Semana On

Sábado 24.jul.2021

Ano IX - Nº 453

Entrevista

A pandemia traz problemas emocionais a todos, mas nem todos têm acesso a diagnóstico

Perda de entes para Covid, isolamento e perda de rendimentos são fatores que afetam a saúde mental. Para Celia Szwarcwald, o desafio é garantir tratamentos e estímulo à qualidade de vida

Postado em 06 de Julho de 2021 - João Vitor Santos – IHU

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Com o avanço da vacinação no Brasil, mesmo que ainda muito lento, algumas pessoas têm retomado sua rotina. Mas, tanto entre aqueles que ainda estão em casa, como os que já saem para trabalhar, e também aqueles que nunca puderam ficar em casa, há um consenso: ninguém está como antes. Isso porque todos parecem ter um sentimento de tristeza, um nó na garganta por tudo que viram e vivem nestes tempos. Muitas pesquisas já têm apontado e quantificado esses sentimentos na população, como a realizada pela Fiocruz, da qual participou a professora Celia Szwarcwald. Para ela, há múltiplos fatores para o entristecimento. “Em primeiro lugar, as incertezas sobre a doença, a perda e o medo de perder pessoas queridas pela Covid-19”, destaca, em entrevista concedida por e-mail ao Instituto Humanitas Unisinos - IHU.

Porém, há ainda outros fatores que têm impactado a saúde mental, como o isolamento e outros que ainda parecem perdurar. “Citamos as perdas de trabalho, emprego e rendimento familiar, o que trouxe, além dos problemas emocionais, questões relacionadas à insegurança sobre o sustento da família, incluindo a insegurança alimentar”, acrescenta.

Ou seja, significa que de um modo ou outro, essa tristeza e seus impactos na saúde mental tem atravessado as mais variadas classes sociais e pessoas das mais distintas idades. “Os adolescentes foram os que mais sofreram durante a pandemia. Com a falta da escola e as restrições dos espaços físicos para esportes coletivos, os adolescentes perderam as oportunidades de se socializarem com os amigos e professores”, exemplifica. Já entre os mais velhos, além da solidão, há casos em que membros da família têm de largar o trabalho em atenção aos idosos. “Familiares, filhos e netos acabaram se distanciando dos idosos, como medida de proteção, o que trouxe muita solidão e tristeza. Por outro lado, familiares tiveram que cuidar de idosos com dificuldades nas atividades de vida diária, com sobrecarga de trabalho nessas famílias e mudanças importantes na vida das pessoas”, acrescenta.

No entanto, se nesse ponto o impacto na saúde mental é horizontal e ataca a todos, os acessos a diagnósticos e tratamentos adequados revelam mais uma face das desigualdades no Brasil. Como aponta Celia, muitas pessoas nem conseguem perceber seu próprio adoecimento. “A manifestação dos problemas de saúde mental pode ocorrer de forma diferente entre as pessoas. Por exemplo, as mulheres relatam mais os problemas do que os homens, mas os homens reagem mais frequentemente com atitudes de irritabilidade, agressão e violência, mais difíceis de entender como problemas emocionais”, observa. Além disso, há um grande preconceito quando se fala em problemas de depressão e tristeza nos mais pobres, como se não tivessem motivos e direito de adoecerem. Por isso, além de enfrentar o preconceito, é preciso assegurar o acesso a atendimentos. “Pessoas de todos os estratos sociais relataram problemas emocionais durante a pandemia. O que ocorre é menos acesso ao diagnóstico de doenças mentais na população em desvantagem social”, resume.

Celia Landmann Szwarcwald é graduada em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio, mestra em Estatística e Matemática pela Universidade de Rochester, em Nova Iorque, Estados Unidos, e doutora em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz. Atualmente é pesquisadora titular do Laboratório de Informação e Saúde do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde - LIS/Icict e coordena a Pesquisa Nacional de Saúde. Atua na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: HIV/aids, mortalidade infantil e atenção básica.

 

Pesquisa realizada pelo Instituto de Comunicação e Informação Tecnológica em Saúde - Icict/Fiocruz e outras entidades, da qual a senhora participou, aponta que o sentimento frequente de tristeza e depressão atingiu 40% dos adultos brasileiros, e a sensação de ansiedade e nervosismo foi reportada por mais de 50% deles. O que mais tem contribuído para esse quadro?

Vários problemas simultaneamente. Em primeiro lugar, as incertezas sobre a doença, a perda e o medo de perder pessoas queridas pela Covid-19. Em segundo, as medidas rígidas de restrição social trouxeram o sentimento de solidão e, em consequência, sentimentos de tristeza e depressão pela falta de contatos com parentes, familiares, amigos e a comunidade em geral. Em terceiro lugar, citamos as perdas de trabalho, emprego e rendimento familiar, o que trouxe, além dos problemas emocionais, questões relacionadas à insegurança sobre o sustento da família, incluindo a insegurança alimentar.

Como esses sentimentos de tristeza, depressão e nervosismo impactam a vida das pessoas, desde o profissional até as relações pessoais?

Esses sentimentos impactam negativamente o trabalho, a saúde, a vontade de viver e podem ter consequências graves. A ajuda de um profissional de saúde é essencial para a superação dos problemas.

Que outros efeitos sobre a saúde mental das pessoas a pesquisa revelou?

Outro problema foi a piora na qualidade do sono, consequente aos sentimentos de ansiedade e nervosismo pelas incertezas trazidas pela pandemia.

