecem a estratégia do "eu sozinho". E como política se faz de grupo...

Vale acompanhar

Período eleitoral, todo mundo na ânsia de se mostrar ou na ânsia de denunciar alguém, mas a legislação eleitoral está aí. E nunca é demais lembrar que algumas mudanças já tem efeito neste ano. O que antes era considerado propaganda antecipada, agora não é mais! Por exemplo, segundo a Resolução TSE 23.457, de 15 de dezembro de 2015, Art. 2º que não configuram propaganda eleitoral antecipada, desde que não envolvam pedido explícito de voto, a menção à pretensa candidatura, a exaltação das qualidades pessoais dos pré-candidatos e os seguintes atos, que poderão ter cobertura dos meios de comunicação social, inclusive via Internet.


Voltar


Comente sobre essa publicação...