Semana On

Terça-Feira 03.ago.2021

Ano IX - Nº 454

Mato Grosso do Sul

Em MS, mais de 24 mil pessoas não foram tomar a 2ª dose da vacina contra Covid

45% das mortes por doenças que ocorreram em março de 2021 foram por Covid no estado

Postado em 14 de Abril de 2021 - José Câmara - G1 MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em Mato Grosso do Sul, 24.789 pessoal não foram receber a segunda dose da vacina contra a Covid-19, segundo o levantamento do Ministério da Saúde. Os dados mostram que são apenas indivíduos vacinados com a CoronaVac, produzia pela Instituo Butantan.

O Ministério da Saúde faz o alerta, para que aquelas pessoas que não foram tomar o reforço do imunizante, procurem a segunda parcela o quanto antes. Em Mato Grosso do Sul, a secretaria estadual de Saúde (Ses) está preconizando a janela entre as doses de 28 dias para a CoronaVac.

Em Campo Grande, 1.273 pessoas não compareceram para receber a segunda dose dentro do prazo de 28 dias, o que representa 2,4% das 52.029 pessoas com vacinação programada do dia 16 de fevereiro ao dia 13 de abril.

A prefeitura de Campo Grande informou que está realizando busca ativa pelas unidades de saúde para mobilizar as pessoas que "abandonaram a vacianção".

No estado, de acordo com o Sistema Mais Saúde, plataforma estadual que mostra o cenário da pandemia e o número de vacinados contra Covid-19, diz que 545.236 doses foram aplicadas, sendo 398.242 da primeira parcela, e 146.994 com a segunda dose.

Mortes

Março de 2021 pode ser visto como o pior mês da pandemia em Mato Grosso do Sul. Ao todo foram registrados 2.252 mortes no estado nos 31 dias de março, sendo 1012 por Covid-19, o que representa 45% do total de óbitos por doenças, de acordo com os cartórios de registros civis.

O número de óbitos por Covid-19, que em agosto de 2020, chegou a representar 27,1% das mortes por causas naturais em Mato Grosso do Sul. O dado voltou a crescer em dezembro, representando 32,6% dos óbitos por doenças, oscilando levemente no mês de janeiro (31,9%).

Ao atingir 45% das mortes por doenças em Mato Grosso do Sul, a Covid-19 quase dobra seu impacto em relação ao mês de agosto de 2020, momento crítica da pandemia em 2020.

A associação nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) é que compila os dados, o presidente da Arpen/MS, Marcus Vinícius Machado Roza, disse que os dados "são tristes", e que a divulgação deles comprovam a transparência no processo.

"São tristes os resultados dos dados registrados pelos Cartórios, em especial no nosso Estado de Mato Grosso do Sul, mas precisam ser divulgados em nome da transparência e responsabilidade. Que estes números possam colaborar junto ao reforço e adoção de medidas de combate ao vírus, visando diminuir a taxa de letalidade desta doença", disse Roza.

O que esperar daqui para frente?

O epidemiologista e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz, Diego Xavier, aponta um cenário ainda mais crítico para o mês de abril em Mato Grosso do Sul. "Se as medidas estão sendo abrandas e não estão levando em conta os indicadores do vírus, tudo aquilo que foi feito será jogado no lixo, vai se perder".

Xavier frisa que o sistema de Saúde de Mato Grosso do Sul está em colapso, e ter pessoas aguardando por leitos em filas, é um dos principais indicativos. O pesquisador explica que se as filas à espera de leitos continuar, o número de infectados e mortes pela Covid-19 forem crescentes, "abril será muito pior que março".


Voltar


Comente sobre essa publicação...