Semana On

Quarta-Feira 29.set.2021

Ano X - Nº 461

Mato Grosso do Sul

Em série de ataques, seguranças privados queimam casas Guarani Kaiowá em Dourados

Último ataque aconteceu na manhã do último dia 6, à luz do dia. Seguranças privados não se intimidaram com indígenas filmando ação e ameaçaram retornar à noite

Postado em 07 de Setembro de 2021 - Tiago Miotto - Cimi

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Desde a semana passada, pelo menos três casas do povo Guarani Kaiowá foram queimadas por seguranças privados de fazendeiros no tekoha Avae’te, em Dourados (MS). O ataque mais recente ocorreu no último dia 6, por volta das 11h da manhã, quando os seguranças atearam fogo à casa de uma família. Segundo relatos dos indígenas, os ataques na área são constantes e se intensificaram nos últimos dias.

Um vídeo gravado pelos Guarani Kaiowá na manhã de hoje mostra o momento exato em que os seguranças privados ateiam fogo à casa. Eles estavam em duas caminhonetes e, segundo os indígenas, antes de queimar a casa, haviam efetuado disparos de arma de fogo.

“Quando chegou ali, deram tiro. E aí a criançada saiu da casa e correu, e a mãe também, o marido e as três crianças. Por isso que ele aproveitou, chegou lá e queimaram”, relata a Guarani Kaiowá Kunha Redyi, também moradora do tekoha.

Com medo, a família e seus três filhos abandonaram a casa, que foi então queimada. No vídeo, é possível perceber que um dos seguranças caminha do automóvel branco até a casa coberta de sapé – material sagrado para os Guarani Kaiowá e altamente inflamável.

Enquanto isso, os homens da caminhonete preta dão cobertura – segundo os indígenas, esta seria a caminhonete do “atirador”. Sem demonstrar nenhum constrangimento pelo fato de estarem sendo filmados, eles impedem que os Guarani Kaiowá se aproximem da casa, que rapidamente arde em chamas. Antes de ir embora, contudo, garantem que retornarão à noite para destruir o resto das casas.

“Quando viram que a gente filmou, falaram assim: ‘vamos vir de noite, porque de noite não dá para tirar vídeo e nem foto, que é escuro. Vamos à noite mesmo, derrubar todas essas casas aí’”, relata a indígena, que testemunhou o ataque.

“Como que ela [moradora da casa queimada] vai dormir hoje, se ela não tem nada? Nem roupa das crianças, nem nada. A família perdeu tudo, comida, cobertas, tudo”, prossegue a indígena. “Queimaram tudo, tinha até cachorro chorando, gritava criança. Sorte que ninguém foi ferido. Ela salvou só a roupa que estava vestindo. Ficou sem nada”.

Desde a semana passada, esta já é a terceira casa queimada no tekoha Avae’te. Na terça-feira passada (31), outra casa foi queimada pelos seguranças no local; o ato de violência se repetiu também no sábado (4), quando uma segunda casa foi queimada.

Fogo e caveirão: violência constante

O tekoha Avae’te é uma das retomadas que ficam próximas aos atuais limites da reserva de Dourados, área reivindicada pelos indígenas como parte de seu território tradicional. As retomadas da região vivem um contexto de violência extrema e constante, com ataques quase diários de seguranças privados, que utilizam uma caixa d’água como “base” de operações no local.

Outra ferramenta característica da atuação dos fazendeiros no local é o uso de um trator blindado e modificado com chapas de metal, utilizado para atacar os indígenas e derrubar os barracos das retomadas – além de servir, segundo os relatos das lideranças, como plataforma de tiro contra os Guarani e Kaiowá. Por este motivo, o trator modificado foi apelidado pelos indígenas de “caveirão”.

Segundo o relato dos indígenas, o caveirão ainda continua atuando na região, e foi utilizado nos ataques contra o tekoha Avae’te, na semana passada. “O ‘caveirão’ ainda está rodando por aqui”, relata Kunha Rendyi.

Os ataques contra os indígenas no local são constantes e se intensificaram a partir de outubro de 2018. Na noite em que foi confirmada a vitória do atual presidente da República, no dia 28 daquele mês, 15 Guarani e Kaiowá foram feridos por disparos feitos com balas de borracha e de gude. Desde então, as ações violentas já deixaram inúmeros feridos por projéteis de borracha e armas de fogo, muitos com gravidade.

“É todo dia, né. O homem [que teve a casa queimada] já teve o braço direito ferido. Aí outro atiraram também na perna, não conseguiu mais movimentar. Com arma de borracha também foi ferida gente… eles não têm mesmo dó. Não é de agora que tem ameaça. Já vai fazer três anos que todos os dias eles vêm. Se não vêm de manhã, vêm de tarde. Por isso que a gente não fica no sossego”, afirma Kunha Rendyi.

Desde 2019, o Ministério Público Federal (MPF) investiga os conflitos no local, que envolvem também outras retomadas da área, como o tekoha Nhu Vera. Segundo o órgão, os processos tramitam sob sigilo de justiça.

A violência a que os indígenas estão submetidos na região está diretamente ligada ao contexto da reserva de Dourados, onde cerca de 20 mil indígenas vivem confinados em apenas 3,4 mil hectares. Além de reivindicar áreas no entorno da reserva como parte de seu território de ocupação tradicional, os indígenas denunciam a apropriação privada de partes da área da reserva, que passou por sucessivas reduções desde sua criação, no início do século XX.

A violência incide sobre os indígenas de forma intensa e contínua. Segundo Kunha Poty, moradora da casa que foi queimada, esta já é a terceira vez que sua casa é queimada pelos seguranças privados que atuam no local.

“Nós queremos e precisamos de ajuda para reconstruir a nossa casa. Até nos meus filhos já atiraram, não temos sossego. Nessa hora, nós nos juntamos e saímos correndo. Esses Karaí [não indígenas] nos perseguem. Não precisamos deles para ficar aqui. Queremos ficar fortes para nos juntar. Não vamos nos intimidar. Vamos reconstruir a nossa casa”, afirmou a indígena ao Cimi Regional Mato Grosso do Sul, em visita ao local, nesta segunda.


Voltar


Comente sobre essa publicação...