Semana On

Quinta-Feira 27.jan.2022

Ano X - Nº 475

Coluna True Colors

‘O brilho das velhices LGBT+’ revela a luta contra a solidão e o duplo preconceito

Depoimentos do livro contam histórias de violência, preconceito e aceitação de cidadãos LGBTQIA+ com mais de 50 anos

Postado em 09 de Dezembro de 2021 - Caio César – Carta Capital

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

“Eu sempre tive duas personas: Marcos e Esther.” O dilema de gênero acompanhou a professora de teatro Esther Antunes, de 60 anos durante boa parte da vida. Natural de Bambuí, interior de Minas Gerais, ela cresceu sem qualquer referência que a ajudasse a se entender. “Eu vim do mato, não tinha uma identidade, ninguém para olhar e então pensar ‘nossa, eu sou assim’. Eu fui minha referência”. Ao mudar-se para a capital paulista, nos anos 70, que ela entendeu: sempre será os dois. E, hoje, se define como pós-gênero. “São duas histórias que caminham juntas. Para entenderem Esther, eu preciso falar do Marcos.”

O relato de Esther compõe O brilho das Velhices LGBT+, obra recém-lançada que lança luz sobre o envelhecimento de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transsexuais e pansexuais. “As pessoas enxergam a velhice como algo hegemônico”, explica Luis Baron, um dos autores do livro e presidente da EternamenteSOU. A velhice LGBT, porém, não se encaixa nos estereótipos que a sociedade tem sobre os idosos. “Esta é uma hegemonia branca e heterossexual”.

Organizado pela ONG EternamenteSOU em parceria com Núcleo de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de Goiás e o Núcleo de estudos em Ciências do Envelhecimento, da Universidade São Judas Tadeu, o livro aborda temas como o idadismo, a solidão afetiva e o apagamento da sexualidade na velhice. Foram gravadas mais de 55 horas de entrevistas com vinte depoentes de todo o Brasil, com idade entre 40 e 80 anos. A transcrição literal dos depoimentos é importante para que os personagens dialoguem diretamente com o leitor, reforça a pesquisadora e coautora da obra Sandra Ortiz.

Como Esther, muitos LGBT+ que hoje chegam à terceira idade viveram um reecontro tardio com a própria sexualidade e identidade. A história de Denise Taynáh, 71, começou após os 50 anos, depois de uma vida como homem e ter sete filhos. “Depois que meu pai morreu, me soltei um pouco”, revela. Inicialmente, ela começou a se montar como crossdresser, mas logo entendeu que desejava viver como mulher. “Chegou o tempo de ir para a rua e me mostrar.”

Para outros, a busca pela família em uma vida heteronormativa foi um caminho incontornável. Dora Cudignola, 67 anos e lésbica, chegou a viver experiências homoafetivas na juventude, mas casou-se com um homem e teve uma filha. Sua plenitude afetiva e sexual, conta, só despertou depois da separação. Os romances tardios não foram apenas contos de fada — houve relações abusivas e por interesse — mas ela não se arrepende. “Eu precisava ter vivido isso.”

Solidão e insegurança financeira

A juventude dos que chegam hoje à terceira idade foi marcada por um histórico controle e repressão na ditadura. O casamento homoafetivo, a retificação do nome social e da certidão de nascimento, vale lembrar, só passaram a valer nos anos 2000.

Agora mais velhos, eles enfrentam novas camadas de violência e negligência. Dados da Associação de Aposentados dos EUA indicam que, 57% dos homens gays acima dos 45 anos são solteiros e 46% vivem sozinhos, na faixa dos 60, este número salta para 80% e 75% respectivamente, mais que o dobro do percentual registrado entre idosos heterossexuais.

Além dos impactos da solidão no bem-estar, a ausência de família e cuidadores torna a velhice mais vulnerável, já que os vínculos com outros grupos sociais tendem a ‘esfarelar’ na terceira idade. “Quando um LGBT chega aos 60, aquele grupo de apoio que ele montou durante toda a vida começa a sumir. Uns adoecem, outros morrem…”, diz Luis. “E em geral, eles não podem mais cuidar de si, quem dirá dos amigos.”

No livro, Esther conta que incerteza de renda e acesso a saúde, suas principais preocupações na velhice, foram agravadas na pandemia. “Pensei ‘estou indo para uma quarta chance de morrer’, porque tivemos a ditadura, o boom do HIV e a minha própria existência divergente”.

Os números corroboram sua percepção. Segundo levantamento da plataforma VOTE LGBT+, 6 em cada 10 integrantes da sigla ficaram mais pobres durante a pandemia, o que leva a insegurança de moradia e alimentar. Para muitos LGBTQIA+, a independência financeira também é fundamental para viver e comunicar abertamente sua sexualidade e expressão de gênero.

Por um envelhecimento plural

Para a pesquisadora Sandra Ortiz, os estudos focados na geriatria LGBTQIA+ no Brasil ainda são incipientes. “A universidade foca em uma geriatria branca e heterossexual. Como é o envelhecimento de uma trans? Quais as necessidades dessa pessoa? Nós não sabemos”.

A falta de dados contribui para a escassez de informação. Detalhes como a ausência da opção transexual em uma ficha de cadastro, inviabilizam o mapeamento destas pessoas, o que cria uma falsa realidade de inexistência para o Estado.

O despreparo de profissionais da saúde e a inconsistência nos tratamentos de hormonização, hoje concedidos pelo SUS, também são alvo de debate. Em São Paulo, o gabinete da vereadora Erika Hilton mapeou a hormonioterapia em postos de saúde e a experiência de 51 transexuais que realizam o tratamento. 75% dos participantes já foram afetados pela falta de hormônios no serviço de saúde público.

Desde o começo da pandemia, a EternamenteSOU– única atuante no Brasil com foco na velhice LGBTQIA+ – distribui 45 cestas básicas, auxilia financeiramente no acesso à moradia e disponibiliza mais de 20 psicólogos para acompanhamento. Em março de 2020 também foi ao ar as ‘salas de meets’, uma maneira de conectar idosos LGBTS em todo o país, programa que deu origem ao livro. “Com essa rede de apoio, fomos capazes de cuidar do psicológico dessas velhices, que estava muito fragilizado”, conta.

O livro O brilho das velhices LGBT+, escrito por Luis Baron, Sandra Ortiz e Carlos Eduardo Hennig, já está disponível para venda no site da Editora HUCITEC. O dinheiro arrecadado com a venda será aplicado na continuidade dos projetos oferecidos pela EternamenteSOU.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Equipe Semana On

Equipe Semana On

Coluna editada pela equipe da Semana On.


Saiba mais sobre Equipe Semana On...