Semana On

Terça-Feira 24.mai.2022

Ano X - Nº 488

Viver bem

Saiba o que são triglicerídeos, as taxas ideais e o risco do nível elevado

Também chamados de triglicérides, eles integram o conjunto de exames que analisam o perfil lipídico de uma pessoa. O descontrole pode causar problemas cardiovasculares e outras encrencas

Postado em 23 de Fevereiro de 2022 - Alexandre Raith - Agência Einstein / Galileu

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Os dados dos triglicerídeos ou triglicérides são comuns nos resultados dos exames de sangue. Mas nem todo mundo sabe o que eles representam, o que leva ao aumento nos valores e, principalmente, quais são os perigos de manter níveis elevados desse marcador.

Assim como o colesterol total e os tipos HDL (conhecido também por colesterol “bom”), LDL (colesterol “ruim”) e VLDL (na sigla em inglês, very-low-density lipoprotein), os triglicerídeos integram o conjunto de exames que analisam o perfil lipídico do paciente. Lipídios são as principais moléculas de gordura que circulam pelo organismo.

Produzidos no fígado após a metabolização do excesso de carboidratos, gorduras ou álcool ingeridos, os triglicerídeos são carregados pelo VLDL. Como a produção do VLDL é inibida pela insulina (hormônio produzido pelo pâncreas e responsável por entregar a glicose às células para ser transformada em energia), quando estamos comendo e liberando insulina, sinalizamos ao organismo que há energia disponível e não há necessidade de os triglicerídeos serem produzidos, já que a função deles é ser a reserva energética.

“No entanto, quando há resistência à insulina, como na obesidade, síndrome metabólica e diabetes, o fígado passa a liberar mais VLDL”, explica Thiago Fraga Napoli, representante da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia - Regional São Paulo (SBEM-SP), sobre o aumento na fabricação e, por consequência, o descontrole do nível recomendado dos triglicerídeos.

Segundo Napoli, o perfil mais comum do paciente com exames alterados é aquele com excesso na ingestão de calorias pela dieta e maior resistência à insulina. Outras causas, ainda que menos comuns, são a desregulação dos hormônios cortisol ou do crescimento e o uso de anticoncepcional oral.

Níveis de referência

Triglicérides acima de 150 mg/dL, em exame feito em jejum, em adultos, devem chamar atenção de médicos e pacientes, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia. Em crianças e adolescentes, os níveis desejáveis são abaixo de 75 mg/dL (entre 0 a 9 anos) e de 90 mg/dL (entre 10 a 19 anos).

Manter níveis elevados dos triglicérides aumenta o risco de problemas cardiovasculares. Acima de 500 mg/dL ou 1000 mg/dL, em adultos, pode levar à aterosclerose (acúmulo de placas de gordura nas artérias) e pancreatite (inflamação no pâncreas). Em contrapartida, não há riscos quando o nível está muito baixo, exceto em situações de desnutrição.

Casos com níveis muito alterados, em geral, estão associados a deficiências familiares de metabolização do colesterol, como a síndrome da quilomicronemia família, doença hereditária e rara caracterizada pela dificuldade no processo de digestão das gorduras. Pessoas com esse diagnóstico podem apresentar concentrações que ultrapassam os 10 mil mg/dL de triglicerídeos.

De acordo com Marcelo Bertolami, assessor científico da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp), crianças com histórico familiar de problemas cardíacos devem ter o perfil lipídico dosado a partir dos 10 anos, para identificar precocemente alterações nos níveis dos triglicerídeos.

Recomendações

Ao contrário do colesterol, que pode exigir a prescrição de medicamentos para reduzir as taxas, é possível baixar os níveis dos triglicérides com uma mudança no estilo de vida, de acordo com Bertolami.

“Na maioria das vezes, basta fazer exercício físico, mudar a alimentação e emagrecer. A chance de precisar de remédio é muito menor”, explica. Segundo o especialista, o que estimula o fígado a fabricar os triglicérides é a ingestão dos carboidratos chamados simples, como açúcar, arroz branco, batata e a bebida alcoólica. “Por isso, é mais fácil ajustar”, destaca o especialista, citando a mudança na dieta.

Sem sintomas

Pessoas com triglicerídeos altos não costumam apresentar sintomas, mas podem ter queixas de indisposição, cansaço e fadiga, em alguns casos. Nos casos em que os níveis estão muito alterados, a condição apresenta lesões na pele, ou xantoma eruptivo, segundo Bertolami. “São como bolinhas de gordura que aparecem na pele e podem se espalhar pelo corpo. Mas aí a taxa já pode estar muito alta”, alerta.


Voltar


Comente sobre essa publicação...