Semana On

Quarta-Feira 18.mai.2022

Ano X - Nº 487

Poder

Nanismo diplomático

Inoportuna e contraproducente em relação aos interesses nacionais, a visita de Bolsonaro a dois populistas autoritários só se explica pela sua lógica eleitoral

Postado em 18 de Fevereiro de 2022 - Estadão (Editorial), Leonardo Sakamoto (UOL) – Edição Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A viagem do presidente Jair Bolsonaro à Rússia e à Hungria terminou sem compromissos, acordos ou alianças relevantes, enfim, sem qualquer ganho palpável aos interesses nacionais. O consolo é que, dado o histórico de trapalhadas do presidente, a coisa poderia ter sido pior.

Se os interesses do Brasil com a Hungria são inócuos, a Rússia fornece fertilizantes para o agronegócio e tem empresas relevantes na área de energia. Além disso, integra o Brics, é um polo tecnológico e uma superpotência militar, membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, com capacidade de facilitar as pretensões do Brasil. Em tempos normais, portanto, não haveria inconveniente no encontro entre os líderes russo e brasileiro. Mas estes não são tempos normais nem esse é um governo normal.

O encontro, é verdade, foi marcado antes da crise com a Ucrânia. Mas quando as hostilidades começaram, em novembro, havia tempo para manejar sem atritos um adiamento e evitar o risco de um presidente brasileiro assistir de um camarote russo à invasão. Se nas últimas semanas não havia essa margem e, por sorte, a invasão não aconteceu, nem por isso o Brasil foi poupado de constrangimentos. Nas declarações oficiais, Bolsonaro fez acenos genéricos à paz. Mas, falando no improviso, corroborou um recuo russo – negado pela Otan –, chegando a insinuar que poderia ter sido por sua influência. Pior: declarou que o Brasil é “solidário” à Rússia – que, sem entrar no mérito da disputa, é o país agressor, não o agredido.

Mas a viagem não foi só inadvertidamente inoportuna, como previsivelmente contraproducente. Reza o bê-á-bá da diplomacia que um chefe de Estado não viaja para negociar acordos, só para fechá-los ou destravar impasses. Mas nada disso, nem sequer uma negociação, estava na pauta. A nota do Itamaraty expõe essa vacuidade.

Encontros protocolares e pragmaticamente inócuos são justificáveis na rotina das relações com parceiros relevantes. Mas, para que a justificativa seja válida, é preciso que haja essa rotina. Porém a única diretriz palpável da política externa de Bolsonaro foi a bajulação do ex-presidente americano Donald Trump. Fora isso, não houve nenhum compromisso bilateral relevante. Nos fóruns internacionais, limitou-se a propagandear realizações fictícias de seu governo e, em vez de criar laços com outras lideranças, preferiu conversar com garçons e insultar chefes de Estado, como a chanceler da Alemanha ou o presidente da França. Mais grave foi a hostilidade intempestiva a parceiros comerciais como a China, o maior de todos, ou à Argentina, o maior comprador da indústria nacional.

Quanto à questão mais sensível para a comunidade internacional, a ambiental, Bolsonaro só ofereceu desídia e escárnio, chegando a ameaçar retaliar com “pólvora” uma delirante invasão da Amazônia pelos EUA. Na pandemia, consagrou-se como o líder negacionista par excellence. Ao estreitar laços com dois nacionalistas autoritários como Vladimir Putin e Viktor Orbán, Bolsonaro só acentuou o isolamento em que enfiou o Brasil.

Injustificável em relação aos interesses do País, a viagem é explicável pelos interesses eleitorais do clã Bolsonaro. Tanto que o presidente, que se especializou em ridicularizar os protocolos sanitários no Brasil, se submeteu a uma humilhante bateria de testagens só para garantir uma foto ao lado do ditador russo. O vereador Carlos Bolsonaro, coordenador das virulentas redes sociais do pai, teve lugar de destaque na delegação presidencial, e certamente não era para negociar fertilizantes.

Na falta de algo mais elevado, a militância bolsonarista se refestela com a foto em que Bolsonaro aparece mais alto do que Putin. Felizmente, a sua minúscula estatura como estadista permitiu que a visita inoportuna passasse despercebida aos olhos da comunidade internacional. Mas isso é já um sintoma do apequenamento a que ele submete o Brasil. Em outros tempos, o País seria encarado como um ator diplomático relevante; hoje, com Bolsonaro, é só digno de dó.

Bolsonaro evitou guerra? Piada vira fato no Brasil com 7% de terraplanistas

Quando o ex-ministro Ricardo Salles bombou memes que sugeriam que Jair Bolsonaro levaria paz às rusgas entre Rússia, Estados Unidos, União Europeia e Ucrânia, parte da imprensa e dos críticos ao governo gastaram tempo rebatendo a bobagem. E parte da extrema direita usou o tempo para absorver aquilo como se fosse verdade.

O entorno do presidente gosta de operar com duas camadas de interpretação para a mesma mensagem, fazendo com que públicos diferentes a compreendam de forma diferente, como já disse aqui várias vezes. Neste caso, de um lado, bradou que progressistas não têm senso de humor por não entenderem uma "brincadeira", de outro, valeu-se da falta de senso de ridículo do bolsonarismo-raiz, que age de forma messiânica quando o assunto é Jair, para empurrar um meme como fato.

E com o sucesso do meme, o próprio Bolsonaro entrou na jogada. No último dia 16, após obter a foto que veio buscar em Moscou ao lado de Vladimir Putin (para mostrar a seus seguidores que ele não é um pária global), o presidente sugeriu que sua visita poderia ter algo a ver com o anúncio de retirada de tropas pela Rússia.

"Alguns países achavam que não deveríamos vir. Mantivemos nossa agenda, por coincidência ou não, parte das tropas deixou a fronteira", afirmou em entrevista coletiva. Claro que nem ele acha isso. Mas não importa, a mensagem foi lançada.

Novamente, enquanto imprensa e críticos ao governo são obrigados a explicar o óbvio (que Jair não encontra sozinho nem o caminho entre o quarto e a cozinha do Palácio do Alvorada quanto mais intermediar a paz entre nações) e são acusados de colocar palavras na boca do presidente, parte de seus seguidores captou a mensagem do "mito" como verdade, festeja a dádiva alcançada e fortalece o seu apoio para a campanha de reeleição. O incrível é que isso reforça que Bolsonaro sabe que seus seguidores acreditam em qualquer porcaria e os explora mesmo assim.

"Ah, mas é impossível ter gente que acredita nisso", você deve estar pensando.

Em julho de 2019, um levantamento do Datafolha apontou que 7% dos brasileiros acreditam que a Terra é plana. A margem de erro era de dois pontos percentuais.

Se quase 15 milhões de almas acreditam que o planeta assombrado por elas é mais parecido com uma pizza de calabresa ou com um LP da Xuxa do que de uma bola de futebol, por que não haveria muita gente que acredita que Jair é uma espécie de Messias?

Não é uma questão de exploração da população com menos acesso à informação, mas de manipulação do naco da sociedade que deseja consumir somente aquilo que já acredita, ou seja, quer elementos que comprovem a infalibilidade de seu líder. Porque se o mito estiver errado, eles também estarão.

Falta amor no mundo, mas também falta interpretação de texto. Falta E vai sobrar muito chinelo velho para pé cansado daqui até outubro.


Voltar


Comente sobre essa publicação...