Semana On

Quarta-Feira 25.mai.2022

Ano X - Nº 488

Coluna

“Ganharás o pão com o suor do teu rosto” (Deus: Gênesis 3:19)

“As pessoas costumam criticar as circunstâncias por aquilo que não lhes agrada em suas vidas, em si próprias. Não acredito nisso; acredito que quem se dá bem na vida é quem vai em busca das circunstâncias, e quando não as encontram, criam-nas” (George Bernard Shawn).

Postado em 09 de Janeiro de 2014 - Jorge Ostemberg

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Na palavra “empreendimento”, ao se verificar a história completa do homem, encontra-se não uma condição inédita deste, ou uma escolha, mas sim indesviável condição propriamente humana, em cuja base está primariamente a sobrevivência de cada um e dos seus, daqueles que estão sob sua natural responsabilidade.

Sobre a frase divina, do Gênese, no Códice Cristão, levando-se em consideração uma tradução atual, simples e direta, na realidade, ironicamente, restou na representação do trabalho como castigo divino, a palavra “ganhar”, na determinação divino judaica cristã, o que evidencia a afirmação da continuação ainda de um elo de concessão, o que diferente fosse, talvez, nos chegasse a palavra “conquistarás”, ou o termo “lutaras pelo...”. Ou seja, as coisas poderiam ser mais difíceis ainda.

Embora se possa discordar do trabalho como resultado de um castigo moral de grande proporção, está longe das intenções deste que escreve, dominar aspectos teológicos como os teólogos, ou compreender a herança de fé cristã como os cristãos de boa-fé, para discussão mais profunda. Do que se vale aqui, simplesmente, é do signo que a longa e influente tradição cristã oferece no universo ocidental; pois nesta coluna se tratará do trabalho através do empreendedorismo e do esforço de contribuição comunitária, pelas diversas estruturas para tal, distribuídas pelos bairros de Campo Grande, seja tal influência de forma direta ou indireta.

Entende-se que as iniciativas empreendedoras de indivíduos que ignoram toda contra fortuna, todo conjunto de adversidades, além de possibilitar autonomia e crescimento socioeconômico próprio, pode resultar em micro, médio e maiores empreendimentos, capazes de representar alternativas de emprego a um número positivamente variável de pessoas que precisam de oferta de trabalho.

A principal ligação entre empreendedorismo e as disposições de instituições em geral, que propiciam alguma espécie de apoio social através de associações ou outras plataformas, vem justamente de um raciocínio que tem certa força atual de que o empreendedor não é uma espécie de “iluminado”, capaz de ter disposição e ideias exclusivas e geniais; não!

O empreendedor não é uma espécie de “iluminado”, capaz de ter disposição e ideias exclusivas e geniais; não!

Jason Fried & Heinemeier Hansson, na obra “Reinvente sua Empresa” dizem preferir o termo “impulsionador”, pois na verdade o empreendedorismo é um atributo genérico aos seres sociais humanos, e basta mesmo, conforme o ambiente, “pôr mãos à obra”, com uma ideia, uma pitada de confiança e um empurrãozinho financeiro.

Embora muitos possam exagerar sobre a facilidade de empreender, e com tal exagero cair na vala comum de receituário tipo autoajuda, com resultados contrários imprevisíveis aos esperados, é verdade que ao se considerar que o país tem ambiente sócio empresarial possível às realizações empreendedoras, pode-se, sim, construir sob diversificados nichos de potenciais de demanda, inúmeros canais de resposta a consumidores e evoluir com produção e fornecimento; enfim, realizar-se como empresário.

Mas, se é possível, porque há então tanta gente desempregada, em desespero por uma oportunidade de trabalho ou de montar seu próprio negócio a partir de um projeto comercial?

Entendendo-se que talvez não seja possível zerar o déficit de vagas ou de apoio à realização empresarial própria nas comunidades em geral, há informação genérica todos os dias, apontando para o fato de que existem ao menos caminhos que podem atenuar ou diminuir bastante os índices negativos.

A investigação constante nesta coluna tocará estes pontos. Além de se deter em reinterpretações de destaques informativos convergentes para este tema; serão, principalmente ao final de cada mês, aqui colocadas experiências reais e atualizadas.

Mas, aproveitando-se de informações que são colocadas por veículos de várias espécies e em vários estilos, se exporá aqui, devidamente referenciado, casos, opiniões ou outros objetos textuais que sirvam a esclarecimentos sobre empreendedorismo e dinâmicas comunitárias à fim de impulsionar a harmonia social.

Vale ilustrar com um exemplo atual, portanto, o que se entende básica e objetivamente como empreendedorismo.

Encontramos no portal UOL de informações à público geral, o relato de um jovem de 27 anos que nada entendia de comidas em questão de fazê-las, lanches, que fossem, e que resolveu empreender uma batalha empresarial nas praias cariocas, sabidamente campos de intenso combate por espaço de negociações “corpo a corpo”. Vegetariano, apenas com uma bolsa térmica e capital inicial de 50 reais criou um hambúrguer marca sua: “Hareburguer”, que seria uma espécie de lanche de soja “intergaláctico” e “psicodélico”. Começou sozinho, tem hoje uma loja em Ipanema e 14 empregados (UOL).

Não existe como não empreender, sentido estrito, perante a necessidade de agir.

Essas histórias não são tão inéditas. Mas são válidas para refrescar, para oxigenar talentos potenciais que precisam de constante estímulo para providenciarem-se e verterem-se em algo produtivo. E quando investigadas mais profundamente, como aqui se fará com casos locais, pois há pouco falávamos de exemplo carioca, verifica-se que não é somente a ideia geral que resulta em sucesso; mas um conjunto de detalhes em que sim, o caráter empreendedor e a tenacidade de insistência são preponderantes.

O que resta claro é que realmente não existe como não empreender, sentido estrito, perante a necessidade de agir quanto ao indesviável “suor do rosto” para “ganhar o pão”; pois, como o sempre primordialmente preciso Houaiss explica, o empreendimento se dá em dois passos gerais bastante claros e necessários, no caso: 1: decidir; 2: pôr em execução; realizar.

Na prosa da outra semana teremos como objetivo falar, ainda genericamente, sobre as plataformas de apoio ao empreendedor. E ao final do mês teremos uma prosa mais próxima de como se dão as realizações de empreendimentos nos bairros. Vamos nos construindo; sigamos!


Voltar


Comente sobre essa publicação...