Semana On

Sexta-Feira 20.mai.2022

Ano X - Nº 487

Mato Grosso do Sul

Taxa de contágio da covid se mantém abaixo de 0,90 há mais de um mês no MS

Governo do Estado anuncia fim do toque de recolher a partir de segunda

Postado em 21 de Agosto de 2021 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A taxa de contágio da Covid-19 se mantém estável, abaixo de 0,90, há mais de um mês no Mato Grosso do Sul. Os especialistas dizem que menor que 1,0 mostra tendência de estabilidade na transmissão, mas se passar este número significa que a pandemia está “sem controle” no Estado.

Com as medidas de restrição e aumento da vacinação os casos e mortes começaram a cair desde julho e isto refletiu na taxa de contágio. Segundo os dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), a queda da taxa começou na primeira quinzena de julho, com 0,96 no dia 9, depois 0,92 em 14 de julho e já no dia 15 do mesmo mês caiu para 0,85.

A partir da segunda quinzena de julho a taxa se manteve abaixo de 0,90 e permanece assim até o último boletim, divulgado no dia 20 de agosto, com 0,88. Isto significa que que de 100 pessoas contaminadas, elas transmitem a doença para outras 88.

Nos últimos 14 dias houve uma variação de 0,86 até 0,89. No dia 07 (agosto) estava em 0,86, nos dias seguintes ficou em 0,88, chegou a 0,89 no dia 15 e agora registrou 0,88. “Quando está acima de 1,00 mostra que a pandemia está sem controle, a redução da taxa, sempre é um dado positivo, porque mostra que está diminuindo a transmissão e circulação do vírus”, destacou a médica infectologista, Andyane Freitas Tetila.

Cenário positivo

Segundo os especialistas a queda dos casos, mortes, internações e taxa de contágio tem relação direta com o aumento da vacinação. O Estado já tem 91% da população adulta vacinada ao menos com a primeira dose ou dose única. A imunização completa neste público já ultrapassou 54%.

Já foram mais de 2,8 milhões de doses aplicadas no Estado, que continua liderando o ranking nacional na aplicação de vacinas, além de ser destaque tanto na transparência (divulgação dos dados), como na distribuição dos imunizantes, que chegam aos 79 municípios em menos de 12 horas.

A SES também requisitou ao Ministério da Saúde a necessidade de uma terceira dose de vacina em idosos a partir de 60 anos. O estudo realizado pela secretaria revelou que de fevereiro a maio deste ano, o grupo adquiriu imunidade contra o coronavírus, porém, após esse período houve aumento quanto ao número de casos e de óbitos para este público específico.

Toque de recolher

O presidente do Comitê Gestor do Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança na Economia), o secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel, anunciou que o toque de recolher dos estabelecimentos comerciais estará suspenso a partir do dia 23 de agosto.

A decisão foi informada durante a coletiva de imprensa, em formato híbrido, realizada no último dia 17, com a participação do Secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende.

Riedel explicou os fatores que levaram à decisão de suspender o horário de recolher. “Dois pontos foram decisivos, o primeiro é a diminuição na ocupação de leitos, resultado de todo esforço feito pelo Governo do Estado antes e durante a pandemia, no sentido de proteger o sistema de saúde e o segundo fator foi o avanço da cobertura vacinal”.

O presidente do Prosseguir reforçou que apesar da não limitação de horário, a limitação de ocupação dos estabelecimentos está associada ao mapa de grau de risco. “Vamos continuar monitorando. E reforçamos a todos que este importante passo exige de todos nós muita responsabilidade e comprometimento para que possamos avançar sempre”.

Geraldo Resende ressaltou a importância da vacinação no Estado e fez apelo para os mais jovens não deixarem de ir aos postos de imunização. “Podemos comemorar que hoje temos 20% dos casos que tínhamos em junto”.

O secretário falou da possibilidade de Mato Grosso do Sul encabeçar a terceira dose nos idosos e pediu a diminuição do intervalor entre as duas doses da vacina Pfizer. “Mato Grosso do Sul está pedindo que entre a primeira e segunda dose o intervalo diminua para 21 dias”.


Voltar


Comente sobre essa publicação...