Semana On

Domingo 22.mai.2022

Ano X - Nº 488

Campo Grande

Prefeitura cria Comitê e inova com políticas públicas de acolhimento ao imigrante

Muitos imigrantes chegaram a Campo Grande e a grande maioria permanece à margem da sociedade, sem emprego, alimentação ou moradia

Postado em 03 de Setembro de 2021 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Nos últimos anos, muitos imigrantes chegaram em Campo Grande e, a grande maioria permanece à margem da sociedade, sem emprego, alimentação ou moradia.  Buscando tirar da marginalização essas pessoas e oportunizá-las para que busquem uma vida mais digna, a Prefeitura de Campo Grande instituiu o Comitê Interinstitucional Municipal de Promoção, Proteção e Apoio aos Estrangeiros e Refugiados, suas Famílias, Crianças e Adolescentes na Capital.

O Comitê tem por objetivo a criação de políticas públicas especialmente voltadas à população imigrante, o acompanhamento e controle social da implementação dessas políticas e, entre outros, a articulação, junto a órgãos públicos e privados, para o suporte e a manutenção dos mesmos, o apoio ao imigrante e a divulgação dos serviços disponíveis, mediante a criação de mais pontos de atendimento e informação para facilitar a sua chegada ao Município.

Segundo o secretário de Governo e Relações Institucionais, Antônio Lacerda, esses imigrantes e refugiados chegam ao país- alguns de forma ilegal- e encontram diversas dificuldades principalmente em ralação ao idioma e problemas socioeconômicos, o que os deixam à beira da marginalização. “A maioria desses imigrantes é da América Latina, muitos entram ilegalmente no país e não têm direito a saúde, educação e trabalho. Eles ficam pelas ruas e nossa intenção é ajudá-los a regularizar sua estadia aqui para que possam ser assistidos pelo poder público municipal”.

Lacerda explica ainda que várias secretarias e pastas estão envolvidas nesse trabalho de acolhimento aos migrantes e refugiados de outros países para que possam atender às suas necessidades de estadia no município. “Uma vez que eles já estejam regularizados, poderão ter acesso a serviços essenciais como saúde, educação e até mesmo emprego através da parceria com a Fundação Social do Trabalho (Funsat). Essa é uma forma que encontramos de garantir uma vida mais digna a essas pessoas”, finaliza o secretário.

Segundo dados levantados pela Secretaria Municipal de Assistência Social (SAS), passaram pelas Unidades de Acolhimento Institucional 3.227 de março do ano passado até agosto deste ano. 

Mais informações sobre o decreto n. 14.881 podem ser obtidas acessando a edição de hoje do Diogrande acessando o link.


Voltar


Comente sobre essa publicação...