Semana On

Domingo 23.jan.2022

Ano X - Nº 475

Legislativo

Câmara retoma sessões comunitárias e ouve moradores e lideranças de bairros nas Moreninhas

A Sessão Comunitária tem como principal objetivo estreitar os laços entre a população e o poder legislativo

Postado em 08 de Dezembro de 2021 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Com a presença de autoridades, moradores e diversas lideranças de bairros, a Câmara Municipal de Campo Grande retomou, no último dia 8, as sessões comunitárias. O local escolhido foi a Escola Municipal José Mauro Messias da Silva, na Moreninha IV, e o presidente da Casa, vereador Carlos Augusto Borges, o Carlão, avisou que o projeto deve seguir durante o próximo ano, também com as sessões itinerantes.

“É a primeira de muitas sessões comunitárias que queremos fazer, para ouvirmos os conselheiros, os líderes e a comunidade. Levamos a Câmara aos bairros para ouvir a população que tem interesse em melhorias na comunidade e na região. Só ouvindo vocês, vamos acertar. É a primeira desta legislatura, já que estávamos há 5 anos sem fazer. Assumi a presidência durante a pandemia e não consegui fazer também, mas todos os vereadores pediram”, disse.

“Todas as solicitações que surgiram, vamos encaminhar uma indicação única, assinada por todos os vereadores, ao prefeito e aos órgãos competentes. As reivindicações serão anotadas. Estamos aqui para ouvir a população”, completou Carlão.

Diferentemente da sessão ordinária, na qual os vereadores apresentam projetos, discutem a aplicabilidade e votam leis para Campo Grande, a Sessão Comunitária tem como principal objetivo estreitar os laços entre a população e o poder legislativo. A iniciativa, que estava parada por conta da pandemia do novo coronavírus, levanta propostas, ideias e descobre o que precisa de mais atenção dos vereadores em cada bairro da Capital.

Para o vereador Ronilço Guerreiro, a sessão mostra a vontade do vereador de estar próximo à comunidade. “Política é a expressão de cuidar das pessoas, e ninguém faz isso sozinho. Nós fazemos isso juntos, todos os vereadores. Na época de eleição, somos concorrentes, jamais inimigos. E, após as eleições, só resolvemos os problemas se tivermos união e parceria. A Câmara tem uma sintonia muito grande com o que a população quer”, afirmou.

Em sua fala, o vereador Prof. Juari destacou que o papel do parlamentar é ouvir a comunidade. “Durante a campanha, andei em Campo Grande e disse que nosso mandato estaria sempre à disposição do povo. E tenho visto, nas minhas andanças, que a população agradece quando vê o vereador no bairro. Ouvíamos que o vereador ganha a eleição e não volta mais. Mas nosso papel é esse: voltar e ouvir a comunidade. Quisera termos tempo de visitar todos os bairros de Campo Grande”, considerou.

O vereador Professor Riverton partilhou da mesma opinião. “Um dos anseios da população era a presença do vereador junto à comunidade. Na pandemia, não nos escondemos. Sempre estou presente nas comunidades, até mesmo aos finais de semana. A gente vê a receptividade das pessoas quando você não está indo apenas atrás do voto”, citou.

Já o vereador Valdir Gomes lembrou os momentos difíceis da pandemia, em que os vereadores não puderam realizar as sessões comunitárias e, até mesmo, as presenciais na própria sede da Casa de Leis. “Sou muito grato por estar aqui após uma pandemia, onde perdemos amigos e parentes. Temos um privilégio de podermos estar aqui. Quando fui chefe da fiscalização da Semadur, a Moreninha estava nascendo, os primeiros conjuntos. Hoje, é uma cidade, é um sonho. Podem ter certeza que a Moreninha está bem representada na Câmara”, garantiu.

