Semana On

Sexta-Feira 03.dez.2021

Ano X - Nº 469

Coluna A Arte de ser Viajante

Motéis

Origem e um caso destes empreendimentos.

Postado em 17 de Abril de 2015 - Jorge Ostemberg

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

De onde vieram os motéis, como surgiram como empreendimento? A origem dos motéis se deu a partir de uma origem geral de empreendimento, a oportunidade. Foi nos Estados Unidos; quando determinado sujeito percebeu que os motoristas não tinham opção específica de estabelecimento predial de acolhimento, algo como um hotel especial para motoristas; que inclusive fosse mais barato, pois dispensaria os costumeiros atrativos dos hotéis comuns, seria apenas para acolher os sujeitos que, cansados, ao extremo do ato de dirigir seus carros ou caminhões, pudessem simplesmente repousar, sem ficar exposto aos costumeiros perigos da estrada. E este sujeito, com sua ideia, fez surgir as primeiras estruturas “hoteleiras”, destinadas aos motoristas de caminhão, principalmente; era algo para o repouso, simplesmente.

É possível que o primeiro motel do mundo seja o Milestone Motel, de Arthur Heineman, surgido em 1925, e outro motivo, além da natural necessidade que impulsionou o primeiro empreendimento do tipo, foi o grande boom da indústria automobilística, naturalmente, que trouxe junto o fenômeno do aumento bastante notável de viagens.

Logicamente não ficaria Heineman sozinho no negócio. Como geralmente acontece com boas ideias e empreendimentos que de fato dão retorno, logo vários empreendedores lançaram-se à construção destes hotéis específicos para motoristas, com grande entusiasmo, em que naturalmente se escolheram locais próximos das estradas ou aeroportos.

No Brasil, o primeiro motel que se tem notícia é o “Playboy, da década de 1960”; que era inicialmente uma espécie de clube de atendimento a sócios e acompanhantes. O motel Bariloche que fica na Rodovia Raposo Tavares, é foi trazendo aos poucos o molde de motel que conhecemos hoje no país. Observa-se que ainda hoje esse motel é referência, com seus espelhos espalhados, hidromassagem, piscinas, saunas e filmes eróticos. Várias associações orientam os motéis, como a AMOPAR, encontrada no Paraná, que tem vários motéis credenciados.

Com o passar do tempo, e a busca intensa por parte de jovens, a legislação se obrigou a normatizar a utilização de motéis, para que não servissem a menores de idade, e é comum a notícia de trabalhos da promotoria da juventude no sentido de coibir a citada prática, em que parte das normas se direciona a impedir anúncios de motéis que contenham figuras de jovens.

Tendo entrevistado um proprietário que não quis ser identificado, ele dá o empreendimento em Campo Grande (MS), em parte saturado, relatando que isso já ocorria na época que resolveu investir, notando que na ocasião sua esposa foi bastante contrária à ideia. No entanto, tendo antes pesquisado sobre o assunto, iniciou por comprar um já em funcionamento, mas com dificuldades por parte do antigo proprietário; verificou que a maior parte de dificuldades se dava por inépcia administrativa e corrigiu tais aspectos, fazendo com que o negócio fluísse, ao ponto de expandir, tendo hoje várias filiais, que lhe rendem o suficiente e de tal forma que não pensa em momento algum mudar a atividade.

Tendo perguntado qual o conselho que dá aos novos empreendedores, ele desfila uma série de providências que na realidade estão espalhadas pelos artigos anteriores e se tratam de atitudes de um empreendedor que percebe a necessidade de se cumprir antes de tudo, as devidas necessidades de administração e marketing. Lembra que um empreendedor o convidou para conhecer seu primeiro motel, estava entrando no ramo; e duas coisas lhe chamaram logo a atenção; uma, absurda, embora o estabelecimento tivesse materiais de boa qualidade, a ducha era miseravelmente escolhida e nas primeiras utilizações certamente teriam que ser removidas, trocadas por outras. E ao perguntar para o proprietário: “Quantos clientes de motel você acha que usam camionete em Campo Grande?”; pois, bem, pode medir sua garagem, aqui; não há espaço suficiente par uma camionete estacionar, você perderá inúmeros clientes se não mudar isso, terá que ficar os recusando à porta de entrada, será constrangedor”. E o empreendedor desastrado lhe olhou lívido, de fato esquecera-se uma coisa básica no empreendimento, a pesquisa.

Nosso entrevistado encerrou contando vários casos bastante pitorescos, como um indivíduo que entrou sozinho, em tese, em um dos quartos, a não ser pelo fato de que o acompanhava uma senhora... melancia. Noutro, dois esposos e duas esposas amigas se encontraram e por pouco não houve tragédia. Lembra ainda o problema que teve em uma de suas unidades mais afastadas e menores, devido ao veículo estacionado, uma carroça; o cavalo ficou muito impaciente lá fora, pois é como se achou jeito, e quase terminou mais cedo com a aventura do casal. Na seção de “achados e perdidos”, conta que tendo encontrados homem elétrico esquecido ainda com pilhas novas, bonecas infláveis, sacolas com hortigranjeiros, cenouras de mais de palmo revestidas de preservativo, calcinhas multicores, de todo tipo imaginável ou não; e a mais interessantes de todas; uma dentadura, que é guardada até hoje, sem que o proprietário tenha vindo reclamar.

Aconselha sobre quem queira empreender com motéis, que avalie muito bem a natureza da cidade, sua geografia, os aspectos de concorrência, de obrigatoriedade de investimentos a mais em segurança. Convém mesmo é conseguir conversar com a concorrência, antes de começar, afinal.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Equipe Semana On

Equipe Semana On

Coluna editada pela equipe da Semana On.


Saiba mais sobre Equipe Semana On...