Semana On

Quarta-Feira 25.mai.2022

Ano X - Nº 488

Viver bem

Dificuldades para fazer exercícios?

Distração pode melhorar o desempenho

Postado em 20 de Janeiro de 2022 - Lucas Soares – Olhar Digital

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Sabe quando estamos correndo na esteira da academia e sentimos que quanto mais encaramos o cronômetro mais o treino demora para passar? Sempre que pensamos em fazer exercícios físicos, a primeira coisa que vem em nossa mente é a necessidade de se concentrar no movimento. No entanto, pesquisas sugerem que se distrair durante o treino, com músicas ou outros estímulos, pode ajudar no desempenho.

O estudo publicado no Journal of Motor Learning and Development foi feito apenas com praticantes de corrida, um exercício considerado como de fácil execução. Os resultados mostram que focar em outras coisas ao invés de seu próprio corpo pode melhorar o desempenho durante o treino.

Da mesma forma que, prestar atenção nos movimentos e na corrida, pode fazer o tempo demorar mais para passar e tornar o treino mais desgastante tanto físico quanto psicologicamente. Ou seja, a distração pode tornar os exercícios mais toleráveis.

A surpresa dessa pesquisa é que, normalmente, treinadores e especialistas sugerem que, durante os exercícios, é importante ouvir e prestar atenção no que acontece no seu corpo. No entanto, isso pode tornar a prática mais difícil e dolorosa.

Um estudo feito em 2003 mostra que jogadores de golfe jogavam melhor se não pensassem em como fazer a tacada do que quando pensavam. Jogadores de futebol experiente conseguiram driblar cones com mais facilidade quando estavam distraídos. No entanto, atletas novatos se saiam melhor concentrados, provavelmente porque não sabiam driblar com tanta facilidade.

A distração ajudando em exercícios

Ou seja, a distração pode ajudar, desde que você saiba fazer o exercício. Isso é sugerido na teoria da Hipótese de Ação Limitada, que diz que o nosso corpo se move melhor do que nossas mentes conscientes.

No entanto, havia dúvida se esse método funcionava com treinos de longa duração, como corridas. Por isso, pesquisadores da Universidade do Tennessee, nos EUA, e da Universidade Shahid Beheshti, no Irã, analisaram dados de corredores. Cerca de 12 mulheres jovens foram recrutadas para a pesquisa. Todas sabiam correr, apesar de não fazerem regularmente.

O estudo se baseou em sessões de corrida de seis minutos de cada vez com 70% da velocidade máxima que elas aguentavam. Na primeira sessão, as participantes precisavam correr se concentrando no movimento dos pés, em outra, contando os passos, em uma terceira contando de trás pra frente e em uma última assistindo a um jogo de basquete.

Os resultados mostram que as mulheres consumiam menos oxigênio quando assistiam ao basquete e eram as mais distraídas. Além disso, a prática foi menos cansativa mentalmente e fisicamente. “Em essência, a pior estratégia para os corredores era “pensar em seus movimentos”, disse Jared Porter, professor da da Universidade do Tennessee, que supervisionou o novo estudo.

É importante ressaltar que essa pesquisa é preliminar e foi feita apenas com pequenas sessões de corrida e em mulheres jovens. Os resultados podem ser diferentes com outros grupos e outros exercícios.

Via The New York Times


Voltar


Comente sobre essa publicação...