Semana On

Terça-Feira 24.mai.2022

Ano X - Nº 488

Campo Grande

Rede Hemosul MS inaugura ambulatório de coagulopatias para hemofílicos de MS

Pacientes poderão contar agora com um local de referência para seu atendimento multiprofissional

Postado em 21 de Abril de 2022 - Redação Semana On

Foto: Assessoria de Imprensa do Governo de MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Para atender pacientes hemofílicos do Estado, a Rede Hemosul MS em parceria com o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, inaugurou o Ambulatório de Coagulopatias com o propósito de atender às pessoas com hemofilia do estado. O evento foi alusivo ao Dia Internacional da Hemofilia comemorado no último dia 17.

A viabilidade da proposta do ambulatório foi uma iniciativa da Rede Hemosul MS e da APHEMS – Associação das Pessoas com Hemofilia de Mato Grosso do Sul, iniciada em 2016 e que se concretizou neste ano, lembra a coordenadora geral da Rede Hemosul MS e gestora deste projeto, Marli Vavas. “Os pacientes de hemofilia poderão contar agora com um local de referência para seu atendimento multiprofissional, um trabalho que se inicia e que traz a expectativa de ampliar gradativamente. É um avanço para o Estado e um ganho para as pessoas com hemofilia que terão um atendimento pleno e um espaço para uma vida cada vez mais sem sangramentos”.

Segundo o secretário de Estado de Saúde, Flavio Britto, os pacientes poderão contar com o ambulatório para fazer o tratamento necessário. “Sabemos que em casos graves e moderados da hemofilia, os sangramentos repetem-se espontaneamente. Por isso, a importância de termos um local adequado para este tipo de tratamento em nosso Estado. Assim, ocorre essa parceria entre o Hemosul e o HRMS”.

O diretor presidente do HRMS, Dr. Lívio Viana de Oliveira Leite, ressalta que a unidade do Hemosul dentro do Hospital Regional foi reativada em dezembro do ano passado para poder atender além das coletas de sangue e medula óssea. “Percebemos que o serviço poderia ser ampliado e agora está ativado para atendimento desse público. Teremos mais um serviço importante para a população em nosso hospital”, explica.

Para o presidente da APHEMS – Associação das Pessoas com Hemofilia de Mato Grosso do Sul, Neder Santos, a inauguração do ambulatório especializado representa uma conquista para os pacientes hemofílicos. "Fará uma diferença substancial na qualidade de vida das pessoas com hemofilia e de seus familiares”.

O ambulatório irá oferecer atendimento médico hematológico, ortopedista, clínico geral, enfermagem, fisioterapia, educadora física, psicóloga, assistente social, enfim, um atendimento pleno com foco em profilaxia e tratamento para hemofílicos, com regulação pelo CisReg e agendamento, para que o atendimento flua aos cerca de 180 pacientes existentes no Estado.

Dia Mundial da Hemofilia

O Dia Mundial da Hemofilia (17 de abril) tem como objetivo incentivar todos a se envolverem para ajudar a aumentar a conscientização sobre os distúrbios hemorrágicos herdados e a necessidade de tornar possível o acesso a cuidados adequados em todo o mundo.

Hemofilia é uma doença genético-hereditária que se caracteriza por desordem no mecanismo de coagulação do sangue e manifesta-se quase exclusivamente no sexo masculino. A mutação que causa a hemofilia localiza-se no cromossoma X. Em geral, as mulheres não desenvolvem a doença, mas são portadoras. Existem dois tipos de hemofilia: a hemofilia A, que ocorre por deficiência do fator VIII de coagulação do sangue e a hemofilia B, por deficiência do fator IX.

Além disso, existem casos de desenvolvimento de inibidores que amplia ainda mais a necessidade de um trabalho de excelência para condução de todos as situações.

Sintomas

Nos quadros graves e moderados, os sangramentos repetem-se espontaneamente. Em geral, são hemorragias intramusculares e intra-articulares que, primeiro, desgastam as cartilagens e depois provocam lesões ósseas. Os principais sintomas são dor forte, aumento da temperatura e restrição de movimento. As articulações mais comprometidas costumam ser joelhos, tornozelos e cotovelos.

Os episódios de sangramento podem ocorrer logo no primeiro ano de vida do paciente sob a forma de equimoses (manchas roxas), que se tornam mais evidentes quando a criança começa a andar e a cair. No entanto, quando acometem a musculatura das costas, não costumam exteriorizar-se.

O tratamento da hemofilia para que não haja sequelas consiste, basicamente, na reposição do fator anti-hemofílico de forma profilática, isto quer dizer, preventiva. Quanto mais precoce for o início do tratamento, menores serão as sequelas deixadas pelos sangramentos e o hemofílico pode viver de forma plena.

Porém, apenas a partir de 2009 os fatores/hemoderivados forma introduzidos pelo Ministério da Saúde através do SUS. Pessoas que nasceram a partir desta data tiveram acesso a esses fatores e evitaram sequelas. Jovens e adultos nascidos antes passam por vários problemas motores, sequelas, dores, necessitam de um tratamento integrado e multiprofissional, inclusive, de cirurgias que são específicas em alguns centros de especialidades pelo Brasil e de difícil acesso.

Desde a sua disponibilização para os estados, a Rede Hemosul MS é a responsável pela distribuição dos fatores para pessoas com hemofilia e o faz para todo o estado.


Voltar


Comente sobre essa publicação...