Semana On

Sexta-Feira 20.mai.2022

Ano X - Nº 487

Mato Grosso do Sul

Rumo ao Carbono Neutro

MS já é primeiro do País em integração lavoura pecuária e floresta

Postado em 18 de Fevereiro de 2022 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Mato Grosso do Sul já ocupa o 1º lugar no ranking nacional em áreas com Integração Lavoura Pecuária e Florestas (ILPF). De acordo com dados da Associação Rede ILPF, o Estado já conta com 3,3 milhões de hectares de áreas de criação de bovinos em pastagens a sombra de eucaliptos, ou alternando soja e milho com braquiária ou outros capins, representando um avanço de 17,2% nos últimos dois anos do sistema ILPF nas propriedades rurais sul-mato-grossenses.

O resultado, de acordo com o secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Produção, Desenvolvimento Econômico e Agricultura Familiar) é decorrente da política estratégica de desenvolvimento sustentável implementada pelo Governo do Estado para tornar Mato Grosso do Sul um Estado Carbono Neutro até 2030. “O investimento em pesquisa e inovação tem permitido a intensificação da pecuária, com a adoção de boas práticas de produção e novas tecnologias”, afirma o secretário.

O titular da Semagro lembra que “não são todas as propriedades que têm a integração entre lavoura, pecuária e floresta. Elas podem ter pecuária e floresta que também é bastante comum. Mas nos últimos anos vimos esta intensificação e inserção de lavouras dentro desse processo de integração com as florestas”.

O ILPF rentabiliza a produção agrícola a pecuária e ainda a questão florestal. Outro aspecto enfatizado pelo secretário é o avanço da pesquisa de integração no setor pecuário. “Nós tivemos todo um desenvolvimento da pesquisa principalmente da pecuária. O estado foi pioneiro no estabelecimento da carne Carbono Zero e da Carne Carbono Neutro que são produzidas através de sistemas de integração. Esse é um outro ponto fundamental para as áreas de pecuária. E muitos produtores nessas áreas mantiveram também a sua atividade pecuária. Então isso promoveu uma intensificação extremamente positiva dos sistemas. O outro é a própria demanda florestal do estado de Mato Grosso do Sul. Temos avançado muito em florestas. Existe uma demanda muito forte por eucalipto tanto na celulose, como em outras atividades de geração de biomassa”, acrescentou.

Jaime Verruck ainda cita a maior oferta de crédito direcionado para a implantação destas tecnologias. “Através do FCO Verde conseguimos intensificar esses sistemas de integração”. O FCO Verde é uma Linha de Financiamento dentro do FCO Rural direcionada a projetos que promovam o desenvolvimento Rural. Conservação da Natureza e Integração Lavoura-Pecuária-Floresta. De 2015 até agora o FCO Verde já liberou mais de R$ 200 milhões em projetos no Estado.

Na avaliação do secretário, a liderança do Mato Grosso do Sul no ILPF se deu por uma junção de fatores: um posicionamento do produtor em tecnologia, a disponibilidade de crédito, da pesquisa e também da sinalização positiva e de apoio da Semagro em relação aos sistemas de produção.

“Acho que esse conjunto de fatores fez com que a gente avançasse. E o sistema de integração lavoura pecuária floresta é estratégico no direcionamento principal de equilibrar e neutralizar a própria emissão de carbono, como é o caso da carne de carbono neutro e a carne de baixo carbono. Então a lógica exatamente do sistema de integração é da melhoria da produtividade, da renda e da sustentabilidade”, afirmou.

De acordo com o secretário Jaime Verruck, a Semagro vai continuar atuando em ações direcionadas para incentivar a ILPF. “Essa é uma linha que o Estado continua trabalhando e as políticas públicas desenvolvidas pelo Governo, elas propiciam e permitem um avanço mais rápido das atividades”, finalizou.

Mudanças na nomenclatura

A nomenclatura IPLF mudou e agora passou a ser chamada como sistemas integrados de produção (SIP´s) que nada mais são que a combinação (de dois ou três) dos componentes agricultura, pecuária e floresta. Pelo novo modelo de ordenação é identificada a fatia efetivamente destinada para sistemas integrados em relação às áreas usadas para produção rural em cada unidade da federação.

Neste sentido, quem lidera é o Rio Grande do Sul (31%), seguido por Santa Catarina (29%), Mato Grosso do Sul (16%), ES (15%) e RN (14,7%). No ranking por área, Mato Grosso do Sul se mantém à frente com 3,3 milhões de hectares. Logo depois aparecem Mato Grosso (2,4 mi/ha), RS (2,3 mi/ha), Minas Gerais (1,7 mi/ha) e Goiás/Distrito Federal (1,5 mi/ha).

Os números levam em conta uma área total de 18,5 milhões de hectares com sistemas integrados no Brasil em 2021, resultado da mais recente projeção de crescimento feita anualmente pela Associação desde o ciclo 2015/2016, quando contratou pesquisa junto ao Kleffmann Group.


Voltar


Comente sobre essa publicação...