Semana On

Terça-Feira 15.jun.2021

Ano IX - Nº 447

Poder

Eleições 2022: quatro empatam na disputa para ir ao 2º turno com Bolsonaro

Aprovação do presidente cai, segundo pesquisas do IPEC e da Paraná: evangélicos mantém base de apoio

Postado em 05 de Março de 2021 - Veja, Bernardo Mello (O Globo) – Edição Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Levantamento feito pelo instituto Paraná Pesquisas entre os dias 25 de fevereiro e 1º de março mostra que está acirrada a disputa para ver quem vai enfrentar Jair Bolsonaro em um eventual segundo turno na disputa pelo Palácio do Planalto no próximo ano – o presidente lidera em todos os cinco cenários pesquisados, sempre com mais de 30% das intenções de voto.

No primeiro cenário pesquisado, Bolsonaro tem 31,9% das intenções de voto, seguido pelo seu ex-ministro Sergio Moro (11,5%); pelo ex-prefeito Fernando Haddad, do PT (10,5%); pelo ex-governador Ciro Gomes, do PDT (10%); e pelo apresentador de TV Luciano Huck (8%). Todos estão empatados dentro da margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Neste cenário, Huck também está empatado tecnicamente com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que tem 5,3%. O tucano, por sua vez, está na mesma situação em relação a Guilherme Boulos, do PSOL (3,2%), e João Amoêdo, do Novo (2,8%).

Dos nomes que estão embolados na segunda vaga, Haddad e Ciro já se apresentam como candidatos, o que aponta para um cenário parecido com o da eleição de 2018, quando ambos chegaram logo atrás de Bolsonaro no primeiro turno – o petista foi ao segundo turno, mas acabou derrotado.

Huck, por sua vez, nunca mostrou tanta vontade de ser candidato – e a pressão pelo seu nome entre cresceu entre o empresariado após o arroubo intervencionista de Bolsonaro na Petrobras –, mas ele ainda não tem partido, não disse oficialmente que vai para a disputa e tem que decidir até a metade do ano se renova ou não com a TV Globo para ser o substituto de Faustão, como mostra reportagem publicada na edição desta semana de VEJA.

O ex-juiz Sergio Moro vive situação parecida com a de Huck – sem partido e sem qualquer confirmação de que será candidato –, mas o seu nome continua sendo especulado como um adversário com potencial para derrotar Bolsonaro.

Já Doria, que tentou alavancar a sua candidatura se contrapondo a Bolsonaro no combate à pandemia e liderando os esforços para produzir a CoronaVac no Brasil, não conseguiu avançar nas intenções de voto e já sofre a concorrência interna de Eduardo Leite, tucano que governa o Rio Grande do Sul.

Veja abaixo cenários sem o nome de Moro, sem o nome de Huck, com Lula no lugar de Haddad – para ser candidato, o ex-presidente precisa ainda reverter condenação na Justiça – e com Eduardo Leite no lugar de Doria.

A pesquisa foi feita por telefone com 2.080 eleitores de 196 municípios dos 26 estados e do Distrito Federal.

46,3% aprovam o governo Bolsonaro e 49% desaprovam

O país está dividido em relação ao governo Jair Bolsonaro, que tem a aprovação de 46,3% da população, mas é reprovado por 49%, segundo o instituto Paraná Pesquisas.

A avaliação tem uma oscilação negativa em relação a janeiro (quando 47,2% aprovavam e 48,5% rejeitavam) e a dezembro de 2020, quando mais da metade dos entrevistados aprovava o governo (50,2%) contra 45,3% que o reprovava.

As maiores aprovações a Bolsonaro vêm dos homens (55,1%), dos moradores das regiões Sul (54,1%) e Norte/Centro-Oeste (50,1%) e daqueles que têm entre 35 e 44 anos (49,7%).

Já as maiores reprovações vêm das mulheres (56,1%), dos jovens de 16 a 24 anos (56,4%), dos moradores do Nordeste (55,6%) e daqueles que têm ensino superior completo (50,9%).

Quando a pergunta é sobre como o entrevistado avalia a gestão, Bolsonaro consegue o que vem conseguindo desde o início do seu governo, em janeiro de 2019, mesmo em momentos de crise: a aprovação de ao menos um terço do eleitorado: agora, em fevereiro, 34% consideram a sua gestão ótima ou boa.

Outros 40,6%, no entanto, a avaliam como ruim ou péssima, enquanto 23,7% a consideram regular. O percentual daqueles que afirmam considerar regular a gestão vem caindo ao longo dos meses: era de 27,3% em maio de 2020 – e migrando para quem considera o governo ruim ou péssimo.

Aprovação abaixo de 30% e evangélicos como principal base

No pior momento da pandemia e ainda sem a retomada do pagamento do auxílio emergencial, a aprovação do presidente Jair Bolsonaro aparece abaixo do patamar de 30% da população, segundo pesquisa do IPEC (Inteligência, Pesquisa e Consultoria). O levantamento, realizado entre 18 e 23 de fevereiro, aponta que 28% dos entrevistados consideram a gestão Bolsonaro ótima ou boa, enquanto 39% avaliam como ruim ou péssima. Segundo os dados do IPEC, o eleitorado evangélico é a principal base de apoio a Bolsonaro, que tem avaliação positiva de 38% neste segmento. A margem de erro é de dois pontos.

