Semana On

Quinta-Feira 24.jun.2021

Ano IX - Nº 448

Coluna

Política e vida sexual se misturam?

Raphael Tsavkko Garcia fala disso e de mais algumas coisinhas

Postado em 31 de Março de 2021 - Raphael Tsavkko Garcia

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Hoje, no Brasil, a política está influenciando a vida sexual das pessoas em meio à polarização política que divide o país. A principal divisão é entre os partidários da esquerda, o ex-presidente Lula, do PT, e o atual presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro.

E essa polarização é observada claramente em apps como o Tinder e na forma pela qual as pessoas tem escolhido parceiros.

Conversei com o Pablo Ortellado, um dos autores da pesquisa sobre Tinder e polarização política (levada a cabo pelo Monitor do debate político no meio digital), e com os psicólogos Marcelo Checchia e Mariana Braga sobre a questão: Problemas, causas, consequências, etc. Para o STG.

Leia aqui.

DROGAS

Meu mais recente texto para a Filter Magazine sobre o debate atual sobre legalização / descriminalização da maconha no Brasil e um novo livro sobre o tema que vale a pena ler. Apesar do progresso global, a descriminalização e legalização da maconha para uso adulto no Brasil ainda está longe no horizonte. Até o acesso à maconha medicinal continua a ser combatido - o Brasil suspendeu recentemente a autorização farmacêutica da Abrace, uma das poucas vias legais para a obtenção de maconha medicinal no país. Para dar aos brasileiros um quadro mais completo e preciso do uso da maconha, as terapeutas clínicas Maria de Lourdes Zemel e Luciana Saddi compilaram a antologia recém-publicada “Maconha: Os Diversos Aspectos, da História ao Uso”. A coleção de artigos abrange tópicos que incluem história, vício, batalhas de legalização e funções espirituais e ritualísticas. Também desmascara a falsa alegação de que a maconha é uma porta de entrada para outras drogas.

CENSURA NA AMAZON

O cartunista Adao Iturrusgarai vem sofrendo censura da Amazon que se recusa a permitir que ele venda seus livros publicados pela plataforma de auto-publicação KDP. Os cartuns são considerados "pornográficos".

Ao longo dos anos outros autores tem passado por situações semelhantes, tendo seus livros retirados sem explicação (ou com explicações esdrúxulas e sem sentido) das prateleiras virtuais da Amazon que, sendo um virtual monopólio, traz um debate importante sobre liberdade de expressão e censura.

Meu para a The Bookseller magazine: "Not having a book on Amazon’s virtual shelves is close to never having been published. Even with such power on its hands, the company does not hesitate to censor works it considers unsuitable for its readers, without disclosing the rationale or asking those readers what they think. As the retail giant continues to grow towards a virtual monopoly, this becomes an issue that simply cannot be ignored.

This is not a new behaviour, however. It has been a pattern at the retail giant for many years."

AQUI.


Voltar


Comente sobre essa publicação...