Semana On

Sexta-Feira 20.mai.2022

Ano X - Nº 487

Coluna

O manual de campanha do Lula

O PT segue sua cartilha de campanha, está na fase das articulações políticas, mas parece não se lembrar que em 2018 o partido perdeu as eleições

Postado em 13 de Abril de 2022 - Rafael Paredes

PT PT

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Os diversos manuais de planejamento de campanha publicados ou disponíveis na internet são unânimes em descrever as características dos primeiros meses de um ano eleitoral: pré-campanha. Este período tem seu início indefinido, mas se finda quando da oficialização das candidaturas no final de julho. A pré-campanha é utilizada para a organização da própria campanha, o estabelecimento de coordenadores, programas de governo, construção das propostas, contratação de equipe de marketing, definição da linha do discurso e acordos políticos.

O PT é um partido estruturado em quase todos os municípios, já disputou e ganhou diversas eleições pelo país, tem uma militância aguerrida e uma capilaridade popular. A agremiação tem uma forma de construir sua campanha com métodos e processos e está seguindo a risca. O ex-presidente Lula, pré-candidato a Presidência da República vem cumprindo essa cartilha cegamente e está se dedicando a formação de palanques estaduais e articulações políticas.

Nesta semana, o ex-presidente se encontrou com senadores, ex-senadores e lideranças do MDB em Brasília, ouviu conselhos de moderação no discurso e mostrou que a candidatura da senadora Simone Tebet (MS) para presidente está no mesmo status que a do ex-governador de São Paulo, João Dória (PSDB): dividindo seus respectivos partidos. Como estratégia, Lula está dentro do cronograma dos manuais e essa agenda com o MDB feriu adversários.

O que Lula e o PT não se deram conta é que o PT perdeu as eleições em 2018. O Partido dos Trabalhadores perdeu as eleições para um partido não estruturado, com pouquíssimos recursos, com uma campanha baseada basicamente nas redes sociais e em aplicativos de mensagens instantâneas. Lula enfrentará o presidente da República Jair Bolsonaro, que está em campanha pela reeleição desde o dia primeiro de janeiro de 2019. Bolsonaro não respeita nenhum tipo de legislação eleitoral, ergue material de campanha em palcos institucionais, promove motociadas semanais com dinheiro público e vem subindo nas pesquisas.

Lula e o PT confiam muito na capacidade de rua do ex-presidente e na força que o petista tem no Nordeste. Lula realmente se comunica com o povo como ninguém, vira voto e consolida eleições como fez na época das campanhas da ex-presidente Dilma Rousseff. Porém, inegavelmente o momento é completamente outro e não abandonar certos manuais teóricos pode custar uma eleição na prática.


Voltar


Comente sobre essa publicação...