Em levantamentos de institutos como Datafolha e Ibope em 2020, o nível de aprovação geral do governo Bolsonaro quase sempre ultrapassava um terço da população. Em dezembro, apesar do aumento de mortes em decorrência da Covid-19 após as eleições municipais, o presidente manteve 37% de aprovação. Já no fim de janeiro, primeiro mês após o fim do pagamento das parcelas de R$ 300 do auxílio emergencial, o Datafolha apontou queda nas avaliações positivas, com 31% considerando o governo ótimo ou bom, e rejeição na casa de 40%. A retomada do auxílio, agora em quatro parcelas de R$ 250 cada, faz parte da PEC Emergencial no Senado.

O IPEC, instituto formado por executivos que deixaram o Ibope após o encerramento das atividades com pesquisas de opinião pública, aponta ainda neste levantamento que, para 87% dos brasileiros, há alguma expectativa de pagamento do auxílio emergencial “até a situação econômica voltar ao normal” — o que pressupõe um prazo maior do que os quatro meses do planejamento do governo federal. Segundo a pesquisa, 72% concordam totalmente com esta visão; 15% concordam em parte.

91% do nordeste

O maior clamor por uma disponibilização prolongada do auxílio vem do Nordeste, onde 91% concordam total ou parcialmente que o benefício deve ser pago até que o cenário econômico esteja em normalidade. As regiões Norte/Centro-Oeste e Sudeste aparecem com 87% de concordância parcial ou total neste item, enquanto o Sul tem 80%.

No recorte por renda, 93% dos que têm renda mensal de até um salário mínimo — parcela da população à qual o benefício é majoritariamente destinado — concordam, ao menos de forma parcial, que o auxílio deve durar até uma normalidade econômica. Ontem, a divulgação do PIB de 2020 pelo IBGE apontou que o país não se recuperou do impacto da pandemia da Covid-19, fechando o ano com um rombo de 4,1%. Na última semana, Bolsonaro afirmou que o benefício “custa caro” e representa “um endividamento enorme”, ao justificar que a União não poderia pagar o auxílio indefinidamente.

Para a cientista política Luciana Veiga, professora da Unirio, o cenário atual de baixa aprovação, na medida em que traz preocupações para Bolsonaro em seu projeto de reeleição em 2022, pode estimular o presidente a tentar um prolongamento do benefício, contrariando suas próprias declarações e as projeções da área econômica, comandada pelo ministro Paulo Guedes. A especialista observa que, segundo a pesquisa do IPEC, nos estratos de menor remuneração e no Nordeste a avaliação do governo como regular fica acima da média nacional.

“O que Bolsonaro faz com o auxílio não é conquistar eleitores que não gostam dele, mas sim trazer o que está nesse bloco do regular. É um eleitor muito prático, menos apegado a questões ideológicas, e que pode oscilar a depender do impacto do governo federal em sua vida. É aí que entra o auxílio. Por outro lado, este eleitor também é mais pressionado pelo cenário da Saúde, já que depende da rede pública”, avaliou Veiga.

A CEO do IPEC, Márcia Cavalari, afirma que a análise dos resultados deve levar em consideração o contexto à época da realização das pesquisas. O levantamento do IPEC, que ouviu 2.002 pessoas presencialmente em 143 municípios, ocorreu nos dias que se seguiram à primeira ameaça de Bolsonaro de trocar o comando da Petrobras por insatisfação com aumentos nos preços de combustíveis, o que gerou reação negativa do mercado, com forte queda no valor das ações da empresa. O anúncio da demissão de Roberto Castelo Branco da presidência da petroleira ocorreu no dia 19, durante a realização da pesquisa.

“Esta é uma das possíveis hipóteses para que a rejeição ao governo seja mais alta entre os eleitores com maior remuneração do que entre os mais pobres. Para o segmento de menor renda, a troca pode não ter soado tão ruim, por conta do discurso de baratear o combustível”, afirmou Márcia.

Entre os eleitores que declaram renda mensal superior a cinco salários mínimos, 47% disseram considerar o governo ruim ou péssimo, enquanto 24% consideram ótimo ou bom. Entre os mais pobres, com renda de até um salário mínimo, o nível de aprovação é semelhante (26%), mas o percentual dos que rejeitam o governo é bem menor: 38%.

Acenos conservadores

A parcela evangélica do eleitorado apresenta, na pesquisa do IPEC, um desenho inverso em relação à avaliação geral do governo. Neste segmento, é o percentual de avaliações como ótimo ou bom que se aproxima da faixa de 40% dos entrevistados — e não a rejeição, como ocorre no recorte mais amplo da pesquisa. Entre os evangélicos, 27% consideram o governo ruim ou péssimo. É a menor taxa de rejeição registrada em todo o levantamento.

Para a cientista política Luciana Veiga, a situação se explica pelo fato de Bolsonaro se manter “sem inconsistências” na defesa da chamada pauta de costumes ao longo do mandato — o que difere, segundo a especialista, do comportamento oscilante em outras bandeiras, como a agenda econômica liberal e a pauta anticorrupção. Nos dois primeiros anos de governo, Bolsonaro procurou fazer acenos recorrentes a lideranças evangélicas que atuam em igrejas espalhadas pelo país, e que já o haviam apoiado durante as eleições de 2018. O presidente tem prometido que indicará um evangélico para a próxima vaga que se abrirá no Supremo Tribunal Federal (STF), em julho, com a aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello.


Voltar


Comente sobre essa publicação...