Morador das Moreninhas, o vereador Júnior Coringa aproveitou para fazer uma ‘prestação de contas’ de seu mandato à comunidade. “A gente conseguiu, com emenda parlamentar, R$ 1,1 milhão do Governo do Estado para execução do asfalto da Moreninha IV. Também, defendemos em Brasília (DF) o Hospital Dia, muito importante, um hospital de pequenas cirurgias. É muito importante não só para a região, mas para toda Campo Grande. A Bancada Federal destinou R$ 12 milhões para esse projeto. Fizemos ainda a entrega de emenda de R$ 10 mil do nosso gabinete para o posto de saúde da Moreninha III. Quando a população quer, ela reivindica”, elencou.

Também oriundo da região, o vereador Zé da Farmácia falou da alegria de participar de uma sessão ‘em casa’. “Hoje é uma emoção especial participar dessa sessão comunitária. Hoje é o dia da gente escutar. Hoje vai ser dado o grito dos excluídos, de quem sofre com a falta de estrutura que não vem, do Parque Jacques da Luz, que está com as obras paradas e as pessoas reclamam muito. Tenho andado muito, buscado soluções. É difícil, mas a gente vem lutando e essa luta é constante. Jamais a gente desanima e vamos fazer o máximo para atender a todos e a todas”, disse.

Em sua fala, o vereador Ayrton Araújo do PT destacou o papel das lideranças comunitárias no desenvolvimento da região. “Já são 40 anos de Moreninhas, 40 anos para virar essa cidade. Temos que agradecer às lideranças dos bairros, o esforço desses cidadãos que estão sentados aqui, na luta por melhorias diariamente na região onde moram. Essa Casa é ligada nas Moreninhas, não tem como estarmos presentes nessa região. Essa região precisa de muito na segurança, educação, infraestrutura”, afirmou.

Já o vereador Silvio Pitu afirmou que, com a volta das sessões comunitárias, as lideranças terão voz novamente. “Os líderes comunitários estão tendo voz. O Carlão resgatou aquilo que a Câmara representa, que é representar todas as pessoas e todas as regiões de Campo Grande. Abrimos aqui nas Moreninhas, um lugar feliz, lindo e que cada dia que passa, a gente volta e vê a vida das pessoas melhorando. E a Moreninha cada dia mais bonita, charmosa e feliz, e sobretudo com pessoas honestas honradas e vitoriosas”, afirmou.

O vereador Tabosa, em sua fala, cobrou melhorias para a região. “A Moreninha tem que melhorar. O Executivo Municipal tem que estar mais presente. A Moreninha arrecada impostos, paga impostos em dia, e ainda falta muita coisa. Jacques da Luz está abandonado, posto de saúde abandonado, não tem hospital”, apontou.

Em sua fala, o vereador Ademir Santana lembrou que a Casa está empenhada em melhorias para o bairro. “A Moreninha não tem dois vereadores, tem 29. Todos lutam pelas Moreninhas. Quem ganha com isso, é a comunidade. O bairro tem 29 vereadores que lutam pela comunidade, e estamos aqui hoje para ouvir vocês”, afirmou.

Para o vereador Otávio Trad, o diálogo é imprescindível para administrar uma cidade como Campo Grande. “Para você administrar uma cidade, tem que ter diálogo e presença na comunidade. Uma das virtudes e das características dessa gestão é a presença. Todas as vezes que passo por aqui, vejo filmes de quando vinha com meu avô, Nelson Trad, e acompanhando o prefeito Marcos Trad por toda a região das Moreninhas. É uma satisfação muito grande, uma alegria. Todos os projetos na Câmara que serão positivos para essa região, nós vamos apoiar”, garantiu.

Segundo o vereador Papy, a realização da primeira sessão comunitária da atual legislatura nas Moreninhas inaugura um tempo de otimismo. “Viemos aqui hoje para ouvir as demandas. Tem parabéns para receber? Que bom. Mas tem críticas também. E o bom líder é o que ouve a crítica e sai daqui empenhado para resolver. Confiem na Câmara, pois somos um poder legislativo ao qual os 29 fazem fiscalização. Podem contar conosco. Passamos um ano inteiro sem poder andar e, agora, inauguramos um tempo de muito otimismo”, cravou.

“A Câmara tem feito várias ações em prol da população campo-grandense. A Moreninha é uma comunidade pujante e vamos trabalhar para que possamos, juntos, construir uma comunidade e uma cidade cada vez melhor”, complementou o vereador Coronel Alírio Villasanti.

