Semana On

Quarta-Feira 25.mai.2022

Ano X - Nº 488

Brasil

Dicionário mostra que intenção do negacionismo é sabotar o conhecimento e minar as instituições

‘A base do negacionismo é suspeita o tempo todo, suspeição sobre tudo’, afirma professor

Postado em 28 de Abril de 2022 - Vitor Nuzzi – RBA

Reprodução Reprodução

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Mais que um verbete agora reconhecido e que ganhou força nos últimos anos, em especial neste governo, o negacionismo revela um esforço não casual de provocar desconfiança nas instituições e desprezar o conhecimento como base para qualquer debate. Um dicionário que acaba de ser publicado mostra as diversas faces do fenômeno, em todas as áreas, como da ciência, cultura e política.

O negacionismo é, em verdade, uma tentativa de sabotar elementos básicos, como pesquisa, dados, lógica. “Se o debate público brasileiro tivesse se pautado por estes princípios nos últimos anos, nossas instituições seriam mais sólidas, nossas vidas seriam melhores, e centenas de milhares de brasileiros que se foram durante a pandemia ainda estariam na conversa”, diz o sociólogo e colunista Celso Rocha de Barros na apresentação do Dicionário dos Negacionismos no Brasil (Cepe Editora).

Com quase 400 páginas, o livro, lançado nesta semana em Recife, reúne 115 temas. Que vão do IBGE ao SUS, do negacionismo científico ao climático, da meritocracia às milícias, do WhatsApp ao Youtube, da tortura à vacinação. Assim, estudiosos e pesquisadores apresentam análises, dados e fatos como base para conhecimento sobre qualquer assunto. E se contrapõem, assim, ao deliberado negacionismo.

Ciência e saber

Trata-se de um “desafio, de alguma maneira, ao que chamamos ciência, saber, conhecimento”, comenta o antropólogo, cientista político e pesquisador Luiz Eduardo Soares. No livro, ele escreve sobre as milícias. Cita o livro A cidade & a cidade, de China Miéville (Boitempo), que fala de duas cidades que convivem no mesmo espaço, mas sem contato visual uma com a outra. “O segredo está na educação: desde cedo, as crianças aprendem a “desver” o que não deve ser visto. Tudo o que participa da outra cidade tem de ser evitado, fisicamente, e “desvisto”, dos carros às pessoas”, descreve.

Desver, acrescenta o pesquisador, “é uma atividade que requer disciplina, treinamento, preparação”. Ele faz referência à psicanálise (“recalque”) e aponta um fato que considera perturbador. “Participamos em alguma medida desses processos coletivos de negação”, observa Soares.

Novos sentidos

A também antropóloga, professora e pesquisadora Heloísa Buarque de Almeida, a quem coube falar sobre “antigênero” (em parceria com Lucas Bulgarelli), remete ao debate – que não se limita ao Brasil – sobre o que passou a se chamar de ideologia de gênero. E propõe uma reflexão sobre o contexto político. Sobre como as palavras parecem ganhar novos sentidos. “A defesa da família virou a defesa de um só tipo de família”, afirma. Essa ofensiva em torno de uma moral conservadora mostra resultados “politicamente lucrativos” para grupos políticos e religiosos.

Para o professor José Luiz Ratton, organizador do livro ao lado de José Szwako, até alguns anos atrás, mesmo com falsificação de dados, havia uma tentativa de debate “no campo da razoabilidade e da ciência”, como define. “O que acontece agora é o abandono de qualquer elemento de civilidade”, constata. Assim, afirmações “bizarras”, como o terraplanismo, por exemplo, ajudam a alimentar uma “desconfiança sistemática” em torno do conhecimento. “A base do negacionismo é suspeita o tempo todo, suspeição sobre tudo”, alerta Ratton.

Assim, o livro ajuda a entender a atual fragilidade da democracia. Uma face visível está nos ataques a instituições, jornalistas, professores, minorias. Sempre tendo a desinformação como fundamento.


Voltar


Comente sobre essa publicação...