Semana On

Quinta-Feira 27.jan.2022

Ano X - Nº 475

Coluna

Não na frente das crianças

Você não se sente à vontade para discutir a diversidade humana com a sua prole. Mas isso não te dá o direito de cercear a liberdade individual alheia.

Postado em 26 de Fevereiro de 2014 - Rodrigo Amém

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Brasil é um dos poucos países do mundo que se permite o luxo de um feriado para maiores. Sim, há os bailes infantis. Mas são eventos isolados mais focados na resignação da maternidade precoce do que na inclusão dos pequenos na festa pagã. Carnaval é para adultos e para jovens que aparentam ser adultos. Carnaval é libertação, é hedonismo, é folia. Mas carnaval não é ambiente familiar, por assim dizer.

A expressão ambiente familiar diz respeito à presença ou não de menores de idade no recinto. Se um restaurante é um ambiente familiar, nada de beijos afoitos. Comporte-se. Tem crianças olhando. Se uma festa é um ambiente familiar, nada de beber até cair. Você pode cair em cima do filho de alguém. Aí já viu.

Nossa liberdade termina quando o sino da escola toca e os adoráveis drones bípedes das famílias começam sua ronda opressora pela cidade.

Graças ao conservadorismo, vivemos em uma sociedade sitiada que usa crianças como arame-farpado. Você só pode se manifestar livremente à noite, no escuro, longe dos olhinhos inquisidores. Nossa liberdade termina quando o sino da escola toca e os adoráveis drones bípedes das famílias começam sua ronda opressora pela cidade.

Vladmir Putin, o presidente soviético, tornou crime “demonstrações de homossexualidade na presença de crianças” durante os jogos olímpicos de inverno. Juízes brasileiros proíbem rolezinhos em shoppings para “proteger as crianças”. Pais preocupados condenam o topless na praia de Copacabana: “O que é que eu vou dizer pro meu filho?”

Como os magistrados e Putin não me leem, aqui vai minha resposta ao papai preocupado: o filho é seu. A responsabilidade de explicar o mundo é sua. Ok, você não se sente à vontade para discutir a diversidade humana com a sua prole. Mas isso não te dá o direito de cercear a liberdade individual alheia. Paternidade, assim como o carnaval, é coisa pra adulto. Curta com responsabilidade e moderação. 


Voltar


Comente sobre essa publicação...