Semana On

Segunda-Feira 29.nov.2021

Ano X - Nº 469

Coluna

Projeto de irrigação na cultura da soja alcança altas produtividades

Zoneamento indica 15 de outubro como a data ideal para soja

Postado em 14 de Abril de 2021 - Vitória Fátima - UFMS

Foto: Sindicato Rural de Bela Vista Foto: Sindicato Rural de Bela Vista

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Para avaliar o desenvolvimento da soja plantada em diferentes épocas durante a safra 2020/2021 sob sistema de cultivo irrigado, o professor Ricardo Gava, da UFMS, desenvolveu um projeto de pesquisa desenvolvido no Campus de Chapadão do Sul (CPCS).

“Tendo em vista que a fonte de renda e empregos de nossa região é a agropecuária e a soja tem grande papel, e que o principal fator de quebras de safras é o clima, com instabilidade das chuvas, elaboramos um estudo com diferentes datas de plantio”, explica Gava.

Realizado em parceria com o Grupo de Pesquisa em Viabilidade Econômica de Irrigação, a empresa Desafios Agro e o Instituto de Pesquisa e Inovação na Agricultura Irrigada (Inovagri), os dados observados são positivos. Os resultados obtidos com a soja plantada antecipadamente, em 23 de setembro de 2020, alcançaram produtividade média de 92,4 sacas por hectare (sc/ha), valor superior aos obtidos normalmente na região, que ficam em torno de 84 sc/ha.

“As chuvas costumam se regularizar na segunda quinzena de outubro. Porém, quanto mais cedo planta-se a soja, mais segurança temos para a safrinha, seja ela de milho ou algodão. As chuvas param em abril/maio. O vazio sanitário para soja em nossa região acaba em 15 de setembro e os produtores muitas vezes só não iniciam o plantio nessa data por causa das chuvas, mas se você tem irrigação, pode começar sem medo”, afirma o professor.

Segundo ele, o zoneamento indica 15 de outubro como a data ideal para soja, “mas pensando-se em um sistema de produção safra/safrinha, poder antecipar o início da safra é muito interessante”, opina.

Com a participação de estudantes da graduação e da pós-graduação em Agronomia da UFMS e de doutorado da Unesp, o projeto foi realizado pela primeira vez nessa safra, mas, conforme o indica o professor, a pesquisa terá continuidade na safrinha e nas safras seguintes.



Voltar


Comente sobre essa publicação...