Semana On

Terça-Feira 05.jul.2022

Ano X - Nº 494

Coluna True Colors

Marcha em São Paulo denuncia aumento da violência contra população LGBTQIA+

Pelo menos 300 pessoas LGBT+ tiveram mortes violentas em 2021, crescimento de 8% em relação ao ano anterior, segundo balanço divulgado pelo Grupo Gay da Bahia

Postado em 19 de Maio de 2022 - RBA

 Guilherme Gandolfi - RBA Guilherme Gandolfi - RBA

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Ativistas marcharam no último dia 17, dia internacional de combate a LGBTQIfobia, contra o aumento da violência contra essa população. Após concentração no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, que deu início ao ato cultural #17MBolsonaroNuncaMais, uma multidão seguiu em direção à Rua Augusta com gritos de “Fora, Bolsonaro!”, e “Bolsonaro, Nunca Mais”. A data é marcada pela exclusão da homossexualidade da classificação internacional de doenças pela Organização Mundial da Saúde, em 1990.

Segundo o Conselho Nacional Popular LGBTI, o ato teve como objetivo fomentar, por meio da cultura e da arte, “a resistência à política genocida do atual presidente Jair Bolsonaro, que tem colocado as vidas LGBTQIA+ em risco”. “Por meio do discurso do próprio governo, que incentiva o ódio a qualquer pessoa que fuja da norma de gênero, há o crescimento dos assassinatos”.

Pelo menos 300 pessoas LGBT+ tiveram mortes violentas em 2021, crescimento de 8% em relação ao ano anterior, segundo balanço divulgado pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), com base em notícias coletadas em parceria com a Aliança Nacional LGBTI+. Foram 276 homicídios (92% do total) e 24 suicídios (8%). “O Brasil ainda é o país do mundo onde mais se assassinam LGBT: uma morte a cada 29 horas”, afirmam as entidades.

De acordo com o levantamento, 35% dos casos se concentraram na região Nordeste e 33%, no Sudeste. “É a primeira vez que o Sudeste concentra tantos óbitos. Mais do que a soma das regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sul. Não há regularidade sociológica que explique essa e muitas das ocorrências, como também, por exemplo, a redução das mortes nos meses de primavera”, diz o GGB.

Mais cedo, representantes de movimentos, organizações e entidades do Conselho Nacional Popular LGBTI+ participaram de audiência na Assembleia Legislativa de São Paulo, promovida pela deputada Professora Bebel (PT), em defesa do Museu da Diversidade Sexual.

O museu foi fechado no final de abril, por tempo indeterminado, por decisão judicial que suspendeu o contrato de cerca de R$ 30 milhões firmado entre o governo paulista e o Instituto Odeon, responsável pela administração do espaço. A decisão, do início de abril, é baseada em ação movida pelo deputado estadual Gil Diniz (PL), apoiador de Jair Bolsonaro.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Equipe Semana On

Equipe Semana On

Coluna editada pela equipe da Semana On.


Saiba mais sobre Equipe Semana On...