Como os adolescentes têm reagido a esses efeitos da pandemia? Qual os danos desses efeitos especialmente nessa fase da vida?

Os adolescentes foram os que mais sofreram durante a pandemia. Com a falta da escola e as restrições dos espaços físicos para esportes coletivos, os adolescentes perderam as oportunidades de se socializarem com os amigos e professores. A socialização e as aulas passaram a ser pelas telas de computador, tablet ou celular.

E muitos dos adolescentes tiveram um tempo excessivo de telas, mais de seis horas por dia. Esse é um hábito sedentário que é muito prejudicial à saúde. Além disso, o fechamento dos clubes, parques e outras áreas de lazer fez com que os adolescentes deixassem de fazer esporte e atividade física, o que poderia trazer benefícios para o estado de ânimo e a saúde em geral.

E os idosos, como aparecem na pesquisa?

Os idosos relatam, predominantemente, o sentimento de solidão. A pandemia trouxe um certo afastamento dos idosos, uma vez que eles constituem o grupo de maior risco ao agravamento de Covid-19. Familiares, filhos e netos acabaram se distanciando dos idosos como medida de proteção, o que trouxe muita solidão e tristeza. Por outro lado, familiares tiveram que cuidar de idosos com dificuldades nas atividades de vida diária, com sobrecarga de trabalho nessas famílias e mudanças importantes na vida das pessoas.

Quem são as pessoas mais atingidas pelos efeitos psicológicos na pandemia?

Os adultos jovens foram os mais afetados, e as pessoas que tiveram perdas de trabalho, emprego e rendimento mostraram também mais problemas psicológicos.

A pesquisa também revela que pessoas mais pobres, que vivem os riscos da insegurança alimentar, perderam o rendimento e têm dificuldades para atender outras necessidades básicas da família, sofrem grande estresse. Como podemos mensurar os efeitos do empobrecimento da população na saúde mental?

Esses efeitos podem ser temporários e podem não ter consequências permanentes. Entretanto, não se sabe ainda, uma vez que problemas emocionais podem ter ocorrido em decorrência do empobrecimento, do luto por perdas familiares e sequelas da Covid-19, que podem ter efeitos duradouros.

Por exemplo, essa geração de crianças passou por problemas na infância que nós não passamos. Como será a superação das crianças? E para aquelas que são órfãs da Covid-19?

Fala-se que esses efeitos psicológicos representam uma outra onda da pandemia e que será sentida por muito tempo. A senhora concorda?

Não como uma onda, que cresce e diminui. A experiência e o sofrimento de cada um é superado aos poucos, desde que haja ânimo e motivação para superá-los. E nem sempre existe essa motivação.

No Brasil pandêmico, além do medo e da incerteza relacionados diretamente à doença, ainda vivenciamos um conturbado processo de vacinação, denúncias de corrupção, disputas políticas e polarização que chegam ao interior das famílias. Como esses ingredientes contribuem para o entristecimento da população?

Acho que os distúrbios e os desequilíbrios na condução da pandemia contribuem para a insegurança da população em saber o que é certo e o que é errado. Além disso, numa população que luta para manter o seu trabalho e sustento, é difícil ouvir as denúncias de corrupção.

Como andava a saúde mental dos brasileiros ainda antes da pandemia? Que fatores vinham contribuindo para o adoecimento?

Diferentemente de problemas de saúde física, a saúde mental precisa ser percebida. E aos poucos a percepção dos problemas de saúde mental tem aumentado na população brasileira. Segundo os dados da Pesquisa Nacional de Saúde, a prevalência de depressão cresceu de 3,9 para 5,1% entre os homens e de 10,9 para 14,7% entre as mulheres e, no total da população brasileira, de 7,6 para 10,2%.

  saúde mental ainda é vista com muitos preconceitos pelos setores públicos e privados. Um deles é o de que as pessoas mais pobres não sofrem desses problemas, como se não tivessem motivos ou o direito de sentirem estresse, depressão ou se entristecerem. Como essas pessoas têm manifestado esses distúrbios de saúde mental? E como romper com esse preconceito e encarar o problema?

Não concordo com a ideia de que os mais pobres não tenham sentimentos de depressão ou tristeza. De fato, pessoas de todos os estratos sociais relataram problemas emocionais durante a pandemia. O que ocorre é menos acesso ao diagnóstico de doenças mentais na população em desvantagem social.

Além disso, a manifestação dos problemas de saúde mental pode ocorrer de forma diferente entre as pessoas. Por exemplo, as mulheres relatam mais os problemas do que os homens, mas os homens reagem mais frequentemente com atitudes de irritabilidade, agressão e violência, mais difíceis de entender como problemas emocionais.

Como as pessoas podem, diante do atual cenário e ainda sob os efeitos da pandemia, fortalecer a saúde mental?

A prática regular de atividade física é um comportamento saudável e que pode ajudar muito a minimizar os problemas no estado de ânimo e a ter melhor qualidade do sono. Consultas de telemedicina ou presenciais com profissionais de saúde mental, obviamente, são necessárias para os problemas mais graves.

Deseja acrescentar algo?

Sim. Desejo passar uma mensagem à população brasileira para que façam todos os esforços para manterem os comportamentos saudáveis, com uma alimentação com frutas e legumes e poucos alimentos industrializados, fazer atividade física regularmente, não fumar e não consumir álcool em excesso, para superar os problemas decorrentes da pandemia e ter mais anos de vida saudável ao envelhecer.


Voltar


Comente sobre essa publicação...