Semana On

Sábado 27.nov.2021

Ano X - Nº 469

Coluna

Qual o custo da corrupção no Mato Grosso do Sul?

A miopia do eleitor é o que alimenta a corrupção.

Postado em 24 de Julho de 2015 - Josceli Pereira

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Nosso estado foi novamente cenário de notícias negativas na mídia nacional. Com ação conjunta da Receita Federal do Brasil, Polícia Federal e Ministério Público assistimos o início da operação denominada Lama Asfáltica, uma versão dada ao material utilizado em obras de construção de rodovias.

As primeiras declarações feitas pelos coordenadores da operação relatam que diversas empresas foram beneficiadas com a concentração de obras com o poder público graças à participação de agentes públicos que ajudaram no direcionamento das licitações milionárias de obras aqui no Mato Grosso do Sul.

Grandes empresários que da noite para o dia acumularam verdadeiras fortunas tiveram suas mansões revistadas pelos agentes que efetuaram as buscas para coletar documentos e provas para investigação dos ilícitos praticados.

Funcionários públicos envolvidos foram afastados e uma parcela dos políticos que de uma forma ou de outra tiveram benefícios oriundos destes crimes estão apreensivos com o desenrolar das investigações.

O interessante disto tudo é que mais uma vez o dinheiro público é alvo de desvios de suas finalidades. Mais uma vez assistimos o cofre do tesouro estadual sendo saqueado por pessoas desonestas que buscam se locupletar do poder em benefício próprio ou de terceiros.

Esta conta é enorme e maior ainda é falta que este dinheiro desviado está fazendo para o setor da saúde, segurança e educação no território Sul-mato-grossense.

Mais uma vez o dinheiro público é alvo de desvios de suas finalidades. Mais uma vez assistimos o cofre do tesouro estadual sendo saqueado.

Assistimos o declínio dos serviços públicos por falta de verbas e em contrapartida vem à tona onde está sendo carreados estes recursos: O bolso dos corruptos...

A grande ciranda da corrupção sendo alimentada com o auxílio dos eleitores. O grande empresário faz as doações milionárias na campanha eleitoral, que por sua vez arregimenta um exército de cabos eleitorais que recebem dinheiro para angariar votos dos eleitores que barganham o sufrágio e elegem estes representantes políticos que retribuem através de Leis de favorecimento e licitações dirigidas para se locupletarem dos serviços que realizam para o governo, rendendo assim o retorno financeiro aplicado no financiamento das campanhas eleitorais e os acertos da corrupção.

Já corem boatos que a polícia federal tem escutas telefônicas comprovando que inúmeros contratos feitos pelo governo e empresas nem mesmo forma executados e os valores foram pagos. Um verdadeiro assalto. Roubo declarado.

Contamos ainda com a suspeita de que estes processos quando são repassados ao poder judiciário acabam por se perderem na demora das sentenças e nos recursos intermináveis que a Lei permite e muitos deles são anulados graças à ação de interesses políticos que acabam por interferir indiretamente no judiciário.

Resta ao povo ajudar a quebrar este circulo. Precisamos através de escolhas mais conscientes tentar fazer com que esta ciranda que se implantou nas eleições do país não tenha mais força.

A engrenagem que alimenta esta máquina de desviar dinheiro público precisa perder força. Somente através da escolha de representantes éticos na política poderemos fiscalizar mais de perto e através de ações efetivas evitarem que a ciranda continue a girar.

A miopia do eleitor é o que alimenta a corrupção!

Pense nisto!


Voltar


Comente sobre essa publicação...