Semana On

Domingo 22.mai.2022

Ano X - Nº 488

Saúde

OMS: Vacina para crianças da Pfizer tem 90% de eficácia e segurança elevada

Nota técnica emitida pela Organização aponta que nenhum caso de miocardite foi registrado nos testes clínicos

Postado em 25 de Janeiro de 2022 - Jamil Chade - UOL

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Uma nota técnica emitida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) aponta que nenhum caso de miocardite foi registrado nos testes clínicos da vacina da Pfizer para o uso em crianças. O documento também revela que os níveis de eficácia do imunizante são considerados como elevados.

Os dados embasaram a decisão da agência, na semana passada, de ampliar a recomendação mundial para que a vacina da empresa fosse aplicada na faixa etária de cinco a 11 anos de idade. Até então, a OMS apenas chancelava as doses a partir dos 12 anos.

No Brasil, grupos próximos ao presidente Jair Bolsonaro questionaram o uso da vacina em crianças. A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), por exemplo, pediu ao Ministério da Saúde e à Anvisa "a suspensão da aplicação da vacinação infantil até a reavaliação da segurança".

Na semana passada, os ministros Marcelo Queiroga (Saúde) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) visitaram uma criança no estado de São Paulo que havia sofrido uma uma parada cardíaca no dia que em que recebeu a primeira dose da vacina contra covid-19 da Pfizer, enquanto Bolsonaro ligou para a família.

Mas foi descartado que o imunizante tenha gerado o problema. Mesmo assim, nas redes sociais, a hipótese de uma miocardite desencadeada pela vacinação proliferou. Damares Alves, por exemplo, sequer citou em suas redes a conclusão dos especialistas de que não haveria relação entre a vacina e a parada cardíaca. Em seu texto, ela se limitou a dizer que visitou a criança "hospitalizada após suspeita de parada cardíaca no mesmo dia em que recebeu a vacina contra Covid".

De acordo com a nota técnica da OMS, os testes realizados com a vacina deram sinais de segurança, contrariando os bolsonaristas.

Num dos testes clínicos, por exemplo, "nenhum caso de miocardite foi relatado entre 3.082 participantes do estudo com idades entre 5-11 anos com mais de 7 dias de acompanhamento após o recebimento da dose". A entidade admite que o estudo não tenha sido direcionado para avaliar o risco de miocardite.

A OMS ainda aponta que os dados iniciais de segurança depois da introdução da vacina nos Estados Unidos mostram que o "risco de miocardite é menor nesta faixa etária (entre cinco e onze anos) em comparação com adolescentes".

Eficácia

A redução de casos severos entre crianças também foi alvo de avaliação na agência, em Genebra. Um teste em adolescentes de 12 a 15 anos mostrou uma eficácia vacinal contra a infecção sintomática pelo vírus da covid-19 de 100%, sete dias após a dose.

Já um estudo após a introdução nos EUA da vacina concluiu que, entre pacientes hospitalizados de 12 a 18 anos de idade, a eficácia foi de 91%.

Um teste clínico de Fase 3 foi concluído em crianças de 5 a 11 anos de idade e mostrou resultados similares aos identificados entre adultos jovens. "A eficácia contra a doença sintomática foi de 90,7%", constatou.

A OMS aponta ainda que não existem atualmente estudos de eficácia de vacinas pós-introdução para a faixa etária de 5 a 11 anos.

A agência também insiste que a dose dada para esse grupo de crianças deve ser reduzida, em comparação ao volume administrado em adultos e que a necessidade e o tempo para a dosagem de reforço para crianças de 5 a 11 anos ainda não foram determinados.


Voltar


Comente sobre essa publicação...