Semana On

Sábado 27.nov.2021

Ano X - Nº 469

Coluna

Os desafios da implantação das diretrizes de Jornalismo

Obrigatoriedade do estágio supervisionado regular é a primeira batalha a ser travada.

Postado em 13 de Março de 2015 - Gerson Martins

Novos caminhos para o Jornalismo. Novos caminhos para o Jornalismo.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A partir deste ano todos os cursos de Jornalismo deverão estar configurados conforme as novas diretrizes para os cursos de Jornalismo aprovadas pelo Ministério da Educação em 2013. Essas diretrizes determinam mudanças significativas para a estrutura curricular, carga horária, infraestrutura de laboratório, corpo docente, enfim um novo projeto pedagógico que promove a atualização no ensino de jornalismo, aproxima os cursos do mercado profissional, além de fortalecer o desenvolvimento da atividade por meio do incremento da pesquisa, seja de iniciação científica ou de desenvolvimento, e ainda uma ênfase nas relações com a sociedade por meio dos trabalhos de extensão.

E quais desafios os cursos de Jornalismo, representados pelos seus coordenadores e professores, na maioria da vezes, organizados no chamado Núcleo Docente Estruturante (NDE) vão enfrentar? Parece que o primeiro deles, talvez o mais complexo, seja a obrigatoriedade do estágio supervisionado regular. Embora alguns cursos, há algum tempo, tenham o estágio em suas estruturas curriculares, ele sempre foi irregular e voluntário no contexto das empresas. Agora o estágio é obrigatório e as comissões de estágio, o coordenador de Curso deverão garantir as vagas necessárias para seus alunos, conforme as novas diretrizes, no período final do Curso, sétimo ou oitavo semestre letivo. De outro lado, mencionado aqui em artigos anteriores, o estágio poderá não ser remunerado, afinal o aluno será obrigado a cumprir as 200 horas de estágio para que possa concluir seu curso. Essas 200 horas podem ser cumpridas em cerca de três meses, o que, por um lado não é do interesse das empresas, de outro essas mesmas empresas não têm obrigação remuneratória. Se as empresas desejarem manter um estagiário por período superior as 200 horas, devem criar espaços para o antigo estágio irregular.

O Encontro Nacional de Professores de Jornalismo, ocorrido em Curitiba em 2014, pontuou um outro aspecto das novas Diretrizes, no que se refere ao Trabalho de Conclusão de Curso, o TCC. No caso dos cursos de Jornalismo, as novas Diretrizes apontam duas possibilidades de TCC. De certa forma, essas modalidades estão previstas nos Projetos Pedagógicos dos cursos. Com as novas Diretrizes, o TCC, se o aluno optar pela produção de uma monografia, não poderá fazer coletivamente, em grupo, deverá produzir de forma individual. Da mesma forma, vários cursos de Jornalismo tem, atualmente, essa situação. Então não chega a ser uma situação nova.

O professor da UFSC que há muitos anos realiza pesquisa sobre ensino de jornalismo, Eduardo Meditsch foi um dos conferencistas do Encontro de Professores de Jornalismo. No evento, destacou a exigência, por força de lei, pois a Resolução 1 de 27 de setembro de 2013 da Câmara da Educação Superior do Conselho Nacional da Educação homologada pelo Ministério da Educação que aprovou as novas Diretrizes tem valor de lei, que os cursos de Comunicação Social, habilitação em Jornalismo deverão ter sua nomenclatura e Projeto Pedagógico alterado para Curso de bacharelado em Jornalismo e não poderá mais existir Curso de Comunicação Social. As universidade e faculdades têm até o dia 15 de setembro deste ano para efetivar essas alterações e aprovar um novo Projeto Pedagógico para Curso de Jornalismo.

A entidade que reúne os professores de jornalismo vai elaborar uma pauta de vários itens que possam auxiliar professores, coordenadores no trabalho de implementação das diretrizes. O acesso pode ser realizado pelo endereço www.fnpj.org.br.


Voltar


Comente sobre essa publicação...