Semana On

Terça-Feira 07.dez.2021

Ano X - Nº 470

Viver bem

Mau hálito: saiba quais são as principais causas e como evitar o incômodo

Consultar gastroenterologistas e dentistas é fundamental para investigar razão do problema, que costuma estar relacionado ao refluxo e a doenças dentais

Postado em 06 de Outubro de 2021 - Priscila Carvalho - Agência Einstein

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Incômodo e constrangedor, o mau hálito exige maior atenção quando se torna recorrente. Nesses casos, é fundamental procurar um especialista para investigar as razões do odor ruim na boca.

Entre as mais comuns estão as doenças gastrointestinais. “O refluxo é a principal afecção gastroenterológica causadora de halitose”, diz Renato de Araujo Pereira, gastroenterologista do Hospital Israelita Albert Einstein e diretor da clínica Gastroinclusive.

Isso acontece porque o ácido que deveria estar restrito ao estômago volta para o esôfago, causando uma inflamação no local que termina naquele odor forte.

Outro motivo comum é o aparecimento de divertículos, uma espécie de “bolsa” que pode se formar na parede do esôfago. Quando isso ocorre, parte do alimento fica preso no local e não segue para o estômago. “Ele acaba entrando em putrefação, o que provoca o mau hálito”, explica Pereira.

Problemas odontológicos pioram a halitose

Cáries, gengivite, periodontite e outros quadros do tipo também favorecem o mau hálito. Nesses casos, a melhor estratégia é visitar um dentista para lidar com essas questões, além de fazer uma boa higiene bucal. Limpar bem a língua com instrumentos apropriados é especialmente importante para conter o odor desagradável.

A boca seca também contribui para o cheiro ruim. Isso porque a saliva protege essa região — logo, sua carência leva a uma descamação. “Essas células que descamam podem se depositar sobre o dorso da língua, o que gera o mau cheiro”, reforça Mário Sérgio Giorgi, cirurgião-dentista e membro da Comissão de Halitose do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP).

Tratamento correto depende da causa

Antes de adotar qualquer intervenção, é importante investigar as possíveis razões da halitose. O primeiro passo é checar a saúde gastrointestinal e ver se não há distúrbios no esôfago e no estômago.

“No caso do refluxo gastroesofágico, o tratamento deve ser feito com medicações que aliviam o quadro”, afirma Pereira. Em paralelo, o paciente precisará seguir uma dieta balanceada e evitar certos alimentos, como carne vermelha, bebidas alcoólicas e itens repletos de corantes ou condimentos.

Após a consulta com um gastroenterologista, recomenda-se procurar um cirurgião-dentista para investigar e tratar os problemas relacionados à língua, à gengiva ou aos dentes.


Voltar


Comente sobre essa publicação...