Semana On

Quinta-Feira 19.mai.2022

Ano X - Nº 487

Coluna

Três justificativas para justificar o injustificável

O bom argumento geralmente soa novo, inspirado. Traz novos dados, nova abordagem e, se não convence, pelo menos faz pensar.

Postado em 27 de Março de 2014 - Rodrigo Amém

O argumento ruim se repete, se esconde atrás de palavras de ordem que nada significam. O argumento ruim se repete, se esconde atrás de palavras de ordem que nada significam.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Dialogar com pessoas com ideias diferentes é muito importante. Ajuda a confrontar as próprias certezas e aprimora o ser humano. Tanto o que fala quanto o que escuta.

Depois de um tempo nas trincheiras dialéticas, fica mais fácil distinguir um bom argumento. O bom geralmente soa novo, inspirado. Traz novos dados, nova abordagem e, se não convence, pelo menos faz pensar. O argumento ruim se repete, se esconde atrás de palavras de ordem que nada significam. Como diria um amigo meu, é “mais vazio que lancheira de modelo”.

De todas as justificativas furadas para ações e posicionamentos repreensíveis, três são ridiculamente recorrentes:

Pela tradição:

Tradição é o que você faz só porque outros já faziam antes de você. Ninguém estuda porque é tradição. Ninguém trabalha porque é tradição. Não é por tradição que se defende a justiça, a liberdade ou o meio ambiente. Evocar tradição como justificativa para algo geralmente significa a raspa do tacho da argumentação em favor da tal prática. Que o digam os fãs de rodeio, tourada, trote universitário, rinha de galo e balões de São João.

Pela pátria:

Você não gosta de samba? Você não é patriota! Você não serviu o exército? Você não é patriota! Preste atenção na próxima vez em que alguém lhe convocar a exercer seu patriotismo. Quem “ama a pátria” é quem vai pra guerra, não questiona autoridade, denuncia opositores. Não é apenas uma questão de ser egoísta ou altruísta. Quem ajuda o próximo, educa crianças e faz trabalho voluntário não é necessariamente associado ao termo. Num discurso, fazer algo “pela pátria” normalmente significa agir contra os próprios interesses porque alguém numa situação de poder disse que aquilo era para o bem do país. E quem contestar, adivinha como será chamado?

Por Deus:

É seu direito crer na religião que quiser. Com quem você fala quando está sozinho no quarto é um problema seu. Entendo a importância de se sentir em contato com o universo. Infelizmente, o mundo é cheio de “espíritos sem luz”. Gente que vai ter a cara de pau de dizer que deus quer que você faça isso ou aquilo. Que você odeie essa ou aquela pessoa. O deus que você crê ser o criador do universo não precisa de atravessadores. Se ele tiver uma mensagem para lhe dar, tenha certeza que será em primeira mão. “Faça isso porque deus quer”, a menos que ressoe entre trovões vindos do firmamento, só pode vir de bocas mal-intencionadas.

Também é característica do mau argumentador tentar torcer argumentos que não lhe são favoráveis. Então, só pra deixar claro: não há nada necessariamente errado em ser um patriota de fé e cultivar suas tradições. O problema é quando exigem isso de você.


Voltar


Comente sobre essa publicação...