Semana On

Quarta-Feira 29.set.2021

Ano X - Nº 461

Auau Miau

Cachorro pode ter diabetes? Especialista explica sinais de alerta para a doença

Sede excessiva e maior produção de urina estão entre os principais pontos de atenção da doença

Postado em 13 de Julho de 2021 - IG

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A diabetes, doença comum entre os seres humanos, também pode afetar os animais de estimação. As causas para a doença podem ser multifatoriais, segundo explica a médica-veterinária Jade Petronilho, a doença faz com que o organismo do animal diminua ou pare de produzir insulina suficiente para a regulação da glicose.

A veterinária explica que a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que auxilia a mover a glicose do sangue para as células do corpo, onde é utilizada para produzir energia.

Quais fatores podem contribuir com o aparecimento da doença?

Entre alguns dos motivos que podem contribuir com o surgimento da diabetes, estão causas genéticas, infecções ou medicamentos mal administrados. No entanto, dois dos principais motivos são a obesidade e a idade avançada.

Petronilho explica que a doença tem maior incidência em animais de meia idade e cães de porte pequeno, como as raças Poodle, Schnauzer e Beagle.

Entre os sinais mais comuns, estão sede excessiva, uma maior produção de urina, aumento de apetite e perda de peso. O tutor deve ficar atento e consultar o médico veterinário de confiança caso o pet demonstre alguns desses fatores.

Além disso, é importante estar atento caso formigas apareçam próximo ao local da urina do animal. Esse problema pode representar a deficiência na produção da insulina, que leva glicose para o corpo por meio do sangue. Com esse déficit, o organismo acaba concentrando glicose de forma elevada, que acaba sendo expelida em excesso pelo xixi.

Um sintoma mais grave que deve estar sob a atenção dos pais e mães de pet e requer atenção médica imediata, é a convulsão, que pode ser um sinal de hipoglicemia. "O diagnóstico pode ser feito por meio de exames de sangue e urina, para medir glicemia no cachorro e verificar a existência da doença", explica a especialista.

"Apesar de não ter cura, o tratamento se assemelha ao dos seres humanos, com doses diárias de insulina e também o manejo dietético adequado, indicados pelo médico veterinário", conta. Realizar atividades físicas com o pet também é essencial para o controle da glicemia.

Como prevenir? 

A alimentação é um dos fatores principais para a prevenção da diabetes. É crucial atender as necessidades nutricionais do animalzinho, respeitando o consumo adequado de proteínas.

Uma rotina de atividades físicas também é importante para a prevenção da doença, isso porque a prática auxilia no controle de glicose e gordura do animal.


Voltar


Comente sobre essa publicação...