Semana On

Terça-Feira 03.ago.2021

Ano IX - Nº 454

Campo Grande

Campo Grande tem redução de 80% em casos de dengue em relação ao ano passado

Até o final do mês passado, foram registrados 3.505 casos contra os 17.531 de janeiro a junho de 2020

Postado em 07 de Julho de 2021 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Quando comparados os seis primeiros meses deste ano e o mesmo período no ano anterior, Campo Grande teve uma redução de 80% nas notificações de dengue em 2021. Até o final do mês passado, foram registrados 3.505 casos contra os 17.531 de janeiro a junho de 2020.  

O mês que finalizou na semana passada também é o segundo com o menor número de notificações dos últimos três anos, ficando atrás apenas de outubro de 2020. O município passou por duas epidemias de dengue seguidas, algo até então não registrado.  

“Sempre observamos um ciclo onde havia um ano com uma grande epidemia, seguida de um ou dois anos com um registro significativamente menor de notificações, mas no ano passado ainda foram muitos casos novamente. Nosso maior medo era que, junto com a pandemia da Covid-19, tivéssemos que enfrentar um terceiro ano de epidemia de dengue”, conclui o secretário municipal de saúde, José Mauro Filho. 

Ações de combate ao Aedes aegypti 

Mesmo durante a pandemia, as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti não foram paralisadas no município de Campo Grande. Além do trabalho de rotina, onde há a visitação domiciliar dos agentes de endemias, diariamente os bairros com maior incidência de notificações recebem a borrifação de inseticida a Ultra Baixo Volume (UBV), conhecido popularmente como “Fumacê”. 

Dentre as ações de combate à dengue, também está a implantação do projeto Wolbachia, que iniciou a segunda fase de soltura dos mosquitos com a bactéria, que está presente em diversos insetos no meio ambiem, nesta semana. Mais dez bairros passam a receber os mosquitos Aedes aegypti com a bactéria, com objetivo de fazer o controle da dengue, Zika e chikungunya.


Voltar


Comente sobre essa publicação...