Semana On

Domingo 17.out.2021

Ano X - Nº 463

Coluna

Um santo gay?

Grupos LGBT querem canonização do herói do 11 de setembro, padre franciscano Mychal Judge

Postado em 16 de Setembro de 2021 - Michael J. O'Loughlin - America

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Como um jovem irmão marista que ministrava em Nova York no final dos anos 1980, Salvatore Sapienza era voluntário em organizações seculares de apoio ao HIV e AIDS quando uma ilustração incomum nas últimas páginas de um semanário gay chamou sua atenção: uma representação de São Francisco de Assis, junto com um apelo para voluntários ajudarem com um novo ministério para pessoas que vivem com HIV e AIDS.

Quando ele chegou à residência dos franciscanos em Manhattan, onde o ministério tinha a sua sede, foi saudado por Mychal, OFM, vestido com seu hábito de frade marrom e sandálias. O jovem marista ficou imediatamente impressionado com a bondade do padre.

Aproximando-se do 20º aniversário da morte do Padre Judge - ele foi a primeira vítima registrada dos ataques terroristas de 11 de setembro em Nova York - Sapienza, que deixou os maristas em 1992, foi trabalhar ao lado do Padre Judge nos anos seguintes, enquanto o HIV e a AIDS devastavam a população gay da cidade.

“Quatro de nós trabalhávamos pastoralmente com pessoas com AIDS nos hospitais”, lembrou ele em uma entrevista à America. “Tínhamos um grupo de oração na quarta-feira à noite com pessoas com AIDS e seus cuidadores. Tínhamos, no armário ali, uma pequena despensa onde as pessoas com AIDS podiam ir buscar enlatados e produtos de higiene pessoal. ”

O Padre Judge talvez seja mais lembrado por seu serviço como capelão do Corpo de Bombeiros de Nova York, cargo que ocupou de 1992 até sua morte. Uma presença constante na comunidade de combate a incêndios, o Padre Judge também defendia os sem-teto e era um pároco conceituado.

“A maior parte de sua vida”, disse Christopher Keenan, OFM, outro franciscano, à revista New York em 2001, “ele viveu muito estressado por causa do que não conseguia responder - os momentos em que teve que dizer não”.

Por seu lado, Sapienza disse que conheceu o Padre Judge através do pequeno ministério da AIDS que o frade iniciou na sua residência.

O ministério franciscano de AIDS não foi o primeiro empreendido por católicos em Nova York. Pelo menos dois hospitais católicos, St. Vincent's e St. Clare's, cada um tinha enfermarias de AIDS que recebiam capelães voluntários. Um jovem padre jesuíta, William Hart McNichols, organizou missas de cura para pessoas com AIDS, e a organização católica de gays e lésbicas Dignity ajudou a conectar voluntários a pessoas que precisam de apoio. Mas o envolvimento do Padre Judge no ministério franciscano ajudou a chamar a atenção para a necessidade esmagadora e para a dor e a raiva que os nova-iorquinos gays sentiam em relação a alguns líderes da igreja.

“Naquela época, havia muitos conflitos entre a comunidade gay e a Igreja Católica”, lembra Sapienza. “Portanto, nosso trabalho era desafiador no sentido de que muitas vezes íamos a um quarto de hospital para visitar alguém com AIDS e seríamos convidados a sair.”

O envolvimento do Padre Judge no ministério franciscano ajudou a chamar a atenção para a necessidade esmagadora e para a dor e a raiva que os nova-iorquinos gays sentiam em relação a alguns líderes da igreja.

Mas o Padre Judge tinha uma maneira de ouvir, disse ele, que fazia as pessoas se sentirem amadas e respeitadas.

“Lembro-me de dizer a Mychal: 'O que faço quando entro lá e não sei o que dizer?'”, lembra Sapienza. “E ele dizia: 'Deus vai lhe dar as palavras para dizer. E se Deus não lhe der as palavras para dizer, então apenas esteja presente, apenas seja amor para essa pessoa.'”

Embora as demandas do tempo do Padre Judge fossem imensas, ele capacitou os voluntários mais jovens para assumir o ministério da AIDS.

“A primeira vez que liderei o grupo de quarta-feira à noite, fiquei muito nervoso, especialmente porque Mychal não estava lá”, disse Sapienza. “Sentávamos em círculo no escuro e havia uma vela no centro. Quando acendemos as luzes no final, lá estava Mychal, parado na porta. Ele não queria ser visto, mas estava lá. E isso significou muito”.

O Padre Judge esteve envolvido com o Dignity e ofereceu ao grupo um espaço para se reunir depois que eles foram exilados de paróquias católicas no final dos anos 1980. Ele se abriu sobre sua própria orientação sexual com outros católicos gays, incluindo aqueles que ajudaram no ministério da AIDS. Em 1993, o Padre Judge marchou na parada do orgulho gay da cidade. Embora a orientação sexual do Padre Judge não tenha se tornado mais amplamente conhecida até depois de sua morte, Sapienza disse acreditar que isso o ajudou a tomar medidas em relação ao HIV e à AIDS.

“Acho que o ministério da AIDS de certo modo surgiu por ele fazer parte da comunidade gay e amar a comunidade gay e realmente sentir que a igreja havia meio que abandonado a comunidade gay”, constata Sapienza.

Alguns argumentam veementemente que o Padre Judge deve ser declarado santo, e uma nova iniciativa para sua canonização será lançada nos próximos dias. Embora a ordem religiosa do Padre Judge não tenha abraçado essa causa, um padre baseado em Roma que ajuda o Vaticano a investigar possíveis candidatos à canonização está pedindo a seus apoiadores que não desistam do esforço.