Já o vereador Beto Avelar, líder do prefeito na Câmara, destacou a importância de ouvir diretamente da comunidade as necessidades de cada região. “Essa sessão é importante porque só faz sentido existir o vereador numa cidade se ele estiver disposto a ouvir as reivindicações da comunidade. E essa sessão cumpre essa função. Aqui escutamos o povo, buscamos o diálogo e vamos atrás de soluções junto ao Executivo e outros órgãos. Eu acredito que essa iniciativa deve ser uma constante passado o período mais crítico da pandemia”, considerou.

Também participaram os vereadores William Maksoud e Edu Miranda, que defendeu mais voz à comunidade. “Estamos aqui para ouvir a comunidade, essa é minha ideia. Somos vereadores e temos que fiscalizar. Pra isso estamos lá e fomos votados por vocês. Temos que parar de vir aqui e sermos partidários. Temos que ser comunitários. Temos 29 vereadores que trabalham pela comunidade”, resumiu Miranda.

Comunidade tem voz – Durante a sessão, os moradores das Moreninhas e região aproveitaram para fazer reivindicações à comunidade. Os que não falaram ao microfone ainda puderam registrar junto ao Apoio da Casa os pedidos de melhorias, como asfalto, cascalhamento, sinalização de trânsito, iluminação pública e mais atenção na área da saúde. Tudo que foi colhido serão encaminhados aos órgãos competentes. 

“Eu preciso da visita de um médico da família, que foi me ver uma vez em três vezes. Estamos cansados de ir na UBSF. Existem barreiras. Agora, há duas semanas dei os primeiros passos, e estou conseguindo ir ao médico. Eu não quero falar mal, mas preciso, a comunidade precisa da fiscalização do vereador. Estamos necessitados. A Moreninha evoluiu muito, sim, mas precisamos de mais, principalmente na área da saúde” disse o líder comunitário da Moreninha II, Rodinei Machado, que se recupera de covid-19.

Já o presidente da Associação de Moradores da Moreninha IV, Eduardo Menezes, afirmou que a presença da Câmara no bairro é um momento histórico. “Com isso, vejo que estamos construindo pontes, quebrando barreiras e trazendo essa Casa até a comunidade. Assim, vocês veem de perto nossos anseios e necessidades. Minha vontade era que todos estivessem aqui. Só vamos conseguir progresso com união. Estou feliz e vou ficar mais ainda quando ver as máquinas trabalhando aqui no nosso bairro. Que não fique apenas nessa vez, que não venham só na época das eleições. A Moreninha está de portas abertas para receber vocês”, garantiu.

O diretor da Escola Municipal José Mauro Messias da Silva, Daniel Avalo Aguero, também agradeceu a presença dos vereadores. “É um projeto importante, trazendo a Câmara para perto da comunidade. É muito importante isso tudo. Estamos aqui por um só objetivo: o desenvolvimento dessa grande região, praticamente uma cidade, que é a Moreninha. Agradeço e friso que é um privilégio receber todos. Estamos sempre com as portas abertas”, disse.

Quem também comemorou a possibilidade de fazer reivindicações diretamente aos parlamentares foi o líder comunitário do Nova Jerusalém, Marcelo de Souza. “É muito importante para nós lideranças de bairro. Estamos próximos à Casa de Leis, para que a gente possa dar voz à nossa comunidade. Sou morador desde 1982 das Moreninhas. O bairro está crescendo, e os vereadores estão nos ajudando e mostrando um caminho para que a população tenha uma vida de qualidade”, disse. 

Por fim, a presidente da Unegro (União de Negros e Negras pela Igualdade), Maria do Socorro de Matos, afirmou que a presença da Câmara na escola é uma lição de cidadania. “Sinto-me contemplada com a realização dessa sessão comunitária. Damos hoje uma lição de cidadania e democracia com as forças democráticas, nossa comunidade, nossos jovens, com os líderes comunitários. É a primeira vez que vejo a democracia ao lado do povo. Ela não se faz do individualismo”, finalizou.


Voltar


Comente sobre essa publicação...