Semana On

Terça-Feira 17.mai.2022

Ano X - Nº 487

Artigo da semana

Como a fome continua a devastar o Brasil

Entre os brasileiros que recebem até dois salários mínimos, a falta de alimentos afetou 35%. Mas mesmo aqueles que recebem de 2 a 5 salários sentiram o baque

Postado em 19 de Abril de 2022 - Gabriela Leite

IHU IHU

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Alimento continua a faltar na mesa de um quarto das famílias, segundo Datafolha. No Nordeste, 32% da população não têm comida suficiente. E pior: cresce o endividamento para fazer supermercado – e com ele, mais empobrecimento.

A fome – um condicionante social de saúde – continua a angustiar os brasileiros, segundo novo levantamento do Datafolha, divulgado ontem. A pesquisa relata que um quarto (24%) dos cidadãos afirmou que, nos últimos meses, a quantidade de comida em suas casas foi menos que o suficiente. A maioria (63%) é daqueles que perceberam que a quantidade de alimentos disponível era suficiente, e há uma parte menor cujas residências dispunham de mais do que o necessário para comer. É uma situação que se estende desde pelo menos maio de 2021 – período em que o país saía de sua pior fase da pandemia –, conforme registra matéria da Folha.

Entre os brasileiros que recebem até dois salários mínimos, a falta de alimentos afetou 35%. Mas mesmo aqueles que recebem de 2 a 5 salários sentiram o baque: 13% relataram ter menos comida do que o necessário – e também 6% entre os que ganham de 5 a 10 salários. Os mais bem alimentados, por óbvio, estão na faixa dos ainda mais ricos: 42% dos que recebem mais de R$ 12.120 dispunham de mais comida do que o necessário. E há ainda, como sempre, as desigualdades regionais: o Nordeste sofre mais com a fome que o resto do país, com 32% dos entrevistados relatando não ter comida suficiente nos últimos meses.

Há ainda um agravante, registrado pela Piauí em um levantamento recente, sobre o endividamento. A revista aponta um dado alarmante: um em cada sete brasileiros em dívida com o cartão de crédito o utilizaram principalmente para comprar comida. Ou seja, as pessoas estão passando o supermercado no crédito, e estão sem dinheiro para pagá-lo. E as dívidas com o cartão estão aumentando: de 2020 pra 2021, mais 2,6 milhões de brasileiros ficaram inadimplentes – ao todo, são 64 milhões, hoje. As dívidas então empobrecendo a população.

É o que registra ainda uma tocante reportagem da Piauí, que conversou com uma família de uma região pobre da cidade de Teresina. O casal – um auxiliar administrativo e uma trabalhadora da limpeza – relatou estar usando seu cartão de crédito, com limite de 800 reais, para conseguir comer. Em sua comunidade, quem não contrai dívida com bancos, o faz com agiotas – os juros não são tão diferentes assim, no fim das contas. A família entrevistada conta que precisa parcelar a conta todo mês, à espera de que a situação melhore. Mas não há indícios de que a crise deve arrefecer, nos próximos meses…

Gabriela Leite - Gabriela é editora, designer e produtora audiovisual de Outras Palavras


Voltar


Comente sobre essa publicação...