Filho de imigrantes irlandeses, o Padre Judge cresceu no Brooklyn e, ainda na adolescência, decidiu entrar para a ordem religiosa franciscana e foi ordenado sacerdote em 1961. Ele lutou contra o alcoolismo com a ajuda de Alcoólicos Anônimos e desenvolveu uma paixão em trabalhar com comunidades marginalizadas.

Em 1986, depois de servir em localidades em todo o Nordeste, o Padre Judge tornou-se pároco na Igreja de São Francisco de Assis na cidade de Nova York.

Muitos de seus admiradores se animaram em 2017, quando o Papa Francisco proclamou um novo caminho para a santidade para aqueles que sacrificam suas vidas pelos outros.

Após esse anúncio, Luis Escalante, um padre que investigou possíveis casos de santidade para a Congregação para as Causas dos Santos do Vaticano, começou a receber testemunhos apoiando a canonização do Padre Judge.

Esses relatos retratam o Padre Judge como “o melhor ícone” da humanidade, disse o Padre Escalante à Associated Press por e-mail esta semana. Mas havia um obstáculo: os franciscanos - de quem se esperava que liderassem uma campanha de santidade em nome de alguém de sua ordem - se recusaram a fazê-lo em nome do Padre Judge.

“Estamos muito orgulhosos do legado de nosso irmão e compartilhamos sua história com muitas pessoas”, disse à AP por e-mail Kevin Mullen, OFM, líder da Província do Santo Nome dos Franciscanos, sediada em Nova York, “Deixamos isso para nossos irmãos nas gerações vindouras para indagar sobre a santidade.”

O Ministry New Ways anunciou que iniciaria um esforço mais formal para apoiar a causa de canonização do Padre Judge.

O Padre Escalante espera que seus apoiadores perseverem e formem uma organização viável que possa buscar a santidade nos próximos anos. Esse grupo teria a tarefa de construir um caso de que um milagre ocorreu por meio de orações ao Padre Judge.

“A decisão negativa dos Frades não pode ser vista como um impedimento para prosseguir com a causa do Padre Judge”, escreveu o Padre Escalante. “É apenas um desafio para o povo americano.”

O New Ways Ministry, um grupo de defesa que promove a inclusão de pessoas LGBT na Igreja Católica, anunciou em um comunicado à imprensa em 9 de setembro que iniciaria um esforço mais formal para apoiar a causa de canonização do Padre Judge.

“É chegado o momento da Igreja Católica reconhecer oficialmente o pe. Mychal Judge como um santo ao canonizá-lo”, escreveu Francis DeBernardo, o diretor executivo do grupo, em um ensaio que segundo a organização será publicado no dia 11 de setembro. Isso pode apoiar a causa do Padre Judge de modo mais formal.

“O trabalho de tal associação exigiria muitas mãos”, continuou o DeBernardo, “e seria mais apropriadamente realizado por uma coalizão de pessoas e grupos variados e diversos, cujas vidas pe. Judge tocou”.

Sapienza recordou uma visita à sua escola primária católica de infância no Queens, onde o Padre Judge fez apresentações aos alunos sobre o sofrimento causado pela AIDS e os encorajou a ajudar. Em resposta, os alunos criaram caixas de sapatos cheias de produtos de higiene que o ministério da AIDS distribuiu na residência franciscana. Tantas doações chegaram, de fato, que o Padre Judge e Sapienza tiveram que fazer outra viagem ao Queens para recolher todas elas.

“Isso sempre foi tão especial para mim que ele pensou na minha pequena paróquia onde cresci e fez dela parte do nosso ministério de AIDS”, ele lembrou.

Durante os próximos anos, Sapienza ficou cada vez mais desiludido com a posição da Igreja Católica sobre o tratamento de gays e frustrado quando os líderes católicos, incluindo o cardeal John O'Connor de Nova York, minaram as campanhas de saúde pública destinadas a retardar a propagação do HIV através da promoção de preservativos.

Ele finalmente decidiu deixar sua ordem religiosa - e pediu conselho ao Padre Judge.

Mychal era gay, e eu sou gay, e me senti realmente dividido entre a comunidade gay e a comunidade católica”, disse Sapienza. “Quando jovem, pensei que talvez pudesse ajudar a unir as duas comunidades”.

Ele logo decidiu que não seria capaz de cumprir esse objetivo e permaneceu admirado com a capacidade do Padre Judge de viver confortavelmente na igreja como um homem gay, respeitando seus votos de castidade.

Mychal, para seu crédito, realmente se manteve firme. E ele foi capaz de, tão lindamente, equilibrar sua espiritualidade e sua sexualidade. E, nesse sentido, ele foi uma grande inspiração para mim ”, disse ele.

Embora ele não seja mais católico, Sapienza disse que espera que a Igreja canonize o Padre Judge.

“Acho que seria muito poderoso para os gays de fé, especialmente os católicos gays, serem capazes de dizer: 'A igreja está canonizando essa pessoa com quem posso me relacionar'”, disse ele.

Mas independentemente da canonização avançar, disse ele, muitas pessoas já acreditam que o Padre Judge é um santo.

“Muitas pessoas já oram para Mychal”, disse ele. “As pessoas o veem como uma figura santa, embora ele não seja reconhecido [como tal] pela igreja.”


Voltar


Comente sobre essa publicação...