Semana On

Quinta-Feira 11.ago.2022

Ano X - Nº 499

Coluna

Zoom

A complexa relação da estória com seus personagens.

Postado em 01 de Abril de 2016 - Danilo Custódio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Nas minhas andanças pelo fazer cinematográfico, tomei consciência do abismo que existe entre o diretor e o ator. Percebi também que não se faz bons filmes sem boas performances, pelos menos não nos dias de hoje. Para dar conta dessa realidade, aprendi que a estratégia de muitos diretores é construir uma ponte sólida que vença esse abismo. Acredito que esse é o melhor caminho. Já nos meus estudos sobre o cinema, descobri que a forma mais comum de se contar uma história é através dos personagens, mesmo que existam outras possibilidades.

Em Zoom, primeiro longa do promissor Pedro Morelli, todos os pontos levantados acima são colocados na mesa. Trata-se de um filme que aposta todas as suas fichas numa articulação inteligente entre linguagens que já possuem atestado de qualidade. São três histórias brilhantemente entrelaçadas através de uma montagem de tirar o chapéu. Porém, em alguns momentos, as performances não convencem e o filme perde seu espectador. E toda uma estrutura narrativa fica comprometida por tentar contar a estória através de personagens pouco – ou mal – construídos.

Apesar dos pesares, vale a pena assistir. Existe ali uma expectativa de convencer o público e os bons momentos são muitos. O filme entrou em cartaz nessa semana e está sendo exibido em várias cidades Brasil afora. Ficou interessado? Fique ligado na fanpage e acompanhe...

 

Requiem for a Dream

Convidado: Luciano Maccio

Todos reconhecem a música tema deste filme, lhes parece familiar, mas poucos realmente viram o longa para o qual a música foi feita. Requiem for a Dream (Réquiem para um sonho, em português) é um filme visceral e desconfortável, e essas características são positivas neste caso.

A narrativa gira em torno de quatro personagens, mais especificamente na relação de mãe e filho, Sara Goldfarb (Ellen Burstyn) e Harry Goldfarb (Jared Leto) são crias da ambição, e através deste ideal de vida perfeita, cada um dentro de seu mundo, acabam por cada um sucumbir à vícios narcóticos por não suportar conviver no presente e pensar sempre no futuro utópico. Harry leva junto consigo sua namorada e seu melhor amigo a perseguirem o sonho da vida ideal, mesmo que nesse caminho tenham que consumir todo material tóxico necessário, neste caso não falo só de drogas, mas da própria decadência humana, destaque para a cena de Marion Silver (Jennifer Connelly), namorada de Harry, que, no inverno do filme, se vê obrigada a um profundo degrado da moralidade para manter sua ilusão de vida perfeita.

Requiem for a Dream, do Diretor e Roteirista Darren Aronofsky, mais conhecido por Cisne Negro de 2010, é, assim como toda idealização dele, um longa humano, que tenta narrar, de maneira psicológica, as mazelas do homem.


Voltar


Comente sobre essa publicação...