Semana On

Segunda-Feira 16.mai.2022

Ano X - Nº 487

Coluna

1º Festival de Cinema Indígena do Brasil no Reino Unido

Reafirmando o lugar privilegiado de re-existência dos povos originários

Postado em 20 de Outubro de 2021 - Ricardo Moebus

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

“Os povos indígenas estão liderando a luta contra as mudanças climáticas. Eles precisam urgentemente de nosso apoio em sua resistência contra a destruição de seus modos de vida tradicionais. ” 

Paul Heritage - Professor de Drama e Performance na Queen Mary University de Londres e Diretor da PPP.

 

Começa hoje (22) o 1º Festival de Cinema Indígena do Brasil no Reino Unido, produzido pela People’s Palace Projects em parceria com o ICA. Financiado pela Queen Mary University of London, University of Manchester, Arts Council England e UK Research and Innovation através do Global Challenges Research Fund, apoiado pela APIB – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil.

O cinema como instrumento também de resistência e ampliação das vozes indígenas é uma estratégia já de longa data utilizada pelos povos indígenas, revertendo as imagens objetalizantes das primeiras filmagens sobre os povos originários, variados povos indígenas tem assumido a protagonismo cinematográfico nos registros e divulgações de suas ideias, suas tradições, suas cosmovisões.

Um recente exemplo é o premiado filme “A Última Floresta” que teve o xamã Davi Kopenawa Yanomami como co-roteirista em um trabalho compartilhado e coletivo com a direção do filme.

Às vésperas da Conferência do Clima realizada pela ONU, a COP26, que acontecerá desta vez no Reino Unido, Glasgow, Escócia, em novembro próximo, reabrindo pela vigésima sexta vez as rodadas de negociação, buscando estratégias e ações para limitar, minimizar ou controlar as mudanças climáticas e seus efeitos catastróficos, o Festival de Cinema Indígena do Brasil representa um acontecimento artístico, político e cultural que reafirma a posição inquestionável de liderança dos povos originários na construção de saídas e possibilidades para a reversão da crise climática-ambiental-civilizatória na qual nos encontramos.


Voltar


Comente sobre essa publicação...