Semana On

Terça-Feira 24.mai.2022

Ano X - Nº 488

Coluna

Ah, mas não é todo o PT...

Raphael Tsavkko Garcia fala de Lula, Putin, Zelensky e quetais

Postado em 06 de Maio de 2022 - Raphael Tsavkko Garcia

Lula, Volodymyr Zelensky e Vladimir Putin (Foto: Reuters) - Via Brasil 247 Lula, Volodymyr Zelensky e Vladimir Putin (Foto: Reuters) - Via Brasil 247

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

"Ah, mas não é todo o PT que passa pano pro Putin".

Sim, é. Inclusive o lula.

"— Ele (Zelensky) quis a guerra. Se ele (não) quisesse a guerra, ele teria negociado um pouco mais. É assim. Eu fiz uma crítica ao Putin quando estava na Cidade do México, dizendo que foi errado invadir. Mas eu acho que ninguém está procurando contribuir para ter paz. As pessoas estão estimulando o ódio contra o Putin. Isso não vai resolver! É preciso estimular um acordo. Mas há um estímulo (ao confronto)! — disse o ex-presidente."

"Ah, ele criticou o Putin."

Verdade, culpando a vítima pelo genocídio que Putin promove. "Os judeus/a Polônia deveria(m) ter negociado mais com Hitler," é uma alternativa à frase de Lula. O sentido é o mesmo.

Ou seja, não tem sentido algum. Quando alguém aponta uma arma pra sua cabeça "negociação" é um termo simpático e nada mais.

Quando invadem seu país (e a Rússia invadiu BEM antes da guerra, ainda em 2014), matam seu povo, ameaçam, que negociação é essa?

Lula demonstra seu tamanho minúsculo. Está velho, ultrapassado, é assunto de ontem. Sim, no governo fez uma diplomacia exemplar (no caso, Celso Amorim), mas claramente seu tempo passou. Não é mais capaz de entender o mundo.

Ele conseguiu uma capa na Time apenas para demonstrar ignorância e passar vergonha - nos fazer passar vergonha. Se essa é a alternativa ao Bolsonaro...

Estamos realmente perdidos.

---

Isso sem contar no tom messiânico da capa e da matéria, no populismo escrachado e no fato dos americanos nos enxergarem como isso mesmo: Uma terra onde caudilhos surgem pra salvar a pátria. Só que Lula gosta, afinal ele próprio se enxerga como um messias - e a militância lulaminion repete o mantra.

E a entrevista é 100% irrelevante. Lula não diz nada que seja novo, não apresenta uma proposta, não traz qualquer comentário que valha à pena. Passa pano pra genocídio, repete ladainha contra os EUA para excitar a militância, nem um pio sobre política econômica - mas encontra espaço pra fazer declaração de amor à noiva.

Não dá. Simplesmente não dá pra levar a sério.

O dilema entre civilização e barbárie é real, mas cada vez menos Lula representa a civilização contra a barbárie bolsonarista.

Esse discurso de DCE, paleomarxista, não tem mais espaço no mundo real - não apenas por cheirar a naftalina (e ser borderline criminoso, além de justificar crimes contra a humanidade), mas por não ter qualquer tração na sociedade.

Os malucos que defendem a Rússia, genocídio, violência contra quem pensa diferente e afins já estão com Lula, mas quem defende os direitos humanos, a dignidade humana, vai se afastar cada vez mais.

Depois não venham com bolo solado e "mais amor por favor" implorando votos. Ou culpando quem sente justificado nojo do que Lula fala em uma eventual derrota.

LEIA MAIS

DUAS IMAGENS

Um comentário rápido sobre essas duas imagens. De um lado o "urgente" no que não passa de uma mera formalidade banal; do outro um tuíte que bem poderia ter sido escrito há mais de 10 anos. O tema é o mesmo, o ridículo da situação idem.

Em ambos os casos denota um falta de capacidade crítica (ou auto-crítica) do PSOL, que é um puxadinho do PT há anos, mas parece que seus membros se recusam a notar - seja os que estão felizes ou os que estão revoltados com o status quo. Vivem na ilusão de que são mais do que um saco de pancadas para o PT usar e abusar quando quiser sabendo que sempre voltarão sorrindo e submetidos.

Em ambos os casos não passam de tuítes com u mtom de ridículo que denunciam a situação desesperadora da esquerda brasileira que se resume ao PT com um ou outro raro partido (PSTU) ou movimento que não foi completamente cooptado (mas que se viu ainda mais enfraquecido nos últimos anos por cooptações e deserções) e que agrega praticamente todo o espectro ideológico mais à esquerda - incluindo aí neostalinistas, identitários, etc - à serviço do Centrão uma vez no poder.

Seria engraçado não fosse apenas patético.

CRENÇAS E CREDOS

Uma das características fundamentais do idiota político brasileiro de esquerda é a crença insistente no PT e em suas boas intenções.

Parte do PT já decidiu mandar o Freixo à merda - o resto só faz cosplay de apoio. Freixo, claro, nem ousa pensar que o PT não está com ele - mesmo que o partido efetivamente esteja com Claudio Castro (você adivinhou, o candidato do Bolsonaro).

Já o PSOL segue fanaticamente na cola do PT e vai estar do lado da União Brasil, o Centrão anabolizado, que vai apoiar.... o candidato do Bolsonaro para o governo do Rio enquanto apoia o PT pro Senado - se vocês não conhecem o Ceciliano, melhor seguir na ignorância, porque é um assunto indigesto. Digamos que se o Ceciliano for de esquerda e anti-Bolsonaro, então o Alckmin é efetivamente comunista.

Ou seja, no Rio o PT na verdade apoia Bolsonaro contra o Molon e mesmo o Freixo. No caso do Molon é descarado, no caso do Freixo vão provavelmente deixar uma parcela pequena do partido fingindo apoio pra não ficar feio.

Esperando ansioso das desculpas e justificativas pra quando Painho Lula for no palanque com Castro. Porque um ou outro até vai protestar, mas o resto simplesmente obedece ao líder.

E os que criticam em um primeiro momento eventualmente acabarão também com bandeirinhas do PL gritando que Freixo na verdade é fascista ou algo do tipo, enfim, petismo clássico - a Marina conhece bem.

"Ah, mas só o Lula pode derrotar Bolsonaro." É possivelmente verdade, o problema é que ninguém dá mais força ao Bolsonaro e seus minions que o Lula e o PT. E nem preciso mencionar o tal do "segundo turno ideal" defendido pelo partido eleição passada.


Voltar


Comente sobre essa publicação...