Semana On

Sexta-Feira 03.dez.2021

Ano X - Nº 469

Coluna

Minha criança queer

Um poema de Régis Moreira para reforçar a liberdade de ser e viver

Postado em 14 de Outubro de 2021 - Régis Moreira

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Mora em mim um menino

Crescido

Domesticado

Alfabetizado

Colonizado

Civilizado

Normalizado

Será???...

- Será que não!

Foram todas tentativas frustradas

Eu nunca me encaixei em nada por inteiro

Sempre sobrou de mim

Nos moldes que mal coube

Sempre deslocado

Deste imperativo hétero-cis-normativo

Nas bordas

Que me constituem

A criança queer relegada

Hoje é potência existencial

Viro a mesa

Viro os olhos

Me viro

Vingo

Não no sentido de desforra

Porque longe em mim está

O recalque dos desamados

Muito pelo contrário

Vingo por que a vida vicejou

Vingo porque brotei

Ali naquela fresta

Naquela rachadura

Naquela greta

Garbo grito

Danço infinito

Sacolejo nos desencaixes

Orgulho-me de quem me tornei

De quem me torno

De quem me trans-torno

Desenquadro da moldura

Essa que sempre me disse

“Sua obra não cabe nesse encaixe”

E não caibo mesmo

Desencaixo

Vazo

Liquidific-ando

Apesar de minhas águas

Parecerem mansas na superfície

Ando correnteza

Caudaloso

Fluxo intensivo

Vou

Com esse erê queer

Atravesso.


Voltar


Comente sobre essa publicação...