Semana On

Segunda-Feira 08.ago.2022

Ano X - Nº 499

Mato Grosso do Sul

Riedel: ‘Diversificação da economia é chave para o desenvolvimento’

MS entra em nova era da celulose com megafábricas que vão investir mais de R$ 34 bilhões

Postado em 29 de Junho de 2022 - Redação Semana On

Foto: Divulgação

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

“A diversificação da economia sul-mato-grossense para além do que já nos destacamos, especialmente agropecuária, é fundamental para o desenvolvimento do Estado. Por isso, vamos incentivar fortemente setores para os quais estamos vocacionados, como, por exemplo a indústria da celulose”, afirmou o pré-candidato do PSDB ao Governo do Estado, Eduardo Riedel.

Em suas passagens pelas secretarias estaduais de Governo e Infraestrutura, Riedel teve papel central na criação de atrativos para o desenvolvimento de diversas cadeias produtivas, especialmente a da celulose, que hoje desponta como uma das principais áreas de geração de riquezas para o mato Grosso do Sul.

O Estado projeta nos próximos anos mais de R$ 34 bilhões de investimentos somente em duas megafábricas do setor: a Suzano com o Projeto Cerrado em Ribas do Rio Pardo e o Projeto Sucuriú da chilena Arauco anunciado na semana passada. Somente em valores as obras representam quase o dobro do orçamento anual do Estado que é de R$ 17 bilhões. “Os empreendimentos vão garantir nos próximos anos que o Produto Interno Bruto do Estado (PIB) avance 5%”, destacou Eduardo Riedel.

A atração de empresas deste porte colocará o Estado como o maior polo mundial de celulose. “Isso só foi possível pois construímos um ambiente de negócios robusto, com segurança jurídica, incentivos e contrapartidas claras. E é assim que vamos continuar trabalhando para atrair industrias, gerar empregos e renda”, afirmou o pré-candidato.

Só na parte industrial serão investidos mais de R$ 15 bilhões pelo grupo chileno Arauco em Inocência. Se somado o projeto da base florestal isso vai chegar a R$ 20 bilhões. Ou seja serão necessários mais R$ 5 bilhões para plantar 290 mil hectares de floresta.

Somente a Arauco prevê a abertura de mais de 12 mil vagas apenas na fase de construção da planta em Inocência. Quando em operação a fábrica vai gerar mais 550 empregos diretos e indiretos e mais 1.800 na parte florestal. Isso representará 14,3 mil famílias contempladas.

Já o Projeto Cerrado da Suzano em Ribas do Rio Pardo, com um investimento de mais de R$ 19 bilhões, está com as obras aceleradas. Atualmente, a obra da fábrica da Suzano em Ribas do Rio Pardo conta com cerca de 4.000 trabalhadores (dados de junho/2022). No primeiro semestre de 2023, quando deverá ocorrer o pico da obra, serão criados cerca de 10.000 empregos diretos no empreendimento, gerando também milhares de empregos indiretos na região. Quando entrar em operação, a nova fábrica da Suzano terá 3.000 postos de trabalho, entre diretos e indiretos atendendo as operações industrial e florestal. A Suzano também possui duas fábricas em Três Lagoas, que geram 6.000 postos de trabalho entre diretos e indiretos, considerando as operações industriais e florestais.


Voltar


Comente sobre essa publicação...