Semana On

Sexta-Feira 03.dez.2021

Ano X - Nº 469

Mato Grosso do Sul

Fogo já consumiu mais de 21 mil hectares no Pantanal de MS entre junho e julho

Governo do Estado decretou situação de emergência por 180 dias

Postado em 16 de Julho de 2021 - José Câmara - G1 MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Corpo de Bombeiros informou que mais de 21 mil hectares já foram queimados no Pantanal de Mato Grosso do Sul entre junho e julho. Os dados divulgados são referentes a um recorte de 26 de junho até o último dia 13.

Conforme as informações, 76 militares dos bombeiros estão trabalhando em várias frentes de combate ao fogo no Pantanal e 30 brigadistas do PrevFogo também dão suporte na região.

Os bombeiros detalharam que as chamas estão concentradas em apenas dois locais do Pantanal de Mato Grosso do Sul, Nhecolândia e no Paiguás, duas regiões de difícil acesso.

Nhecolândia é um distrito de Corumbá (MS), onde os militares estão combatendo o fogo em solo e no ar. Já em Paiaguás, região mais distante de Corumbá e de difícil acesso, as chamas estão sendo contidas apenas por meio de aviões.

No último dia 13, o governo de Mato Grosso do Sul decretou situação de emergência em todo o estado devido à estiagem e incêndios florestais. As medidas foram publicadas no Diário Oficial desta e valem por 180 dias.

Para os decretos de situação de emergência, o governo levou em conta fatores que demonstram que a falta de chuva pode trazer graves consequências para o estado, entre elas a ocorrência de incêndios florestais. Entre eles estão:

  1. Quantidade de focos de calor registrados no estado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais: nos meses de junho e julho foram 3.693 focos, em 72 municípios;
  2. Nota conjunta do Sistema Nacional de Meteorologia (SNM), em 27 de maio com alerta de emergência hídrica até setembro de 2021;
  3. Nota técnica da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar que demonstra que o volume de chuvas em Mato Grosso do Sul, nos meses de julho, agosto e setembro, será de 40% a 50% abaixo do que é esperado para o período, podendo acarretar como principal impacto o aumento de incêndios naturais e criminosos;
  4. Índice Integrado de Seca (Índice Integrado de Seca) indica condições de seca moderada à extrema, no Pantanal e em grande parte de Mato Grosso do Sul.

Voltar


Comente sobre essa publicação...