Semana On

Segunda-Feira 08.ago.2022

Ano X - Nº 499

Brasil

Maioria da população brasileira defende discussão sobre racismo e educação sexual nas escolas

Pesquisa revela ainda que 70% da população rejeita militares na educação e 93% acreditam em respeito a religiões

Postado em 07 de Julho de 2022 - Nayá Tawane - Brasil de Fato

Bachillerato Popular Mocha Celis Bachillerato Popular Mocha Celis

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Um levantamento do instituto Datafolha sobre temas ligados à educação no Brasil divulgado no último dia 3, aponta que 73% dos entrevistados acreditam que a educação sexual deve constar no currículo escolar do país. 

O estudo, que foi encomendado pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec) e pela Ação Educativa, ouviu 2.090 brasileiros com idades entre 16 anos ou mais, de 130 municípios do país, de 8 a 15 de março de 2022.

Para 91% falar sobre o assunto ajuda a prevenir abuso sexual de crianças e adolescentes. 80% acreditam que as escolas devem promover o direito das pessoas viverem livremente sua sexualidade, sejam elas heterossexuais ou LGBTs.

Em relação ao debate sobre racismo, para 90%, os professores devem discutir discriminação racial em sala de aula. Quanto ao tema da militarização em centros de ensino, 70% confiam mais em civis do que militares para trabalhar em escolas. E para 93%, as escolas devem respeitar todas as religiões, inclusive o candomblé, a umbanda e as pessoas que não têm religião.


Voltar


Comente sobre essa publicação...