Semana On

Terça-Feira 05.jul.2022

Ano X - Nº 494

Coluna Agromundo

Índia e Europa costuram aliança que ameaça agro do Brasil por uma década

Uma aliança inesperada entre duas das maiores economias do mundo pode ameaçar o futuro da agricultura brasileira, distorcendo mercados e criando barreiras que terão um impacto profundo para as exportações nacionais

Postado em 16 de Junho de 2022 - Jamil Chade - UOL

Imagem: Alan Santos/PR Imagem: Alan Santos/PR

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Uma aliança inesperada entre duas das maiores economias do mundo pode ameaçar o futuro da agricultura brasileira, distorcendo mercados e criando barreiras que terão um impacto profundo para as exportações nacionais por mais de uma década.

A aproximação entre Nova Déli e Bruxelas está se desenhando nesta semana na conferência ministerial da OMC (Organização Mundial do Comércio), a primeira em cinco anos. Para tentar resistir ao projeto, o governo brasileiro está se aliando aos americanos, também preocupados com uma possível transformação do comércio agrícola internacional. O Mercosul, Austrália e outros exportadores agrícolas também se mobilizam contra os indianos.

Nova Déli quer que um acordo comercial permita que governos em desenvolvimento possam ter uma espécie de "cheque em branco" para a construção de estoques nacionais de alimentos, sob o argumento de lutar contra a fome. Se numa primeira impressão a política poderia fazer sentido na luta contra a fome, economistas e especialistas em comércio internacional alertam que a medida seria uma manobra para que um governo como o da Índia subsidie sua produção nacional, com um orçamento de mais de US$ 70 bilhões.

Na prática, a produção acabaria atendendo tanto ao mercado doméstico como o internacional. Mas, com forte apoio do governo, isso significaria que poderiam exportar com preços mais baixos, matando a concorrência das exportações do Brasil, EUA, Austrália e outros países.

Para conseguir força para empurrar tal proposta, os indianos estão se aproximando aos europeus, tradicionais apoiadores de sua agricultura doméstica por meio de programas que, segundo o Brasil, distorcem o mercado internacional.

Em troca de apoiar os europeus em temas de seus interesses, os indianos querem o compromisso de Bruxelas de que a questão dos estoques de alimentos será aprovada.

O temor do Brasil é de que, se o acordo vingar, dois elementos vão transformar o comércio agrícola mundial. De um lado, as distorções seriam aprofundadas por mais de uma década, deslocando a exportação nacional para alguns dos principais mercados de destino das vendas brasileiras.

De outro, os europeus passariam a implementar taxas ambientais contra os produtos brasileiros, um projeto que poderá ser aprovado nas próximas semanas em Bruxelas.

O resultado: a exportação nacional seria deslocada dos mercados emergentes e, ao mesmo tempo, não conseguiria entrar na Europa, um dos principais destinos das vendas do país.

Com negociações que terminam na quarta-feira, em Genebra, o governo brasileiro tem intensificado os contatos com delegações de várias partes do mundo na esperança de impedir que a aliança entre indianos e europeus prospere. "O que está em jogo é a agricultura nacional", admitiu um experiente negociador.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Equipe Semana On

Equipe Semana On

Coluna editada pela equipe da Semana On.


Saiba mais sobre Equipe Semana On...