Semana On

Quarta-Feira 29.set.2021

Ano X - Nº 461

Viver bem

Sono com perturbações pode contribuir para o ganho de peso na menopausa

Pesquisa americana indica que não é só a diminuição de estrogênio que pode estar por trás das mudanças corporais nessa fase da vida

Postado em 07 de Setembro de 2021 - Galileu

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Ter boas noites de sono pode reduzir as chances de ganhar peso durante a menopausa, aponta uma nova pesquisa apresentada na ENDO 2021, conferência anual da organização médica americana Endocrine Society.

"Ajudar as mulheres a dormir melhor durante a menopausa pode reduzir as chances de ganho de peso; o que, por sua vez, diminuirá o risco de diabetes e de outras doenças relacionadas", apontou Leilah Grant, autora principal do novo estudo e pesquisadora do Brigham and Women's Hospital, dos Estados Unidos, em um comunicado.

Normalmente, o ganho de peso durante a menopausa é associado à redução da produção de estrogênio, hormônio que se relaciona com o ciclo menstrual. No entanto, de acordo com Grant, é improvável que esse seja o único fator que contribui para a mudança corporal: enquanto todas as mulheres param de produzir estrogênio na menopausa, apenas metade delas costuma engordar nessa fase da vida. Além disso, a pesquisadora destaca que metade das mulheres em menopausa relata perturbações do sono – e essa condição já foi associada a mudanças no metabolismo que contribuem para o ganho de peso.

No seu estudo, Grant e sua equipe acompanharam 21 mulheres saudáveis ​​na pré-menopausa. Eles utilisaram um modelo experimental que simula os distúrbios do sono comuns na menopausa para examinar os efeitos que essa falta de descanso teria na forma como o organismo usa a gordura do corpo.

Assim, os cientistas submeteram as participantes da pesquisa a duas noites de sono sem perturbações seguidas de três noites de sono interrompido. Neste segundo caso, as mulheres eram acordadas a cada 15 minutos por um alarme que soava durante dois minutos. Então, os pesquisadores estudaram um subgrupo de nove participantes que passaram pela mesma rotina de interrupção do sono, mas que foram medicadas com leuprolida, que suspende temporariamente a produção de estrogênio; dessa forma, elas teriam níveis do hormônio semelhantes aos da menopausa.

Após três noites de sono com perturbações, as participantes tiveram uma redução significativa na taxa de uso de gordura do corpo em comparação com a taxa obtida nas boas noites de sono. Os cientistas também perceberam que houve uma redução semelhante na utilização de gordura quando o estrogênio foi suprimido com a leuprolida, mesmo durante o sono normal.

A combinação de baixo estrogênio e distúrbios do sono também reduziu a utilização de gordura nas mulheres, mas o efeito não foi maior do que as taxas de cada um desses fatores isolados.

"Além da retirada do estrogênio, os distúrbios do sono diminuem a utilização da gordura", explicou Grant. "Isso pode aumentar a probabilidade de armazenamento de gordura e o subsequente ganho de peso durante a menopausa."


Voltar


Comente sobre essa publicação...