Semana On

Terça-Feira 17.mai.2022

Ano X - Nº 487

Mato Grosso do Sul

Professores comemoram reajuste de 34%, que reflete na melhoria da qualidade de ensino aos alunos

O aumento foi anunciado no dia 23 de fevereiro e será em duas etapas, com 20% em fevereiro, e 14% a contar de 4 de abril

Postado em 08 de Março de 2022 - Redação Semana On

Assessoria de Imprensa Governo de MS Assessoria de Imprensa Governo de MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Nos primeiros dias de aulas presenciais na Rede Estadual de Ensino (REE), professores convocados avaliam positivamente o reajuste de 34% no salário, anunciado pelo governador Reinaldo Azambuja na última semana, após uma série de negociações com a classe. Além deste aumento salarial, estes profissionais já dispõem de outras melhorias na categoria, como contrato de até um ano, podendo ser prorrogado pelo mesmo período, com direito a férias e outros benefícios. Isto reflete em mais qualidade de ensino aos alunos da rede estadual. 

Professora de língua portuguesa desde 2004, Ana Paula Fenelon relembra os anos de lutas para conquistar melhoria salarial ao longo dos anos. "É uma luta muito grande dessa questão do professor convocado. Vejo que o professor convocado é tão qualificado quanto o efetivo. Foi muito salutar [o reajuste] que o governador Reinaldo Azambuja propôs. É muito importante para a nossa classe. A educação deve ser tratada com prioridade, para atender melhor nossos alunos”, pontuou.

Diogo Djalma do Nascimento, professor de Educação Física, recebe com olhar positivo o reajuste. “Percebemos que estava um pouco defasada a questão do valor que era repassado para os convocados. Entendemos que foi um reconhecimento de todo um trabalho. Os convocados trabalham igual aos efetivos e a gente entende que essa diferença era um pouco injusta. A gente ficou feliz com esse reconhecimento”, disse.

Diretor na Escola Estadual Professor Henrique Ciryllo Correa, onde Ana e Diogo lecionam, Fabiano Soares considera o reajuste como uma motivação para os professores. “Faz toda a diferença, motiva os professores até na questão do interesse. No final do ano passado, por exemplo, a gente encontrava muito desinteresse para uma substituição ou licença por não ser atrativo [o salário]. Com esse reajuste, a gente acredita que melhora o entusiasmo, a qualidade do trabalho. A gente sabe que a qualidade da educação está atrelada a qualidade do salário”, disse.

Reajuste

O aumento de 34% no salário dos professores foi anunciado no dia 23 de fevereiro e será em duas etapas, com 20% em fevereiro, e 14% a contar de 4 de abril. “É um compromisso com a educação pública de Mato Grosso do Sul. O nosso salário é o melhor para o efetivo e, agora, o senhor (Reinaldo Azambuja) diminui a distância para o convocado”, afirmou Jaime Teixeira, presidente da FETEMS (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul).

O governador Reinaldo Azambuja defendeu o diálogo para garantir melhorias, sem ferir os limites impostos pela LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). “É muito importante o diálogo, que nunca cessou. Tivemos momentos difíceis, mas não deixamos de conversar. É um ganho da federação e do governador. É uma valorização importante, merecida. Estamos dando reajuste enquanto 70% dos estados não conseguem pagar o piso”, disse. Com o aumento a previsão é de um impacto na folha de R$ 100 milhões por ano, de acordo com a Secretaria de Estado de Fazenda.

Melhorias

Além do reajuste de 34%, os professores temporários já dispõem de mudanças importantes em seu contrato, como a duração do tempo de contratação, que é de até 12 meses, podendo ser prorrogado por igual período. No modelo antigo estes profissionais ficavam até 80 dias sem atividades durante o ano letivo.

As mudanças ocorreram após a lei complementar nº 266, de julho de 2019, que ainda possibilitaram a estes professores o direito assegurado de férias e gratificação natalina, assim como licença para tratamento de saúde, estabilidade às gestantes, de até cinco meses após o parto e incentivos por atuação em escolas de difícil acesso.

Para aqueles que trabalham no período noturno, existe o direito ao adicional de 10% e aos que atuarem nas unidades prisionais ou de internação, este adicional chega a 30%. Todas estas medidas visam valorizar os professores contratados, criando melhores condições de trabalho, para que isto se reflita em um aprendizado de mais qualidade aos alunos da rede estadual de ensino.


Voltar


Comente sobre essa publicação...