Semana On

Quarta-Feira 18.mai.2022

Ano X - Nº 487

Mato Grosso do Sul

Com 137,8 mil trabalhadores, indústria de MS registra crescimento de 58% no emprego formal nos últimos 15 anos

Sistema Fiems apresenta indicadores que destacam a importância dos trabalhadores no desenvolvimento das empresas e na geração de riquezas para o Estado

Postado em 29 de Abril de 2022 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O trabalhador é o pilar da indústria sul-mato-grossense. Para marcar o Dia do Trabalhador, que se celebra em 1º maio, o Sistema Fiems apresenta indicadores que destacam a importância dos trabalhadores no desenvolvimento das empresas e na geração de riquezas para Mato Grosso do Sul.

Nos últimos 15 anos, o emprego formal na indústria registrou crescimento de 58%, de acordo com o Radar Industrial da Fiems. Em 2007, o segmento industrial contava com 88.451 trabalhadores com carteira assinada. Já em março de 2022, o contingente é de 137.870 trabalhadores, segundo levantamento mais recente do Ministério da Economia. “Esses empregados atuam nos cerca de 6 mil estabelecimentos industriais ativos em Mato Grosso do Sul”, afirmou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende.

O setor industrial conta com o terceiro maior contingente de trabalhadores com carteira assinada em Mato Grosso do Sul. Um em cada quatro empregos em regime de CLT está na indústria. Entre os segmentos econômicos que mais empregam, estão: frigoríficos e produtos de carne (33,1 mil), indústria da construção (25,1 mil), indústria sucroenergética (19,5 mil), indústria metalmecânica (10,5 mil), indústria de alimentos, bebidas, laticínios e panificação (10,5 mil), serviços industriais de utilidade pública (7,8 mil) e celulose, papel e produtos de papel (7,0 mil).

Já entre os municípios com maior contingente de trabalhadores na indústria, estão: Campo Grande (35,2 mil), Dourados (15,7 mil), Três Lagoas (12,6 mil), Aparecida do Taboado (5,6 mil), Angélica (5,3 mil), Rio Brilhante (4,3 mil), Sidrolândia (4 mil), Nova Andradina (3,9 mil), Naviraí (3,4 mil) e São Gabriel do Oeste (3,4 mil).

As riquezas geradas pela indústria sul-mato-grossense nos últimos 12 anos saltaram de R$ 4,3 bilhões em 2007 para R$ 20,5 bilhões em 2019, segundo os dados mais recentes do PIB (Produto Interno Bruto) estadual. O crescimento verificado no período foi de 380%. A estimativa do PIB para 2021 é de R$ 21,3 bilhões, reflexo de um crescimento nominal de 4,5%. “Comparada com os demais setores da economia local, a indústria possui a segunda maior participação na geração de riquezas, com 22% do PIB estadual – atrás apenas do setor de serviços e comércio”, ressaltou Ezequiel Resende.

A força do industriário sul-mato-grossense é responsável pela superação de recordes, como o de maior receita com exportações de produtos industrializados. Em 2021, Mato Grosso do Sul atingiu a marca de US$ 4,31 bilhões, o que garantiu o melhor resultado anual já registrado na série histórica para o Estado. A indústria foi responsável por mais de 60% de tudo que Mato Grosso do Sul vendeu ao exterior no período.


Voltar


Comente sobre essa publicação...