Semana On

Domingo 23.jan.2022

Ano X - Nº 475

Coluna

Surfar na quebradeira

Um poema de Régis Moreira para nos incendiar a pasmaceira

Postado em 07 de Outubro de 2021 - Régis Moreira

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Deitado na pedra poltrona

Vejo o fim da tarde

Venta frio

No dia nublado

Eu e meu cãozinho

Vendo os surfistas

E tentando entender

Que pra pegar a onda

Não tem dia e nem horário

Muito menos temperatura

Ou ventania

Ali sempre estão eles na quebradeira

Em busca de surfar

Uma onda que quebra

Não quebra quem surfa

E quando ela se desmancha

Lá vem o surfista de novo

Atrás de outra quebradeira

E a onda por sua vez

Quebra aos seus pés

Num vai e vem brincante

Não há o que temer

Na quebradeira

Ali também surge a melhor onda

Só nela

E o segredo...

É surfá-la

Para depois surfar a outra

A outra

E outra também...

Essa coisa de surfar cria músculo

Resistências tonificadas

Uma prancha

E um corpo manifesto

De frente pra onda

Surfistas sociais

Resistiremos

A pedra estava gelada

E o cão que quis meu colinho

Lembrou que estava fria a tarde

Um indo e vindo da vilinha

Pessoas da comunidade

Passam

Passam também os peixes

Fugindo do bico do pássaro

Que está na beira

À espreita de alimentar-se

- Corre Tom Zé

Olha a chuva!

 

Régis Moreira


Voltar


Comente sobre essa publicação...