Semana On

Segunda-Feira 08.ago.2022

Ano X - Nº 499

Artigo da semana

Último desejo de Jô: ‘Dá mais uma sacudidinha’

Nunca o Brasil precisou tanto disso

Postado em 05 de Agosto de 2022 - Josias de Souza

 Imagem: TV Globo / Zé Paulo Cardeal Imagem: TV Globo / Zé Paulo Cardeal

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Tive o privilégio de conversar algumas vezes com Jô Soares ao longo da minha vida profissional. Estive no seu programa de entrevistas. Ele pediu autorização para telefonar de vez em quando, como se fosse necessário. Ligava para elogiar ou criticar artigos e reportagens. Numa dessas conversas, falávamos sobre a morte de uma personalidade quando Jô me disse, entre risos, que não tinha medo de morrer. O que o assustava era a perspectiva de esquecer de dar uma última ordem para o staff que o assessorava em casa ou no trabalho.

Jô esclareceu que ordenaria a colocação de um cartaz ao lado do seu caixão, ainda aberto, durante o velório. Teria que ser um cartaz grande. Nele, todos leriam uma frase curta, escrita em letras maiúsculas: "Por favor, dê mais uma sacudidinha". Segundo Jô, essa frase derradeira lhe foi soprada pelo escritor Luiz Fernando Verissimo. A tentação de dar uma última sacudida no corpanzil de Jô Soares é grande. Num instante em que a conjuntura brasileira é atormentada por tantas nulidades, a morte de uma pessoa como Jô ganha a aparência instantânea de um acontecimento prematuro.

Espaçoso, Jô Soares transbordou do teatro, do cinema e das esquetes televisivas de humor para um programa de entrevistas em que a música e o riso se misturavam a dramas econômicos e políticos do país. A morte cometeu um erro atroz ao calar uma voz necessária em momento tão conturbado.

A melhor definição sobre a genialidade de Jô foi construída por Millôr Fernandes, outro gênio. Millôr publicava anos atrás uma série batizada de "Retratos em 3 X 4 de alguns amigos 6 X 9". Nessa série, o retrato falado de Jô Soares dizia algo assim:

"Exibicionista nato, um dia descobriu que, pondo bilheteria, era muito melhor. Eclético total, o que mais gosta é tudo. Quando morrer, quer um enterro bem simples. Apenas um caixão de pinho, tendo em volta oitocentos bispos vestidos de púrpura, trezentas câmaras filmando, e narração em 17 idiomas. Igualzinho ao papa."

Quem vai a um velório tão indesejado não pode deixar de atender ao último desejo do protagonista da cena. É imperioso dar "mais uma sacudidinha".

Josias de Souza - Jornalista


Voltar


Comente sobre essa publicação...