Semana On

Domingo 23.jan.2022

Ano X - Nº 475

Mato Grosso do Sul

Cassems realiza campanha de vacinação antigripe e faz alerta para mitos sobre o tema

A vacina é importante não apenas para a proteção do próprio indivíduo, como também de toda a comunidade

Postado em 03 de Dezembro de 2021 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Pelo décimo ano consecutivo, a Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul (Cassems) realiza agendamento para reserva de doses da “Campanha de Vacinação Antigripe 2022”, que pode ser feita até o dia 30 de dezembro deste ano. O beneficiário interessado em se vacinar ainda pode fazer a sua reserva pelo Portal do Beneficiário (beneficiario.cassems.com.br). Para tirar dúvidas, o beneficiário deve ligar na Central de Atendimento (67) 3314-1010. O valor de cada dose é de R$ 80,00.

O objetivo da campanha é reduzir as internações decorrentes das infecções causadas pelo vírus Influenza e a vacina oferecida pela Cassems protege contra os diversos subtipos do vírus da H1N1 e, na Caixa dos Servidores, pode ser tomada a partir dos três anos de idade. O Sistema Único de Saúde (SUS) distribui a vacina apenas para crianças menores de dois anos, gestantes e idosos acima de 60 anos, considerados grupos de risco. Dessa forma, uma grande parcela da população fica vulnerável ao vírus e suas consequências no período de inverno.

A médica infectologista e diretora técnica do Hospital Cassems Campo Grande, Priscilla Alexandrino, desmistifica alguns rumores sobre as vacinas que podem impedir a população de se medicar corretamente contra as doenças. A Caixa dos Servidores ressalta a importância de verificar as notícias que circulam na Internet sobre cuidados com a saúde e não compartilhar textos sem veracidade e embasamento científico.

A boa higiene e o saneamento dispensam a necessidade da vacina.

“Não é verdade. Quando falamos da gripe, por exemplo, ela não é transmitida de forma fecal/oral, de pessoa à pessoa. Então, o saneamento, isoladamente, não pode ser considerado uma forma de prevenção. As duas práticas, higiene e a vacinação, são maneiras eficazes de se prevenir contra patologias”.

As vacinas têm efeitos colaterais que ainda são desconhecidos.

“Não é verdade. Para uma vacina ser liberada para aplicação em larga escala na população, tem uma série de estudos em várias fases. De maneira geral, são cinco fases até que ela possa ser liberada para a população com um nível de segurança próximo à 100%. Então, quando é liberada para produção e aplicação na população já tem uma segurança muito grande e os efeitos adversos são pequenos”.

As doenças evitáveis por vacinas já foram erradicadas no Brasil.

“Algumas doenças foram erradicadas no Brasil, como a varíola. Já o sarampo, que também havia sido erradicado, está de volta. Vivemos em um mundo globalizado, os vírus e microorganismos circulam dentro das pessoas e, se não vacinar, esses surtos voltam e de maneira pior, porque a população não tem nenhum tipo de imunização”.

É melhor ser imunizado por meio da doença do que pela vacina.

“Não é verdade. Porque a doença pode ter gravidade e sequelas. Por exemplo, a meningite, com a vacina, mesmo que a pessoa tenha contato com a doença, rapidamente o sistema imunológico reagirá e não deixará ter sequelas como surdez, alterações cerebrais importantes; a vacina é fundamental para evitar a morbidade. No caso da gripe, sabe-se que alguns grupos estão em maior risco, como os diabéticos, crianças e gestantes. Damos vacina inicialmente nessas pessoas porque se essas tiverem a doença, se desenvolverão de maneira mais grave”.

Quem se vacina contra a gripe pega logo após a vacina.

“Não. A vacina é feita por vários vírus e com o vírus sazonal daquele ano. Ela não fica imune a pegar uma gripe ou um resfriado, são vírus diferentes. Mas ela não terá a gravidade dos sintomas se ela se vacinou. Uma coisa não está relacionada a outra. Geralmente, os sintomas adversos que as pessoas falam tanto são mais locais, como uma vermelhidão que passa em dois ou três dias. A pessoa pode ter gripe, mas não vai ser internada, ter insuficiência respiratória, ir para o CTI ou até mesmo morrer. É importante lembrar que depois da vacina, é preciso ao menos 14 dias para estar livre dos vírus que a gripe protege”.

A vacina causa autismo.

“Não há nenhum estudo que afirme isso, à priori. Como disse antes, a vacina passa por uma avaliação de cinco fases. Se houvesse uma associação tão grave como essa, a vacina seria suspensa. Nós fazemos medicina baseados em evidências e para liberar uma meditação, ela deve ter muita segurança para o paciente. Deve ter aprovação internacional e nacional, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”.


Voltar


Comente sobre essa publicação...