Semana On

Sábado 21.mai.2022

Ano X - Nº 488

Coluna

Meu amigo é uma pessoa horrível. E agora?

Cinco dicas para lidar com o lado oculto dos seus contatos de Facebook.

Postado em 20 de Fevereiro de 2014 - Rodrigo Amém

De repente, sua timeline é tomada por uma enxurrada de absurdos, impropérios, sandices. O que fazer? De repente, sua timeline é tomada por uma enxurrada de absurdos, impropérios, sandices. O que fazer?

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Já aconteceu com todo mundo. Você adiciona o colega do trabalho, da faculdade, da academia. Ou aceita o convite, só para ser simpático. De repente, sua timeline é tomada por uma enxurrada de absurdos, impropérios, sandices. Chocado, você mal pode acreditar: aquele cara gente boa é, na verdade, um (insira aqui rótulo pejorativo designado para quem não concorda com seu ponto de vista). O que fazer?

1 – Ignore

Eu sei, é difícil. Mas tem muita gente que usa o Facebook como um bebê bêbado: querendo atenção e puxando briga.  E como o índice de sucesso de uma postagem é justamente o número de interações (curtidas, comentários e compartilhamentos), você acaba, inadvertidamente, potencializando a boçalidade do colega. Deixe ele falando sozinho e delete o comentário da sua timeline só pra não cair em tentação.

2 – Não xingue

A pessoa te marcou na postagem e quer saber sua opinião (ou te provocar, o que é mais comum). Responda. Mas responda com fatos, não grosserias. Já falei neste espaço, mas não custa repetir: desqualificar o autor da afirmação não rebate seus argumentos. Deixe isso para os “especialistas” da imprensa, que aparentemente recebem bônus por xingamento inventado. Busque dados concretos que demonstrem porque a afirmação postada é um equívoco. A possibilidade de seu amigo maluco responder suas ponderações com ofensas é grande. Mas não é culpa dele. Todo mundo que ele lê se expressa dessa forma.

3 – Regra das três faltas

Estou no Facebook para rir, conversar com amigos e – sim, é claro – debater ideias. A democracia precisa disso. Finalmente saímos daquela idade média em que “futebol, política e religião” não eram discutidos. Agora podemos falar horrores da CBF, do PT e da IURD. Todos ganham com o debate.

Desqualificar o autor da afirmação não rebate seus argumentos.

Mas, dependendo da postagem do cidadão, fica clara a indisposição ao diálogo. Aqueles argumentos cansados, preconceituosos, desinformados e até mesmo intelectualmente desonestos. Essa pessoa não quer conversar. Quer pregar ou brigar.

Na minha timeline eu uso a regra das três faltas. Depois do terceiro post sem-noção, o cidadão recebe um unfollow. Não ganha nem parabéns no aniversário.

4 – Colecione bons adversários

Os bons debatedores do “outro lado” eu não só mantenho como cultivo. Nossos ideais só evoluem e se fortalecem se desafiados constantemente. Viver numa bolha onde todo mundo concorda com a gente é o caminho mais rápido para o emburrecimento. E, se for pra viver em bolha, já me basta a imobiliária.

5 – Aceite ser convencido (no bom sentido)

E se o argumento do cidadão for irrefutável? Tenha a humildade de perceber estar errado e a dignidade de reconhecer isso. Quando você sai de uma discussão com uma opinião diferente da qual você entrou, meus parabéns. Você não perdeu nada. Muito pelo contrário, você saiu do debate melhor do que entrou. E é preciso buscar e apreciar essas oportunidades. Deixe as polarizações irracionais para as arquibancadas dos estádios. Pensando bem, melhor não deixar nem lá. Jogue fora sua intransigência. Não precisa nem reciclar. 


Voltar


Comente sobre essa publicação...