Semana On

Quarta-Feira 16.jun.2021

Ano IX - Nº 447

Saúde

Brasil passa EUA em número de mortos da covid-19 por milhão de habitantes

Estados ‘bolsonaristas’ lideram mortes pela doença

Postado em 16 de Abril de 2021 - Leonardo Sakamoto (UOL), Sylvio Costa e Edson Sardinha (Congresso em Foco) - Edição Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro costumam apontar que os Estados Unidos estão à nossa frente em número de mortos por covid-19 por milhão de habitantes a fim de relativizar a gravidade da pandemia por aqui. Agora, o Brasil passou os EUA também nesse indicador.

De acordo com a Johns Hopkins University, que agrega dados globais sobre covid-19, o Brasil conta com 1.731,6 mortos/milhão, enquanto os EUA ostentam uma taxa de 1.722,2.

Temos mais de 365 mil mortes por covid-19 enquanto eles possuem mais de 565 mil. Contudo, o país governado por Joe Biden é muito maior em população, com mais de 328 milhões, enquanto somos mais de 211 milhões.

Nenhum país com mais de 70 milhões de habitantes e nenhuma nação da América Latina apresenta taxa tão alta quanto a do Brasil. Estão à nossa frente em mortos por milhão, na ordem: San Marino, Hungria, Bosnia e Herzegovina, Montenegro, Bulgária, Macedônia do Norte, Moldávia, Bélgica, Eslovênia, Itália e Reino Unido.

A Organização Mundial de Saúde também aponta o Brasil à frente dos EUA, com 1.702,5/milhão e 1.688,8/milhão, respectivamente, mas os dados da Johns Hopkins estão mais atualizados.

O Brasil também ostenta a maior média diária de mortes por covid-19.

Caso o nosso país não adote mudanças na forma com a qual vem encarando a covid, podemos ultrapassar os EUA também em número total de mortes, mesmo com a grande diferença populacional.

No pior cenário projetado pelo Instituto de Métricas de Saúde e Avaliação (IHME) da Universidade de Washington, podemos chegar a 653,8 mil mortes no dia 1º de agosto.

Isso se refere a uma situação em que os vacinados deixem de usar máscaras e voltem a adotar o mesmo nível de deslocamento que antes da covid - o imunizante te protege de desenvolver a doença, não de transmitir o coronavírus. Para os Estados Unidos, o instituto projeta 697,5 mil mortos em 1º de agosto no pior cenário.

Considerando que a pandemia vai durar mais tempo por aqui (os EUA registram 38% da população que receberam, pelo menos, uma dose de vacina, enquanto somos 12% na mesma situação), podemos atingir o primeiro lugar nesse triste pódio após as Olimpíadas.

Mais bolsonarismo, mais mortes

Estudo feito pelo site Congresso em Foco mostra que os estados que mais votaram em Jair Bolsonaro no primeiro turno das eleições presidenciais de 2018 são hoje os que apresentam as maiores taxas de mortalidade por covid-19.

Bolsonaro foi o mais votado naquele pleito nos 12 estados que lideram as estatísticas oficiais de óbitos do Ministério da Saúde, considerando o total de mortes por 100 mil registradas até o último dia 6 de abril. A lista é encabeçada por Amazonas, Rondônia e Mato Grosso. 

A situação se repete em relação às unidades federativas com os menores coeficientes. O atual presidente perdeu a eleição em sete dos oito estados com os menores índices de mortes. Nesse caso, a liderança é dos estados do Maranhão, da Bahia e de Alagoas.   

O trabalho foi realizado pelos cientistas políticos e economistas Ricardo de João Braga e André Rehbein Sahtler.

Veja a relação entre votos nas eleições presidenciais de 2018, considerando os dados atualizados disponíveis no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e incidência de óbitos por covid-19:

Como demonstra a tabela, as 12 unidades federativas mais afetadas pela pandemia têm uma única característica geográfica comum. Nenhuma delas é do Nordeste, onde Fernando Haddad (PT) venceu no primeiro turno em oito dos nove estados e Ciro Gomes (PDT) foi o mais votado no Ceará. Entre os 12, há dois estados do Sul (Rio Grande do Sul e Santa Catarina), todos os quatro do Centro-Oeste (Mato Grosso, Distrito Federal, Goiás e Mato Grosso do Sul), três do Sudeste (Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo) e três do Norte (Amazonas, Rondônia e Roraima).

Portanto, a relação inclui desde regiões reconhecidamente mais bem servidas em termos de estrutura de saúde – como é o caso do Sudeste e do Sul – até áreas em que essas condições estruturais básicas estão ausentes (em especial, no Norte do país). Ela também não se distingue em termos econômicos ou populacionais. Abrange estados com grandes e pequenas populações, ricos ou não e de diferentes patamares sócio-educacionais.   

Fora o voto para presidente em 2018, somente um fator distingue os estados mais afetados até aqui pela pandemia: em apenas um deles, o Espírito Santo, o governador eleito (Renato Casagrande, do PSB) foi adversário de Bolsonaro naquele pleito. E, mesmo hoje, somente três dos 12 governadores são da oposição: além de Casagrande, apenas os tucanos João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS).

Ricardo Braga, um dos autores do estudo, aponta: “Onde Bolsonaro foi mais votado, foram eleitos em geral governadores que pensam e agem de forma mais parecida com ele, inclusive em relação à pandemia, e isso obviamente tem impacto nas políticas que esses estados seguiram”.

Mas ele acredita que o impacto maior se deu no comportamento de eleitores de Bolsonaro. Por acreditarem no presidente, eles se tornaram mais vulneráveis às atitudes que Jair Bolsonaro adotou ou estimulou, como a minimização dos riscos trazidos pelo vírus Sars-CoV-2, causador da covid-19; o não uso de máscaras; a oposição às vacinas; o incentivo a aglomerações; a permanente campanha contra o distanciamento social e outras normas sanitárias preconizadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS)a defesa de um suposto “tratamento precoce” que, além de  ineficaz, pode matar. “Os bolsonaristas talvez não tenham ainda percebido, mas estão entre as maiores vítimas do bolsonarismo”, completa Ricardo.

“Infectados” por informação de baixa qualidade, que circula nas poderosas redes de comunicação a serviço do presidente da República, tais eleitores são, ao mesmo tempo, agentes e vítimas do chamado “negacionismo”, isto é, o ato de se negar a reconhecer uma realidade plenamente demonstrada pelos fatos, pela história ou pela ciência.

No estudo, Ricardo Braga e André Sathler fazem ainda uma estimativa do total de mortes provocadas pelo negacionismo bolsonarista: pelo menos 46,3 mil óbitos, conforme os cálculos mais conservadores.


Voltar


Comente sobre essa publicação...