Semana On

Terça-Feira 07.dez.2021

Ano X - Nº 470

Viver bem

Beber muito na adolescência modifica o cerebelo no início da vida adulta

Novo estudo aponta que adultos com histórico de consumir álcool em excesso podem apresentar mudanças nas áreas do cérebro que são associadas às funções motoras e cognitivas

Postado em 23 de Março de 2021 - Galileu

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O consumo excessivo de álcool ao longo da adolescência está associado a mudanças no cerebelo no início da vida adulta, de acordo com um novo estudo da Universidade da Finlândia Oriental e do Hospital Universitário Kuopio. A descoberta foi publicada no jornal acadêmico Alcohol

Pesquisas anteriores já haviam demonstrado que as bebidas alcóolicas poderiam causar danos nessa região do cérebro, que é responsável pelo equílibrio corporal e é essencial para os movimentos involuntários e para a aprendizagem motora. No entanto, a maior parte desses estudos focou apenas na fase adulta.

Assim, os cientistas dos centros de pesquisa finlandeses decidiram acompanhar 58 adolescentes ao longo de uma década para analisar como o hábito de exagerar na bebida poderia afetar o cerebelo. Esses indivíduos foram divididos em dois grupos: 33 que consumiam álcool em excesso e 25 que não bebiam ou que só faziam isso raramente.

Quando os participantes da pesquisa tinham entre 21 e 28 anos, eles foram submetidos a ressonâncias magnéticas. Então, os cientistas perceberam que, apesar de todos os indivíduos terem capacidade cognitiva normal e de nenhum deles preencher os critérios de um diagnóstico de transtorno de uso de álcool, aqueles que tinham um histórico de beber exageradamente apresentavam mudanças no volume dos lóbulos posteriores do cerebelo quando comparados aos participantes que consumiam pouco ou nenhum álcool.

"Essas áreas do cérebro estão associadas às funções motoras e cognitivas", explicou Virve Kekkonen, especialista em Psiquiatria Adolescente e principal autora do estudo, em comunicado. "No entanto, mais pesquisas são necessárias para avaliar o significado e as implicações dessas descobertas."


Voltar


Comente sobre essa publicação...